This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

SIMBOLOGIA DO MUNDO VEGETAL

Emissões Postais Brasileiras sobre a Temática Flora

Flora Brasiliensis” (florabrasiliensis.cria.org.br) é uma obra que trata das plantas brasileiras, produzida na Alemanha entre 1840 e 1906, pelos editores Carl Friedrich Philipp von Martius, August Wilhelm Eichler e Ignatz Urban, com a participação de 65 especialistas de vários países, patrocinada pelos Imperadores da Áustria e do Brasil e pelo Rei da Baviera. Contém tratamentos taxonômicos de 22.767 espécies, a maioria de angiospermas brasileiras, reunidos em 15 volumes, divididos em 40 partes, com um total de 10.367 páginas. Além das descrições taxonômicas, todas em latim, a “Flora Brasiliensis” contém 3.811 litografias, que ajudam na identificação de espécies.

Simbologia esotérica: O mundo vegetal é a alma da natureza e por essa razão a magia utiliza-se da alma dos vegetais. Cada planta é um indicador ativo, com funções definidas no mundo mágico. A natureza é um laboratório encantado... Na Antiguidade, algumas plantas eram excepcionalmente empregadas devido as suas qualidades mágicas...

O sítio Viva a Terra (vivaterra.org.br), o qual indicamos, tem como um de seus objetivos divulgar as espécies da Flora Brasileira... Visite!

As fotos abaixo mostram, respectivamente, flores de gerânio cor-de-rosa e flor branca da camélia, do Sítio Santa Ana.

volta ao topo

Abacateiro (Persea spp., Persea gratissima) – Diurético, antidiarréico, cálculos renais. Estômago, artritismo, calmante de dores, cálculos biliares, rins e bexiga. Colagogo, carminativo, afecções hepáticas e edemas. O abacate, de “ahuacate” e “aguacate” (vocábulo azteca e maia); de “abacati”, fruto do “abacatiyba”, em tupi-guarani. Altamente nutritivo, usado em medicina como diurético. Afrodisíaco. Usado no interior contra panaricio e hidroceles. Substituto da carne. Suavemente laxativo. Sua gordura não afeta o fígado. Rico em vitamina A.

Abiu, abí, abiú (Lucuna caimito) – talvez de iba-yú, o fruto amarelo, ou de aú-yú, amarelo, amarelo manchado. É empregado nas afecções pulmonares, planta sapotácea, o fruto dela, o mesmo que abieiro e abio. Abiui, tipo de abiu pequeno. Abiuyba, mesmo que abieiro. Nativa do Peru. Para desnutridos e anêmicos. Excelente contra queda de cabelos. Seu látex é útil para herpes e verrugas.

Abóbora (Cucubita pepo)

Abricó ou Abricote – fruto do abricoteiro, semelhante ao damasco...

Acaiaiba – de acayá (cajá) e aíba (ruim). Considerada pelos indígenas como árvore sagrada. Utilizado para medicamento aos olhos.

Açaí, uaçaí, wasaí, yasai, yasaí – em tupi-guarani significa fruta que chora ou deita água, fruta de onde sai líquido; de a-çai, o fruto, o caroço. Econtrado nas matas da Tijuca com o nome Juçara. Valor nutritivo elevado. Vitaminas B1, B2 e C. A raiz é depurativa.

Alcachofra – Elimina o colesterol, digestivo, ácido úrico. Reumatismo e fígado. Combate ao colesterol e triglícerides e a obesidade. Estimula a produção dos biliares, agindo diretamente no fígado e vesícula biliar. Reduz o triglicérides no sangue. É diurético e promove a desintoxicação do sangue, com eliminação de ácido úrico e excesso de líquidos.

Agutiguepe – araruta, purificante e anticancerosa.

Alcaçuz – Tratamento de inflamações do ventre, das vias urinárias e doenças inflamatórias.

Alcaravia – Estômago, diurético, indicado nos embaraços gástricos e flatulência, cólicas, usado também como condimento. Emoliente, faringite, mau hálito e prisão de ventre.

Alecrim (Romarinus officinalis) – Depurativo, tônico estomacal, estimulante hepático, reumatismo. Estimula a circulação, regula a secreção biliar, usado em banhos contra o reumatismo. Dispepsias, esgotamento físico ou intelectual, gripes e febres, para dores de cabeça, enxaqueca e stress. Tonifica o sistema nervoso, é calmante e ativa a memória. É tônico e anti-depressivo. Modo de usar: chá por infusão, 3 vezes ao dia. Não é indicado para pessoas que tem pressão alta. Usado contra o mal olhado e afasta “olho grande”. Tem propriedades anti-sépticas e estimulantes. É usado pela igreja católica sendo queimado junto com o incenso. Destroi o ódio e domina o medo. Associado ao planeta Sol.

Alfafa – Anti-escorbútico, raquitismo, abre o apetite, calmante dos nervos, cistite, reumatismo.

Alface (Lactuca sativa)

Alfavaca – Dificuldade na digestão, enfermidades dos intestinos, estômago e rins. Protéico, alto valor nutritivo, convalescença e digestivo.

Alfazema – Indicado em casos de tontura, cólicas intestinais, enxaquecas, usado também como defumação. Estimulante, calmante, anti-depressivo, combate a insônia, cólica menstruais, gases e anti-espasmódico. Modo de usar: chá por infusão, 3 vezes ao dia.

Alho (Allium sativum) – Originário da Ásia central, é uma raiz, cujo bulbo se constitui de vários dentes. Seu aroma típico é fornecido por uma substância que o compõe, de noma alicina, a qual contém enxofre. Etimologia: A palavra alho vem do latim: allium. O nome latino sativus (masculino), sativum (neutro) ou sativa (feminino), significa cultivado ou plantado, é achado nos nomes binomiais de muitas espécieis de plantas domésticas. Simbologia: O alho antes de tudo, é um amuleto de boa sorte. Possui energia que garante proteção para qualquer ocasião. Seu enorme poder purificador criou a famosa simbologia do alho como arma contra os vampiros. Em certas regiões da Itália, Grécia e Índia, ramalhetes de alho amarrado com uma fita vermelha, são pendurados dentro de casa. Esta prática evita a má sorte entrar. O óleo de alho, por exemplo, aumenta a resistência orgânica contra gripes e resfriados; é auxiliar no tratamento da bronquite crônica, anti-séptico pulmonar, combate a pressão alta e arteriosclerose.

Nota: A expressão “misturar alhos com bugalhos” significa fazer confusão, dizer coisas atrapalhadas, desconexas. A palavra bugalho, do celta bullaca, é o fruto do carvalho, a noz que se usa em terços e rosários para contar, pelo tato, orações católicas e islâmicas. Não há relação entre as duas palavras, apenas coincidência fonética e uma boa rima quando falamos de alguém que não diz coisa com coisa, que mistura tudo, cuja conversa não tem pé nem cabeça.

Alóes-do-cabo – Estomacal e recomendado para combater prisão de ventre crônica.

Alteia raiz – Expectorante, utilizado nos casos de faringites e úlceras. Tosses e bronquites.

Angélica – Anorexia nervosa, tônica, estomáquica, estimulante, carminativo e anemia.

Angélica raiz – Usado nos casos de anemia, convulsões e cólicas.

Andiroba (Carapa guianensis) – Família Botânica: Meliaceae. Tamanho: até 55 m de altura, e diâmetro de 50 a 120 cm. A andiroba é uma árvore de porte médio que tem mútiplos usos, sendo que a madeira e o seu óleo extraído das sementes são os produtos mais importantes gerados pela espécie. O óleo é utilizado como repelente de insetos e no alívio de dores provocadas por batidas, inchaços, reumatismos, no combate aos vermes, e na cicatrização do cordão umbilical. Algumas etnias indígenas misturam este óleo à substâncias pigmentosas, também retiradas da floresta, para as pinturas corporais. No mercado nacional e internacional o produto é muito procurado pela indústria cosmética para a fabricação de cremes, xampus, loções e géis.

Anis – Tem o poder de despertar energias sutis necessárias para a magia, é usual envolvê-lo em pequenos saquinhos que, espalhados pela casa, tornam o ambiente receptivo às influências benéficas.

Anis-estrelado – Falicita a digestão e possui aroma agradável. Carminativo, estimulante, estomáquico, mau hálito e ânsia. Tem o poder de despertar energias sutis necessárias para a magia, é usual envolvê-lo em pequenos saquinhos que, espalhados pela casa, tornam o ambiente receptivo às influências benéficas.

Araçá, arassá – de “ara-çá”, de fruto de época, tempo, tempo que passa, passagem do tempo, pois o fruto dá uma vez por ano em época certa, marcando assim o tempo. Goiaba-do-mato, grande, casca macia como pele e serve para fazer suco. Fruto da árvore silvestre araçazeiro (frutinha amarela). Araça-pitanga – de araçá vermelho. Nota: araçari.

Araticum – fruta mole, rala. Raízes empregadas contra corrimentos. Urucum ou uruku – nome de planta que fornece tinta vermelha para tingir o corpo, de vermelhão. Urucu-usu, sufixo de aumentativo -ão, grande. Urucurana, de urucum falso...

Em 02/06/2003, foi emitido o bloco com 6 valores da Série Brasil América Upaep: “Fauna e Flora Autóctones – Plantas Medicinais do Cerrado”. Valor facial: R$ 0,60 cada selo. Edital: nº 5. Arte: Maria Candida Villela Cruz. Impressão: Ofsete. Folha: 6 selos. Papel: Cuchê gomado. Tiragem: 2.400.000 selos. Local de Lançamento: Brasília/DF. RHM: B-131. Sobre um fundo amarelo, representando vegetação do Cerrado, estão dispostos seis selos que focalizam plantas medicinais daquela região.

Sobre um fundo amarelo, representando a vegetação do Cerrado, estão dispostos 6 selos que focalizam a flora que compõem um quadro representativo das várias espécies de plantas medicinais existentes no Cerrado.

Entre as diversas plantas que ocorrem na região central, destacamos:

Velame (Macrosiphonia velame; família Apocynaceae)

Arnica (Lychnophora ericoides; família Asteraceae)
A arnica oferece como qualidade “mágica” a coragem. Nos traumatismos, golpes e ferimentos, machucaduras, nevralgias, anemia, coqueluche, paralisia e é cicatrizante.

Pacari (Lafoensia pacari; família Lythraceae)
também conhecida como dedaleira ou mangabeira-brava

Ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa; família Bignoniaceae)

Embira (Xylopia aromatica; família Annonaceae)
muitas vezes chamada de pimenta-de-macaco ou pindaíba

Tiborna (Himatanthus obovatus; família Apocynaceae)
conhecida como pau-de-leite, leiteiro, janaguba ou sucuúba

Artemísia – Regulariza a menstruação, usado nos casos de epilepsia, nevralgias, reumatismo, anemia, gastrite e hemorróidas. Não é recomendado para as mulheres em fase de amamentação. Anti-espasmódica, emenagoga e gastrite.

Arruda (Ruta spp., Ruta graveolens, da família das rutáceas) – Menstruação difícil. O valor terapêutico desta planta é largamente conhecido. É um bom calmante para as pessoas nervosas e está associada à força mental contra as forças do mal, mau olhado e quebrante. Elimina energias negativas, limpa o ambiente. Está associada ao planeta Marte.

Assa-peixe – Indicado em casos de infecção do útero, contusões, golpes, hemorragias, expectorante. Cálculos renais, bronquite e tosse.

Azaleia (Rhododendron spp.; rodon/rhodos significa rosa e dendron significa árvore, em grego; Rhododendron arboreum; Rhododendron indicum)

Babosa – Usado contra queda de cabelos.

As fotos abaixo mostram, respectivamente, babosa e flores da azaleia, do Sítio Santa Ana.

Banchá ou ban-chá – Chá oriental que facilita a digestão, também é estimulante. Estimulante digestivo, rico em sais minerais e dá alívio nas inflamações em geral. Ajuda a emagrecer.

Bardana – Depurativo, infestações acneicas, sudorífica, diurético, artrite e gota.

Barbatimão – Usado nas anemias, inflamações, anti-diarréticos e hemorragias. Banhos de assento, adstringente, cicatrizante, tônico e anti-diarreico.

Batata-de-purga – Purgante e laxativo, elimina impurezas da pele.

Benjoim – Secreção da planta Styrax Tonkinensis, goma resina, largamente utilizado em cultos budistas e hinduistas. As qualidades que despertam são de afeto, devoção idealismo, inspiração, alegria, amor e triunfo. Está relacionado ao planeta Vênus.

Bergamota (Citrus spp.), tipo de laranja...

Beringela – Suco de beringela crua. 1 (uma) beringela grande ou duas pequenas. Cortar em fatias finas com a casca e colocar em um pote, cobrindo com 1 litro de água potável. Tampar e levar à geladeira de um dia a outro (fazer à noite). Na manhã seguinte coar e juntar sumo de 2 (dois) limões. Conserve refrigerado. Comprima as fatias de beringela com um prato ou outro recipiente de forma que fiquem submersas neste pote após tampado (Não as deixe flutuarem). Beber com ou sem adoçante ou açúcar. Aquela polpa que ficou na água pode ser jogada no lixo. As vitaminas ficaram na água. Este suco é ótimo para manter o metabolismo acelerado. Limpa o colesterol que estiver em excesso, o limão com sua vitamina C ativa várias funções. A beringela é rica em Vit. A, B1, B2, B5, C. Tem proteína, entre outros nutrientes. Esta receita é própria para que tem diabetes, hipertensão arterial, e colesterol fora do nível saudável. Pode ser usada por 15 dias e depois parar por 15 dias.

Beterraba (Beta vulgaris)

Bétula – A bétula, quando colocada dentro de um saquinho de linho e amarrada ao pé da cama, afugenta a melancolia. Deve ser usada seca, utilizando-se galhos e folhas.

Biribá – do tupi-guarani “embirybá” (embira, casca de árvore + ‘ybá, fruto). Também chamada de pinha e fruta-do-conde, ainda de jaca-do-pobre, fruta-da-condessa, fruto-de-beribazeiro. Alcalina, rica em potássio, vitaminas C e E, ácido fosfórico e málico. Indicado nas anemias... Nota: a fruta-do-conde, também conhecida por “anona, pinha”, presta homenagem ao seu introdutor, Conde Resende, de a + nona, fruto “continuado”...

Boldo – Normaliza as funções do fígado, elimina ácido úrico, digestivo.

Boldo-do-chile – Atua na degradação das gorduras. Estimulante da digestão. Indicado após ingestão excessiva de alimentos ou nos distúrbios digestivos. Diminui os gases e combate o mau hálito. Estimulante das funções hepáticas, combate cólicas do fígado e estômago. Colerético, colagogo, digestivo, elimina ureia, secreção biliar e icterícia.

Bugre ou chá-de-bugre – Anti-reumático, anti-diarréico, triglicerides, evita formação de depósitos gordurosos, ativa a circulação e diminui a taxa de colesterol. Emagrecedor, combate o colesterol, baixa a pressão, inchações das pernas e reumatismo.

Butiá – fruta desta espécie de palmeira que é mais comum no Sul do Brasil... Pequeno fruto, amarelo que nasce num arbusto e serve para suco...

Cabelo-de-milho – Diurético, bexiga e rins, cistite, cálculos, baixa a pressão e desintoxica o sangue.

Café (página da Etiópia)

Cajá-manga – fruto do cajazeiro (Spondias lutea), sumarento e azedo, também conhecido como caja-mirim.

Calêndula – Regulariza a menstruação, anti-inflamatório, cicatrizante, vaso dilatador e tonificador da pele.

Cambuci ou cambucizeiro é uma árvore frutífera nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção. Antigamente abundante na cidade de São Paulo, deu nome a um de seus bairros tradicionais. O nome cambuci é de origem indígena e deve-se à forma de seus frutos, parecidos com os potes de cerâmica que recebiam o mesmo nome. A espécie (Campomanesia phaea) foi inicialmente descrita por Berg em 1857, como Abbevillea phaea.

Camo-camo – Fruta que combate os radicais livres, super azeda, pior do que limão e super rica em vitamina C...

Camomila (Matricaria spp.) – Antiinflamatória, diurética, calmante, cólicas intestinais. Regulariza todo o aparelho digestivo. Anti-flatulento, anti-espasmódico, cefaleias, gastrites, diarreias e alergias.

Cana-do-brejo – Diurético, depurativo e elimina cálculos renais. Sudorífica, sífilis, pedras na bexiga, rins e arteriosclerose.

Canola – Útil na produção de alimento e de energia – oleaginosa utilizada para biocombustível. Os grãos da planta Canola produzidos no Brasil possuem em torno de 24 a 27% de proteína e de 34 a 40% de óleo. O óleo é um dos mais saudáveis, possui elevada quantidade de Ômega-3, vitamina E, gorduras mono-insaturadas e o menor teor de gordura saturada de todos os óleos vegetais.

Carambola (Averrhia spp.) – fruta de origem indiana, muito apreciada no Brasil e de cujo suco se pode usar como tira-manchas e limpador de metais...

Cardamomo – Usado nos casos de dispepsias e cólicas.

Cardo-santo – Usado contra resfriados, febres e gripes. Estimulante do apetite, tônico amargo e estomacal, febrífugo.

Carobinha – Doenças da pele, sífilis, feridas, úlceras, dores reumáticas e depurativa do sangue. Diurético, doenças venéreas, cicatrizante, dores e anti-amebiano.

Carqueja – Diurética, estimula a digestão, fígado e instestinos. Tratamento em forma de chás nos casos de má digestão, cálculos biliares, diabetes e anemias. Tônico amargo, estomacal, funções hepáticas, azia, tônico estomacal. Ação diurética e laxante. Poderoso depurativo. Usado na má digestão e nos regimes de emagrecimento.

Carvão vegetal – Muito bom para absorver gases intestinais, combater mau hálito, dores estomacais, aftas.

Casca de laranja – Gastralgias, dispepsias, flatulências.

Cáscara-sagrada – Apresenta poderosa ação laxante, é indicada na prisão de ventre crônica. Não causa dependência, não interfere na atividade espontânea dos intestinos, fato, este, comum aos laxantes sintéticos.

Castanha-da-índia – Má circulação sanguínea, varizes, hemorróidas, doenças uterinas e circulatórias. Tem sua ação aumentando a resistência dos vasos periféricos, atuando na circulação sanguínea de retorno, diminuindo a fragilidade capilar e proporcionando a reabsorção dos edemas. Indicada para problemas de varizes, hemorróidas e prevenção das mesmas.

Catuaba – Tônico e estimulante do sistema nervoso, indicado contra esgotamento e impotência sexual. Afrodisíaco, energético.

Cavalinha – Possui ação diurética e recompõe os sais minerais perdidos. Remineralizante, hemostático. Planta de valor diurético, que permite a eliminação de substâncias tóxicas do organismo. Diminui colesterol e o ácido úrico.

Cenoura (Daucucus carota)

Centelha-asiática – Cãibras, formigamentos, pernas pesadas e doloridas, celulite e gorduras localizadas. Afecções cutâneas, estimulante, cutâneo, fragilidade capilar. Promove emagrecimento, enrijecimento, formação de fibras colágenas e estimula a circulação, sendo indicada para casos de câimbras, formigamentos e pernas cansadas. É usada no combate à celulite e gordura localizada.

Chá verde – Gordura localizada, arteriosclerose, colesterol.

Chuchu ou machuchu (Sechium edule)

Cipó-cravo – Estigmático, contra as dispepsias.

Cipó-suma – Utilizado nas moléstias: Coqueluche, sífilis, reumatismo, asma e dermatoses.

Cipó-cruz – Laxativo, doenças do aparelho urinário, reumatismo, contra tosse, bronquite, asma, sífilis e laringite.

Colágeno – Possui alto teor em proteína animal e aminoácidos promovendo no organismo o enrijecimento dos tecidos, aumento da tonicidade dos músculos, evitando a flacidez.

Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia picta)

Confrey – Cicatrizante, anti-inflamatório, regenerador dos tecidos e no tratamento de queimaduras. Bronquites.

Cordão-de-frade – Elimina o ácido úrico, hemorragias e asma. Anemia, fraqueza, balsâmico, expectorante.

Couve (Brassica oleraceae)

Dália (Dahlia pinnata)

Dendê – Útil na produção de alimento e de energia – oleaginosa utilizada para biocombustível. Tem somente 20% de teor de óleo, o chamado óleo de palma, mas apresenta produtividade de duas toneladas por hectare – mais do que o dobro da produtividade de oleaginosas mais nobres.

Dente-de-leão – Depurativo do sangue, diurético e digestivo. Insuficiência hepática, colagogo e tônico.

Douradinha – Diurética, inflamações da bexiga e elimina pedras nos rins.

Emburana – Rins e bexiga.

Endro (sementes) – Usado contra cólicas e hiper-acidez estomacal.

Erva-cidreira, capim-cidrão ou capim-cidreira (Cymbopogom spp.) – Estigmático, carminativo, anti-espasmódico, sedante, digestivo e histerismo. Aromático e anti-reumático.

Erva-doce – Além da ação digestiva, elimina gases e cólicas intestinais. Age no sistema neuro-muscular, contra cólicas e gastralgias, expectorante, estimula a digestão. Afecções bronquicas, estigmático.

Erva-de-bicho – É usado nos casos de hemorróidas e vermes. Circulação.

Erva-de-são-joão – Anti-depressivo natural, dores de cabeça.

Espada-de-são-jorge (Sansevieria zeylanica)

Espinheira-santa (Maytenus spp.) – Diurético, contra gastrite, fermentação estomacal, analgésico e cicatrizante de úlceras de estômago. Contra hiper-acidez, ulcerações no estômago e evita a formação de gases. Úlceras gástricas, gastrite, câncer estomacal, ação analgésica. Esta é considerada uma das melhores plantas para o tratamento gastro intestinal. Possui ação anti-séptica, analgésica e cicatrizante, sendo empregada na hiperacidez, azia e ulcerações estomacais.

Espirulina – Trata-se de uma microalga com todos os aminoácidos essenciais que o organismo não sintetiza, tem baixa caloria. Indicada para complemento alimentar para esportistas, vegetarianos, pessoas com desgaste físico.

Figueiras / Família: Moraceae
Ficus calyptroceras: gameleira
Ficus carica: figueira-comum (do figo roxo comestível)
Ficus catappifolia: figueira-branca
Ficus dendrocida: figueira-mata-pau
Ficus enormis: figueira-da-pedra
Ficus guaranítica: figueira-branca
Ficus insipida: figueira-do-brejo
Ficus noronhae (endêmica de Fernando de Noronha): gameleira-noronhense
Ficus macrophylla, F. macrophyllus (selo da Austrália emitido em 08/08/2005 que mostra a árvore Moreton Bay Fig)
Ficus rufa? (gameleira)

Fucus vesiculosos – Obesidade, bócio, ativa o metabolismo.

Garra-do-diabo – Excelente planta para tratamento das manifestações dolorosas das articulações como artrite, bursite, reumatismo e gote.

Gelatina – Produto de origem animal, enrijece os tecidos da pele, evitando a flacidez devido a apresentar em sua composição aminoácidos essenciais que são utilizados pelos fibroblastos para produção de fibras jovens e cabelos quebradiços. Evita o envelhecimento precoce.

Genciana – Estimulante da digestão, indicada na anemia e debilidades gerais.

Gengibre – Estomacal, digestivo, usado também em casos de irritação da garganta. Odontálgico, cólicas, estomáquico.

Ginkgo biloba L. (Ginkgoaceae) – Auxilia no tratamento de flebites, úlceras varicosas, nos processos circulatórios, vertigens, falta de concentração e memória fraca. Vaso dilatador, ísquemia cerebral, labirintite, varizes. 18/06/07: É indicado no tratamento dos sintomas de tonturas e zumbidos de origem labiríntica. Melhora da memória, da capacidade de concentração e do humor depressivo, surgidos como consequência do envelhecimento cerebral ou de problemas circulatórios. Aumento da distância que se pode caminhar sem dor, em pacientes com doenças arteriais dos membros inferiores.

Ginseng (Pfaffia paniculata) – Aumenta a circulação, fortalece o coração, o aparelho circulatório, a memória e a concentração. Propicia uma nova vitalidade. Fadiga, esgotamento físico e mental, má circulação. Indicada para restaurar as funções vitais do organismo e rejuvenescimento. Usada na senilidade, declínio sexual e na recuperação de enfermidades. Milenariamente conhecido para combater fadiga e o cansaço.

Goiaba (Psidium spp.) – de “goia, guaiá” (de gente semelhante) e “bá” (pleno, cheio), que significa em tupi-guarani sementes juntas... Guayab, kooyhab, koiab; significa em tupi “o aglomerado de sementes”, ou “a reunião de caroços”, ou “caroços grudados”, apreciada in natura, em doces de calda, cristalizado e em geleias; tem propriedades adstringentes, recomendada nas diarreias e desinterias e devem ser consumidas em jejum; elevado percentual de vitamina C, muitas vezes mais que os cítricos; contém o ácido fórmico que refresca e afina o sangue; promove o metabolismo das proteinas e previne a fermentação e a acidez dos carboidratos durante a digestão. As folhas são usadas em decoração...

Goji (Lycium barbarum) são frutos vermelhos provenientes do noroeste da China, após serem desidratados são chamados de Goji Berry. De sabor levemente azedo, devido à grande quantidade de vitamina C. Segundo a medicina chinesa, aqueles que se alimentam com goji diariamente costumam viver uma vida longa e saudável. Nota: o primeiro que adquiri foi uma caixa de 150 g (R$ 44) da marca Giroil (loja.giroil.com.br) em 11/02/14.

Guaco (Mikania spp.) – Febrífugo, depurativo, tônico amargo e peitoral, asma e tosse.

Hera – Por ser uma planta que se mantém sempre verde, simboliza a imortalidade, a amizade duradoura, a fidelidade, o ardor sensual e a fragilidade feminina. A hera concede a arte do encantamento somente pela contemplação. Contemple a hera e olhe para si mesmo, faça isso muitas vezes; só um mergulho nas profundezas da alma pode nos revelar o seu segredo.

Hipérico (Hypericum perforatum) – Stress e depressão.

Hortelã (Mentha spp.) – Espasmos gastro intestinais, vermes.

Jaborandi – Usado nos casos de dor de dente, irritação bronquica e edema pulmonar. Diaforético, bronquite, estimulante capilar.

Jaboticaba (Myrciaria spp., Myrciaria cauliflora, 1854) – Fruto da jaboticabeira (Brazilian Grape Tree), que nasce junto ao tronco e tem baga suculenta. Seu nome deriva de comida de jabuti... Jabuticaba, jaboticaba ou jabuticabeira é uma árvore frutífera brasileira da família das mirtáceas, nativa da Mata Atlântica. Com a recente mudança na nomenclatura botânica, há divergências sobre a classificação da espécie...

Jambolão – Diabete, tosse, catarro pulmonar e prisão de ventre. Variação: jamelão, conhecida também como baga-de-freira.

Jasmim – É a flor do amor, da alegria, dos sentidos e da sensibilidade. É possível atrair todos esses atributos sentindo simplesmente seu doce aroma. É uma flor essencial em todo jardim mágico.

Jatobá – Fortificante, tosse, asma, fraquezas pulmonares. Bronquites, debilidades nas vias urinárias, expectorante.

Jenipapo – Fruto do jenipapeiro (Genipa americana), constituindo-se de uma baga fortemente aromática, de uns 6 cm de diâmetro...

Juá – Fruto do juazeiro, do tupi “Yu-á”, fruto de espinho.

Junco é o nome comum a várias plantas flexíveis das ciperáceas e juncáceas, de que se fazem móveis, bengalas, etc.

Jurema-preta – Diurético, tônico, catarro da bexiga, baço, mau hálito, estômago.

Jurubeba ou jurureba – planta espinhosa, fruta tida como medicinal (o fruto é muito amargo). Fígado, diurético, baço, contra catarro de bexiga.

Lágrima-de-nossa-senhora ou contas-do-rosário – Diurética, tem bons efeitos nas afecções intestinais, dos rins e da bexiga.

Lecitina de soja – Promove no organismo a emulsificação das gorduras, impedindo que estas se depositem nas artérias dando a arteriosclerose. Ótimo nutriente para as células do cérebro e do sistema nervoso devido a alta concentração de fosfolipídeos em sua composição. Contém fósforo que promove maior fluidez do raciocínio.

Levedo de cerveja – Fígado, na remoção de toxinas no sistema circulatório, fraqueza muscular, cansaço mental, falta de concentração e depressão. Tem o seu valor pela grande quantidade do complexo B que possui. Os distúrbios da pele como: acne, dermatite, seborreia, lesões cutâneas podem ser combatidos com o Levedo de Cerveja. Também indicado para reumatismo, artrite e dores generalizadas sem causas definidas.

Lírio (Hemerocallis flava)

Losna (Artemisia spp.) – Utilizado nas infecções do aparelho digestivo e nas anemias.

Lótus (Hinduísmo); Raiz de Lotus – Adstringente, anti-inflamatório.

Louveira (Cyclolobium vecchi A. Samp. ex Hoehne) é uma árvore brasileira da família Fabaceae. É encontrada originarialmente no vale do Rio Mogi, estado de São Paulo. E também é uma espécie ameaçada de extinção. Contudo existem alguns exemplares protegidos no Parque Nacional do Itatiaia.

Macaíba, macaúba – fruto da macaúbeira (comestível, coco de catarro), fruto do sertão...

Maçaranduba (Manilkara huberi) – Família Botânica: Sapotaceae. Tamanho: de 30 a 50 m de altura, e diâmetro superior a 1 a 3 m. A madeira da maçaranduba é usada principalmente na indústria da cosntrução naval. Mas a espécie se destaca pela produção do látex – seiva utilizada na fabricação de plástico – e por isso tem uma alta exploração comercial. O látex de maçaranduba foi a primeira matéria prima plástica descoberto e comercialamente explorada na Amazônia.

Macela – Aromática, utilizada nos males digestivos, estomáquico e calmante.

Malva (Malva spp.) – Diurética, expectorante e usado nas infecções da pele. Usado no tratamento de inflamações externas. Inflamações bucais, garganta e emoliente.

Mangaba (Hancornia speciosa) – Fruto da mangabeira, comum no Cerrado, é produtora de látex, rico em cautchu...

Mangustã – Alguns dizem que é o abiu-roxo, mas é conhecida como mangustã ou mangustão. Quando madura, a pequena fruta fica muito roxa. Tem menos visgo que o abiu, é mais redondo e a árvore é mais frondosa.

Marapuama – Usado nos casos de impotência, paralisias parciais e reumatismos crônicos.

Mentruz – Vermes, nervosismo, hemorróidas, varizes, dores e indigestões. Emenagogo, anti-espasmódico, inflamações uterinas.

Mulungú – Esta erva é empregada no tratamento de sistema nervoso, calmante, insônia, inflamações do fígado (hepatite), do baço e febres intermitentes (vem e vai). O termo Mulungú é empregado para designar o “ser supremo” em 25 línguas e dialetos do leste Africano... Parece que também age nas dores, pressão alta, contusões, purgativa, asma, tosse e hemorróidas.

Murici – Fruto do muricizeiro (Byrsanima sericea), também conhecido como muruci. Comum no Cerrado...

Nogueira – Hipoglicemiante, afecções cutâneas, adstringente.

Oiti – Fruto do oitizeiro (Moquilea tomentosa). A palavra em tupi-guarani “oiti” significa “de massa branca”. Comestível, de aroma e sabor fortes...

Palmeiras – Bacuri (Platonia insignis), Brejaúba (Toxophoenix aculeatissima), Buriti (Mauritia flexuosa; páginas: Brasília, Chapada dos Veadeiros), Guariroba (Syagrus oleracea), Jussara / Palmito-juçara (Euterpe edulis), Açaí-do-pará (Euterpe oleracea), Macaúba (Acrocomia aculeata), Palmeira-imperial (Roystonea oleracea)

Passiflora – Calmante, histerias, neuroses e insônia.

Pau-ferro (Caesalpinia ferrea), árvore da Mata Atlântica no zoo, parente do pau-brasil e da sibipiruna – Usado em casos de diabetes, gota e reumatismo. Depurativo, anti-diabético, adstringente.

Pepino (Cucumis sativus)

Pêra (Pirus spp.)

Picão-preto – Afecções cutâneas, febrífugo e depurativo.


Pimentas e Pimentões – Chili pepper e Bell pepper (inglês), Chili e Paprika (alemão), Piment e Poivron (francês), Pimiento e (espanhol)

Classificação científica – Reino: Plantae | Divisão: Magnoliophyta | Classe: Magnoliopsida | Ordem: Solanales
Família: Solanaceae (família à qual pertencem também o tomate e a batata) | Gênero: Capsicum
Gênero: Capsicum – Possui de muitas espécies, cujos frutos mais conhecidos são as variedades doces – pimentões – e as variedades picantes – pimentas. As diferentes espécies e variedades (variação morfológica dentro da mesma espécie) podem ser discriminadas por características morfológicas visualizadas principalmente nas flores. As pimentas podem ser utilizadas para fins medicinais e culinários sob a forma de especiaria ou em molhos, enquanto que os pimentões são geralmente usados como hortaliça ou vegetal.

Algumas espécies:
Capsicum annuum – nativa do México é uma espécie de pimenta doce mais difundida no mundo: pimentão (no Brasil), pimento (em Portugal), pimenta-jalapenho (Jalapeño), pimenta-americana (American bird pepper), pimenta-caiena (Cayenne pepper). O pimentão verde é seu fruto não maduro. Há uma variedade do gênero muito utilizada como ornamental, chamada de pimenta-de-mesa ou pimenta-de-jardim.
Capsicum bacccatumpimenta-dedo-de-moça, também conhecida como pimenta-calabresa ou apenas pimenta-vermelha, chifre-de-veado, pimenta-aji (Aji pepper), Aji Amarillo. Há uma variedade do gênero, exclusiva do Brasil, que se distingui pela cor da corola, chamada cumari-verdadeira.
Capsicum chinensepimenta-de-cheiro, pimenta-de-biquinho ou biquinho, cumari-do-pará, bode, pimenta-murupi ou murupi (pimenta amarela utilizada na região Norte do Brasil), savina-vermelha, Scotch Bonnet, Habanero, Bhut Jolokia...
Capsicum frutescens – espécie com menor variabilidade morfológica, representada principalmente pelas variedades: pimenta-malagueta ou malagueta e pimenta-tabasco (o molho tabasco é fabricado na Luisiana, nos Estados Unidos), piri piri ou piri-piri (em Portugal e Moçambique), jindungo, Bird pepper, Thai pepper...
Veja mais no sítio da Embrapa (www.cnph.embrapa.br/capsicum/especies.htm); também em Pimentas Online (www.pimentasonline.com).

Jiquitaia (que significa farinha de pimenta com sal em língua indígena) é um pó feito da mistura de diferentes espécies e variedades de pimenta, todas do gênero Capsicum, preparada pelos índios baniuas (baníwa) da aldeia Tunuí Cachoeira, que fica no rio Içana (afluente do rio Negro, perto das fronteiras com a Colômbia e a Venezuela), norte da Amazônia. Nota: Ganhei um frasco de Myrna, oriundo de São Gabriel da Cachoeira (AM), cidade às margens do rio Negro.

Estas pimentas acima não têm relação botânica com a pimenta-preta, também chamada de pimenta-do-reino. Todas pertencem a mesma Classe: Magnoliopsida, mas diferem na Ordem: Piperales e na Família: Piperaceae | Gênero: Piper.
Piper guineense – pimenta-de-são-tomé (West African pepper or Guinea pepper).
Piper longum – pimenta-longa (Long pepper), pimenta-longa-javanesa, indiana ou indonésia.
Piper nigrum – pimenta-do-reino ou pimenta-preta (Black pepper), pimenta-redonda, pimenta-vermelha, pimenta-verde (Green pepper), pimenta-branca (White pepper).


Pinhão-manso – Útil na produção de alimento e de energia – oleaginosa utilizada para biocombustível. Ainda pouco conhecido é um arbusto de dois ou três metros de altura que apresenta um fruto e algumas sementes. Cada semente contém 27,90 a 37,33% de óleo, e na amêndoa (o fruto) são encontrados de 52,54 a 61,72% de óleo.

Piquiá (Caryocar villosum) – O piquiá, uma árvore emergente da floresta primária, possui imenso potencial econômico devido a polpa comestível, as amêndoas que ricas em óleo e a madeira de ótima qualidade e grande beleza, explorada para exportação.

Pitomba – Fruto da pitombeira (Talisia esculenta), de formato arredondado, lembra cachos de uva, porém a casca é mais tenra, meio azeda e doce ao mesmo tempo...

Plantago – Suas mucilagens absorvem grande quantidade de água, aumentando o volume fecal, tendo propriedade laxativa. Reduz a possibilidade de diverticulite. Reduz a absorção de glicose.

Quebra-pedra – Relaxante muscular, analgésico, usado para a dissolução de cálculos renais e ácido úrico. Afecções das vias renais, urinárias, colagogo.

Repolho (Brassica oleraceae)

Rosa (Rosa spp., Rosa galica) – Seu perfume e sua beleza fazem com que seja sempre apontada como um símbolo positivo, de pureza e de amor. Suas numerosas pétalas a tornam o símbolo das associações complexas. Rosa branca – Adstringente, corretivo e aromatizante. Rosa vermelha – A rosa vermelha fervida junto com folhas de limoeiro, transforma-se numa excelente poção para borrifar o quarto do casal, isto deve transformar o quarto numa autêntica torre de fertilidade amorosa. A rosa, no geral, serve para comunicar-se com as forças superiores.

Ruibarbo – Laxativo suave, estimulante das funções do estômago, intestinos e fígado.

Sabugueiro – Sarampo, expectorante, depurativo, diaforético, diurético e emoliente.

Samambaia (Pteridium aquilinum)

Sempre-viva (Helichrysum spp.), família Asteraceae

“Ad’oro”, adoro (Eriocaulon spp., talvez E. ligulatum?), família Eriocaulaceae – É um tipo de sempre-viva do Cerrado. Foi lançada na Expoflora de 2007, em Holambra (SP). Cuidados básicos: Excelente planta para ambientes de alta iluminação, não recebendo luz direta do sol. Regar 2 ou 3 vezes por semana com pouca água. Habitat: Cerrado brasileiro. Simbologia: Requinte. Planta ameaçada de extinção devido à perda de seu habitat natural e o extrativismo. Seu visual favorece a composição de ambientes sofisticados, decorações de espaços e arranjos com leveza e muito requinte. O aspecto de seuas hastes longas com pequenas flores douradas nas pontas lembram uma joia com pontos de luzes naturais e gotas de ouro que valorizam qualquer espaço. Adqurida em 11/10/10 (www.terraviva.agr.br).

Salsa (Petroselium sativum)

Salsaparrilha – Anti-sifilítica, aplica-se em enfermidades venéreas e dermatoses, gota e reumatismo. Ácido úrico, colesterol, depurativo e diurético.

Sálvia – Cicatrizante, anti-catarral, usada em inalações, gargarejos e bochechos nos sangramentos da gengiva. Debilidades nervosas, atonia digestiva – debilidades e fraquezas.

Sapoti – Fruto do Sapotizeiro, originário das Antilhas, é também conhecido por sapota...

Sene – Laxativo suave de atuação no intestino grosso. Atua como anti-ácido estomacal, purgativo e regimes de emagrecimento.

Sete-sangria – Pressão alta, colesterol e faz emagrecer. Depurativo, afecções venéreas, disforético e diurético.

Stévia – Adoçante não calórico, diurético e indicado para diabéticos. Adoça 300 vezes mais que a sacarose, adoçante não cariogênico.

Sucupira – Depurativa, contra eczemas, manchas de pele, urticária, feridas, úlceras, hemorragias, reumatismo, doenças do estômago, fraqueza orgânica e nas hidropsias, e contra diabete.

Tayuiá – Depurativa, usada no combate de cálculos renais, gota e reumatismo. Diurético, hidropsias.

Tanchagem – Inflamações da garganta e inflamações em geral. Externamente para feridas e doenças da pele. Afecções bucais, úlceras e hemorróidas.

Tangerina – Fruta popular na China e Japão. Fruta com efeito eliminador, purificador e dissolvente...

Timbó – árvore utilizada pelos índios para envenenar os peixes...

Tomilho (flores) – Diurético, desinfetante intestinal, excitante das funções circulatórias e cerebrais.

Toranja – Originário da Ásia, é rica em vitaminas A, B e C. Análoga aos frutos cítricos; laranja...

Trevo – Para os celtas o trevo de quatro folhas era usado como um catalisador de cura e saúde. Ele estava associado com Airmid, a deusa da medicina. Com a cristianização da Irlanda, o trevo passou a representar a boa sorte.

Tuia – Expectorante, emenagogo, anti-helmíntico.

Tucuman ou tucumã – 1. Fruta do mato, como um açaí em tamanho grande, nasce de palmeira cheia de espinhos, alta e espera-se amadurecer e cair para descascar, comer sua polpa no sanduíche, com farinha e café ou pura; seu caroço serve para cuinha, óculos, sutiã... 2. Palmeira frutífera dos sertões, de cujo fruto se faz vinho.

Umbaúba – Bronquite, tosses e diurético.

Umbu ou imbu – Fruto do Imbuzeiro, árvore muito comum no interior do nordeste brasileiro, nas regiões semi-áridas. Fruta de cor amarelo-esverdeada, quando madura (mês de abril), muito saborosa e suculenta, adocicada e azeda, de casca grossa e lisa, com caroco meio áspero. No Ceará e sertão de Pernambuco as pessoas fazem um doce chamado umbuzada, feito com umbus cozidos em leite e açúcar.

Uva-ursi – Diurética, usada contra infecções na bexiga, rins e combate cálculos renais.

Valeriana – Calmante, combate a enxaqueca e a insônia de origem nervosa. Insônia, sonífero e neuroses.

Verbena – Colocada debaixo do travesseiro, confere sonhos românticos. Confere amor, alegria e talento. Guardada dentro de caixa de joias, cria uma aura misteriosa em torno delas. Deve estar seca e embrulhada em seda azul.

Violeta – Com suas flores pequeninas e meio ocultas pela folhagem, as violetas tornaram-se símbolos da modéstia, da humildade, da submissão e da simplicidade. A cor violeta representa o equilíbrio, a espiritualidade e a fidelidade.

Zedoária – Digestiva, gases, gripes, colesterol e cálculos renais. Estomáquico, sonífero, neuroses e insônia. Tem ação no tratamento de mal hálito de origem gástrica. Estimulante das funções digestivas, hepáticas e intestinais.

volta ao topo

ERVAS INDICADAS PARA OS CASOS DE:

Ácido Úrico: Chapéu de couro, quebra pedra, abacateiro.

Acne: Catuaba, guaraná, Ginseng, Marapuama, nó de cachorro.

Afrodisíaco: Catuaba, guaraná, Ginseng, Marapuama e nó de cachorro.

Aftas: Tanchagem e malva.

Alcoolismo: Espinheira santa e angélica.

Amamentação: Alfavaca, cravo, funcho e quina.

Amenorreia: Arruda e artemísia.

Anemia: Guaraná, ipê roxo, Emburana, Catuaba, angélica, alfafa e Barbatimão.

Analgésicos: Mulungú e pariparoba.

Aperientes: Feno grego, salsa, alfafa e Centaurea menor.

Artrite: Bardana, Salsaparrilha e alfafa.

Asma: Alfazema e agoniada.

Azia: Alecrim, hortelã, Guaco e eucalipto.

Calmantes: Alfazema, Valeriana, camomila, Melissa e malva.

Chagas: Bardana, mil folhas e Sálvia.

Celulite: Centella asiática e Cavalinha.

Cistite: Uva-Ursi e alfafa.

Cicatrizantes: Confrey e aperta-ruão.

Coceiras: Carobinha e Taiuiá.

Colesterol: Alcachofra, chá de bugre e sete sangrias.

Contusões: Arnica, louro, salsa e assapeixe.

Depurativas: Dente de leão, Bardana e sassafráz.

Depressão: Hipérico e levedo de cerveja.

Diuréticas: Carqueja, cabelo de milho e Cavalinha.

Diabete: Pau-tenente, Stévia, pata de vaca e pau-ferro.

Diarreia: Barbatimão, mil folhas, funcho e algodoeiro.

Emagrecedor: Cascara sagrada, Fucus, espinheira santa e Sene.

Epilepsia: Artemísia e Valeriana.

Estômago: Carqueja, alfavaca, alcaravia, Losna, Boldo, camomila, genciana, ruibarbo, Sálvia e alecrim.

Febres: Alecrim, cardo santo e sabugueiro.

Feridas: Aroeira, Calêndula, alecrim e Valeriana.

Fígado: Alcachofra, baldo, ruibarbo, Sálvia, salsa e carqueja.

Frieiras: Calêndula, chapéu de couro e Tanchagem.

Furúnculos: Arnica e urtiga.

Garganta: Malva, Sálvia, romã e gengibre.

Gengivite: Sálvia e malva.

Gota: Taiuiá, sabugueiro, urtiga e salsaparilha.

Gripe: Alecrim, cravo, canela, Guaco, sabugueiro, Assapeixe e cardo santo.

Hemorróidas: Assapeixe, erva de bicho, Hamamelis e castanha da índia.

Icterícia: Picão.

Inflamações: Chá de ervas anti-inflamatórias como chá-verde, erva-mate (chimarrão), mini bambú japonês, camélia, sabugueiro, cavalinha, guaco, mil-em-ramas (Aquílea miellifolium), lavanda, sálvia, espinheira-santa, guanxuma, angélica. Sucos de acerola e clorofila com folhas de Molinga oleífera. Vitamina A, E e C são anti-inflamatórias e antioxidantes (anti radicais livres).

Insônia: Erva cidreira, maracujá, Mulungú e Valeriana.

Laringite: Alfazema, eucalipto e gengibre.

Menopausa: Tília e Mulungú.

Menstruação difícil: Arruda, artemísia, funcho e Calêndula.

Nevralgias: Alfazema, camomila e arnica.

Osteoporose: A Osteoporose é uma doença que leva à redução da massa óssea, tornando os ossos mais suscetíveis a fraturas. Atinge principalmente as mulheres brancas com idade acima de 45 anos, sendo mais comum após a menopausa. É neste período em que há uma queda na produção dos hormônios, responsáveis pela absorção do cálcio dos ossos. No entanto, homens com idade acima de 60 anos e jovens com desequilíbrio de metabolismo também são sensíveis a ela. Eventualmente, a osteoporose pode surgir em função de outras doenças como: diabete, cirrose, úlcera gástrica ou através do consumo de determinados medicamentos à base de corticóides e diuréticos. Como pode ser reconhecida: Os sintomas mais comuns são dores nos ossos e facilidade de fraturas, mas o diagnóstico médico deverá ser feito através de um exame de densitometria óssea. Como prevenir: Através de uma alimentação saudável e balanceada adotada desde a infância, incluindo alimentos ricos em cálcio (leite e derivados, ovos, couve, repolho, brócolis, agrião, entre outros). Atividades físicas de forma constante e orientada e exposição da pele ao sol, sempre protegida por um bom filtro solar. Como tratar: Adotar uma dieta rica em cálcio, porém equilibrada. Deve-se ainda reduzir o consumo de álcool e café, que dificultam a absorção do cálcio pelo organismo e também de fumo, que pode levar a mulher a uma menopausa precoce. Além disso, é muito importante fazer exercícios e caminhadas, afim de mobilizar a musculatura e facilitar a reconstituição das células ósseas. Vale lembrar que todo tratamento prescrito deve ser acompanhado por um médico, uma vez que o excesso de cálcio no organismo pode causar outros distúrbios. Se você notar qualquer destes sintomas ou se enquadrar nos fatores de risco, procure um médico.

Pressão alta: Chá de bugre, sete sangrias e pitanga.

Pressão baixa: Alfafa, arnica e erva cidreira.

Prisão de ventre: Alcaçuz, cascara sagrada, Sene e ruibarbo.

Queimaduras: Calêndula e Confrey.

Reumatismo: Alecrim, Taiuiá, pau-ferro, salsaparilha, chapéu de couro e sucupira.

Rins: Sabugueiro, Sálvia, salsa, malva e quebra pedra.

Sinusite: Buchinha do norte e eucalipto.

Stress: Hipérico, guaraná e Ginseng.

Terçol (curiosidade): o costume de passar ouro no terçol (aquele pequeno abscesso que nasce no olho, na borda palpebral) é desde o ano 79 depois de Cristo e, ainda hoje, é utilizado com sucesso...

Tosse: Alcaçuz, avenca, malva e Sálvia.

Úlceras: Bardana, mil folhas, Sálvia e espinheira santa.

Varizes ou Flebites: Hamamelis, erva de bicho, castanha da Índia e Ginkgo Biloba.

Vermes: Erva de Santa Maria e erva de Bicho.

Vertigens: Alfavaca, alfazema e Ginkgo Biloba.

volta ao topo

HORÓSCOPO DAS ÁRVORES

Os druídas, magos e sacerdotes que adoravam a natureza criaram um horóscopo baseado na energia das árvores, os signos da floresta. Esses sacerdotes, magos, filósofos e médicos, que viveram na Gálea e Irlanda na Idade Média e tinham como deus máximo a natureza, eram privilegiados. Viviam nas florestas e eram íntimos de seus habitantes: fadas, gnomos, silfos e ondinas...

CARVALHO – EU SOU (21 de março a 20 de abril)

Na simbologia o carvalho é uma árvore sagrada para todos os celtas e representa a força vital divina. Está associada aos druidas que utilizavam sua casca e folhas para suas poções. O Carvalho representa o “eixo do mundo” para os celtas e para os gregos. Está ligado também à mitologia persa e à indiana e sua seiva foi usada como base de remédio contra a lepra na Índia. Pessoa nascida sob sua influência: Forte e inteligente, o Carvalho tem muita energia para concretizar seus projetos. Porém, pode destruir tudo o que foi realizado se ceder a impulsos momentâneos e tomar decisões sem pensar. Tem uma beleza que chama a atenção dos outros, mas precisa tomar cuidado: tem tendência para engordar depois dos 40 anos. Muito observadora, essa “árvore” costuma enxergar longe e não se engana com facilidade. Tem os pés bem firmes no chão. Quando se trata de relacionamentos amorosos, no entanto, o Carvalho é bastante instável. Só com tempo e maturidade abandona seu lado volúvel.

PAINEIRA – EU CONFORTO (21 de abril a 20 de maio)

A paineira representa fartura e prosperidade. Na mitologia grega, está associada às façanhas dos gêmeos Castor e Pólux, que libertaram a irmã Helena, cujo rapto provocou a famosa Guerra de Troia. Pessoa nascida sob sua influência: De beleza física estonteante, a paineira precisa tomar cuidado para não deixar o orgulho exagerado torná-la feia diante dos olhos das pessoas. Contraditória, essa generosa e meiga árvore é ao mesmo tempo egoísta: usa a cabeça e as ideias dos outros sem pudor. A incerteza de seus sentimentos revela o caráter duplo de sua personalidade, alegre e triste, espirituosa e mal-humorada, carinhosa e rude, assim é a paineira. Também no amor tem atitudes ambíguas: extremamente ciumenta num dia, pode ser indiferente no outro. A paineira precisa olhar mais para si mesma para conquistar a felicidade.

Da família bombacácea (Bombacaceae) pertencem as árvores: sumaúma, paineira (Ceiba speciosa, nomeada anteriormente de Chorisia speciosa) que florescem de março a julho e o baobá-africano. Seu tronco é bastante largo, às vezes parece inchado, o que lhe vale outros nomes populares: “barriguda” ou “barrigudeira”. A paineira é conhecida por vários nomes vulgares: samaúma-da-várzea, paina-de-seda, paineira-rosa, paineira-branca, árvore-de-paina, árvore-de-lã, paineira-fêmea.

IPÊ – EU SEI (21 de maio a 20 de junho)

O ipê está ligado ao mito grego das estações do ano, que existem porque Perséfone, deusa da fecundidade, fica seis meses (primavera/verão) na superfície da Terra e seis (outono/inverno) no seu interior. A pessoa nascida sob sua influência tem um charme irresistível, é determinada, mas muitas vezes se precipita para tentar livrar-se logo de um problema ou conseguir rapidamente o que quer. Solidão não é com o Ipê, que precisa estar sempre acompanhado, pois o Ipê sabe argumentar como ninguém e está sempre soltando a imaginação. A criatividade é um de seus pontos fortes também, adora ser dono de novas ideias, porém em geral, elabora projetos impossíveis de serem colocados em prática. Muito fechado para o amor, o Ipê tem de vencer a timidez para conseguir sucesso em suas conquistas e ser feliz em seus romances.

Os ipês (Tabebuia spp.) pertencem à família das Bignoniáceas (Bignoniaceae). Considerada como árvore ornamental, o ipê ou ipé (significa “árvore de casca grossa”), de madeira útil, tem flores amarelas, brancas, arrocheadas, ou róseas. Inicialmente, a espécie foi nomeada de Bignonia. Só depois de ser submetido a revisões taxonômicas, o grupo dos ipês (ou pau-d’arcos) passou a ser identificado pelo gênero Tabebuia – que significa “pau ou madeira que flutua”... Existem várias espécies; abaixo algumas das que vivem no Brasil:

Tabebuia alba, ipê-amarelo-da-serra, ipê-amarelo ou ipê-ouro (Golden Trumpet Tree). Nativa da Mata Atlântica é considerada a árvore símbolo do Brasil. É usada no paisagismo urbano. A madeira é usada na construção civil, na forma de tacos e assoalhos, e em marcenaria e carpintaria.

Tabebuia aurea (sinônimo: T. caraiba), ipê-amarelo-do-cerrado ou paratudo (Caribbean Trumpet Tree). Outros nomes populares: craibeira, caraiberia, caroba-do-campo, cinco-em-rama, cinco-folhas-do-campo, ipê-amarelo-craibeira. O nome popular “paratudo” deve-se ao fato de que os pantaneiros do Brasil mascam a casca como remédio para problemas no estômago, vermes, diabetes, inflamações e febres. Usada no paisagismo urbano. A casca fornece fibra para cordas. Possui madeira pesada e flexível, mas que apodrece facilmente, sendo usada na fabricação de papel, artigos desportivos, cabos de vassouras, e obras externas.

Tabebuia cassinoides (sinônimos: T. leucantha, T. magnolioides, T. uliginosa), caixeta. Parece que esta espécie é do litoral...

Tabebuia chrysantha, ipê-amarelo (Araguaney or Yellow Ipê)

Tabebuia chrysotricha (sinônimos: T. flavescens, T. pedicellata), ipê-amarelo-cascudo (confundido com a T. ochracea). Mata Atlântica. Outros nomes populares: ipê-amarelo-paulista, ipê-do-campo, ipê-do-morro, ipê-tabaco, pau-mulato. É uma árvore nativa largamente utilizada em paisagismo. Sua diferença com a T. serratifolia é que ela é mais baixa, e muitas vezes apresenta tronco e ramos tortuosos. Floresce entre julho e agosto.

Tabebuia impetiginosa (sinônimos: T. avellanedae e T. heptaphylla), ipê-roxo, ipê-cavatã, ipê-comum, ipê-reto, ipê-roxo-damata, pau-d’arco-roxo, peúva, piúva (Pink Ipe or Pink Lapacho). Inicia a floração em junho e pode durar até agosto. São muito utilizadas no paisagismo urbano, por sua beleza e desenvolvimento rápido. Utilizado contra as estomatites, úlceras de garganta e anemia. Anti-inflamatório, anti-cancerígeno e eczema.

Tabebuia ochracea (sinônimos: T. hypodidiction, T. neochrysantha) – ipê-do-cerrado, pau-d’arco-amarelo (confundido com a T. chrysotricha). É uma árvore brasileira nativa do Cerrado.

Tabebuia rosea (sinônimo: T. pentaphylla), ipê-rosa (Pink Poui or Pink Tecoma, apamate, matilisguate). Inicia a floração em junho, mas ainda pode ser encontrado com flores até setembro. Esta espécie é exótica, proveniente da Argentina... São muito utilizadas no paisagismo urbano, por sua beleza e rápido desenvolvimento.

Tabebuia roseo-alba, ipê-branco (White Ipê). O pau-d’arco-branco é encontrado no Cerrado e na Caatinga. Ora as flores são brancas, ora róseas, daí o nome científico desse tipo de ipê. Fica florido durante um período muito curto, pois sua floração não dura mais do que dois dias, por volta do mês de agosto. Às vezes, repete a floração por volta de setembro, com menor intensidade. Embora suas sementes não sirvam de alimento para animais, o pau-d’arco-branco presta outros serviços ambientais, como fornecer sombra e proteger o solo.

Tabebuia serratifolia, ipê-amarelo-da-mata (Yellow Lapacho or Yellow Poui). Este é o tipo de ipê mais citado (mais vistoso e de maior porte), por ser alto e de porte esguio, muito comum em nossas matas, especialmente na região de Floresta Atlântica. Não é muito utilizado em paisagismo porque seu desenvolvimento é mais lento que outros tipos de ipês-amarelo, entretanto é procurado pela qualidade de sua madeira. Alcança uma altura média entre 8 a 20 metros. Tem folhas compostas digitadas, 5 folíolos de 15 cm. Floresce entre julho e agosto, com flores amarelas em cacho. Fruto: vagem de 35 cm, verde e lisa. Sementes: aladas, pequenas (3 cm).

Tabebuia umbellata, ipê-amarelo-do-brejo. É uma árvore brasileira.

Tabebuia vellosoi, ipê-amarelo-de-casca-lisa. É uma árvore brasileira.

ROMÃZEIRA – EU ESPERO (21 de junho a 21 de julho)

Pode-se dizer que o mundo nasceu de uma Romãzeira, símbolo da fecundidade. Seu fruto, a romã (que serve como adstringente e vermífugo), representa o ovário e suas sementes vermelhas, os óvulos prontos para serem fecundados; simboliza a união fraterna e a família feliz; colocá-las abertas nas janelas de uma casa no dia primeiro de janeiro, servirá para afastar todo o mal durante aquele ano. Pessoa nascida sob sua influência: Misteriosa e romântica, a Romãzeira é muito ligada ao passado. Considera importante a tradição e a hierarquia familiar e é bastante sincera e leal. Um tanto frágil, precisa de garra para vencer o medo e enfrentar a vida. Essa árvore tem grande tendência à baixa vitalidade, por isso precisa se cuidar e alimentar-se bem. Nos relacionamentos amorosos, a Romãzeira costuma ter atitudes maternais, gosta de proteger, dar sustentação ao outro, mas, está sempre insatisfeita com o companheiro, apesar de dizer que vive para amar e ser amada. Se achar que a rotina tomou conta do namoro, ela sempre se culpa.

COQUEIRO – EU POSSO (22 de julho a 22 de agosto)

Os druídas associavam o Coqueiro à força de kundalini, “fio” que une o homem ao planeta, através da gravidade. Nas emanações de cura, os druídas projetam kundalini e fohat, energia extraída do Céu. Pessoa nascida sob sua influência: Nada assusta o corajoso e sedutor Coqueiro. De apurado senso prático, essa árvore faz o máximo que pode para conseguir o que quer. Quando fracassa, porém, não pensa duas vezes, coloca a culpa nos outros porque jamais admite o próprio erro. Alegre e bem humorado, o Coqueiro costuma atrair as pessoas com sua imponência, mas pode afastá-las logo em seguida se não deixar de lado a artificialidade e a arrogância que lhe são comuns. Vive o amor da maneira mais intensa, investe tudo o que pode para conquistar a pessoa amada e a recompensa, se for correspondido, dá tudo de si para conservar a harmonia do relacionamento.

SALGUEIRO – EU TENHO (23 de agosto a 22 de setembro)

O Salgueiro está ligado à energia lunar, fohat. Seu visual triste, de galhos caídos, remete à tristeza de Isolda com a partida do amado, Tristão. A história do casal virou verso, prosa e até ópera. Pessoa nascida sob sua influência: Belo, o Salgueiro sonha em salvar a humanidade. Tem mania de querer resolver todos os problemas do mundo e vive opinando sobre assuntos diversos. Adora a natureza e tem o poder de ler os pensamentos alheios. É sociável e extrovertido, por isso faz novas amizades com facilidade. Bastante ambiciosa, essa árvore tem uma capacidade de memorização invejável, lembra tudo e exatamente como aconteceu. Tem aptidão para qualquer tipo de arte, pois é muito imaginativo e criativo. Vive intensamente todas as situações amorosas, está sempre apaixonado, mas não gosta de assumir compromissos sérios.

CANELEIRA – EU SOU A LEI (23 de setembro a 22 de outubro)

A casca da Caneleira, especiaria originária do oriente, é medicinalmente usada como fortificante na China, onde é considerada o alimento dos imortais. É também símbolo de nobreza e de honra. Pessoa nascida sob sua influência: A Caneleira é a árvore mais bonita desse horóscopo. Provocante, chega a ter uma preocupação excessiva com a aparência. Faz de tudo para conquistar a admiração das pessoas, principalmente de quem ama, com sua sensualidade, que, por ser produzida, passa por artificial. Bastante sociável, a Caneleira tem facilidade para fazer amizades com pessoas de todos os tipos. É amiga fiel, mas precisa ser sempre correspondida à altura de sua dedicação, caso contrário vira uma fera, age com rancor e arma vinganças. Tem a mesma atitude com a pessoa amada, que precisa se desdobrar em carinho.

MANACÁ – EU ORDENO (23 de outubro a 21 de novembro)

O Manacá representa toda a humanidade e o lado simples da natureza, como o canto dos pássaros e o murmúrio das águas dos rios. Está ligado também ao paraíso bíblico, ou ao mito de Adão e Eva. Pessoa nascida sob sua influência: Modelo de sensualidade, o Manacá irradia charme e simpatia, quem o conhece percebe logo que sua beleza não é só externa, ele é bonito também por dentro. Tem sempre coisas bonitas para falar, mas gosta mesmo de usar o recurso da linguagem abstrata, isto é, de enviar mensagens através do olhar. O Manacá movimenta-se com ritmo e harmonia e ao mesmo tempo de maneira prepotente. Ser justiceiro é uma de suas virtudes. Sempre forte e sadio, sabe enfrentar bem os problemas e lidar com as decepções, apesar de magoar-se facilmente. No amor, exige fidelidade do parceiro e que a relação seja calma e segura.

SERINGUEIRA (Hevea brasiliensis) – EU DESEJO (22 de novembro a 21 de dezembro)

Os deuses gregos ajoelhavam diante da linda Seringueira, árvore que os druidas diziam ser originária do Sol. Sua representante é Hipólita, rainha das Amazonas, mulheres guerreiras da mitologia grega. Pessoa nascida sob sua influência: A Seringueira tem vida longa e está sempre aprofundando seus conhecimentos, é bonita e bastante frágil, se assusta por qualquer motivo. Cheia de virtudes, essa árvore não sabe colocar para fora seus sentimentos positivos. Por esse motivo, muitas vezes afasta a possibilidade de novas amizades, isso porque as pessoas costumam considerá-la antipática. Não é fácil para ela se envolver afetivamente, com medo de sofrer, ela espera sentir total confiança no relacionamento, para só aí corresponder ao afeto do parceiro. Quando isso acontece, quer dizer, se ela se apaixona, faz o outro muito feliz.

CEDRO – EU TOMO (22 de dezembro a 20 de janeiro)

O cedro, nome comum de diversas árvores coníferas, é uma grande árvore Meliácea de madeira útil. O cedro-do-líbano (cedros-do-líbano) é uma grande árvore Pinácea (família dos pinheiros), de madeira útil e aromática. O cedro está ligado a Agarta e Shambala, cidades subterrâneas do centro da Terra, segundo a teosofia e aos cavaleiros do templo, ordem extinta por Felipe IV, Rei da França que queria os tesouros das cidades. Pessoa nascida sob sua influência: Dotado de um potencial super energético, o cedro supera os mais graves problemas. Enfrenta situações difíceis e sai inteiro. Quase nunca fica doente e quando fica se recupera depressa. Inteligente e astuto é também egocêntrico, gosta de luxo e odeia ser contrariado. O cedro é o signo mais forte do horóscopo das árvores. É também muito teimoso e persistente, luta até o fim para conseguir o que quer, tanto quando se trata de questões financeiras como afetivas e, neste último caso, põe logo em ação sua praticidade se o relacionamento não anda bem, não gosta de se iludir e rompe se não se sentir seguro. Nota: Árvore símbolo do Líbano e do Marrocos.

QUARESMEIRA – EU DOU (21 de janeiro a 19 de fevereiro)

Quaresmeira (Tibouchina granulosa) – É uma árvore de pequeno a médio porte, de grande beleza quando apresenta suas flores roxas e, por isso, muito utilizada em paisagismo urbano. A variação (Tibouchina mutabilis) tem flores rosas misturadas com as roxas. Normalmente inicia a floração entre fevereiro e março; algumas árvores permanecem com a floração até o mês de maio.

A quaresmeira simboliza a força do amor que deu vida eterna ao casal Eros e Psique. Contam que foi num bosque de quaresmeiras que a Bela Adormecida ficou até acordar com um beijo do Príncipe Encantado... Pessoa nascida sob sua influência: A quaresmeira tem facilidade para transmitir suas qualidades positivas, é cheia de charme, encanta por sua simpatia, mas como é muito vaidosa pode ser vista como arrogante pelas pessoas que não a conhecem bem. Bastante intuitiva, tenta impor suas opiniões, no entanto, apesar de ser meio mandona, ela costuma ser a chave da harmonia no ambiente familiar, e muito contribui para isso, sua sempre presente cordialidade e seu bom humor de todo dia. Essa árvore se desdobra em carinho e atenção para a pessoa amada, mas nunca antes de ter absoluta certeza de que o outro está apaixonado.

AMOREIRA – EU AJUDO (20 de fevereiro a 20 de março)

A Amoreira é considerada a árvore da vida. Os chineses acreditavam que a vara dessa árvore, usada como flecha, eliminava más influências, daí sua fama de protetora dos males do tempo e do espaço. O fruto da amoreira é a amora. Pessoa nascida sob sua influência: Como o Salgueiro, a Amoreira sonha em resolver todos os problemas do mundo. Mas está sempre fazendo projetos impossíveis de serem concretizados. É o signo mais frágil desse horóscopo. Dependente, a Amoreira precisa de muito amor, ternura e proteção até conseguir a força interior necessária para resolver sozinha seus problemas. Tem boa capacidade de crítica e de análise das situações complicadas que surgem em sua vida, mas em geral fica sem saber como agir. Precisa enfrentar a vida com mais coragem, pois tem tendência a usar bebidas e drogas como estimulantes quando fracassa.

Nota: Para saber mais sobre árvores leia o livro “Árvores da Amazônia” de Silvestre Silva & Noemi Martins Leão...

Entrada principal !
Última atualização: 14/06/2014.
volta ao topo

MAPA GIRAFAMANIA LISTA DE MATERIAIS
MADEIRAS