This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

GIRAFAS DE ORIGEM VEGETAL

Simbologia do Mundo VegetalEmissões Postais Brasileiras sobre a Temática Flora

Nesta página você vai encontrar diversos objetos da coleção Girafamania confeccionados por vários tipos de materiais de origem vegetal existentes em nosso Planeta...

A anatomia vegetal é um ramo da Botânica que se dedica a estudar a forma como as células, os tecidos e órgãos das plantas se organizam. Na anatomia vegetal podemos verificar a complexidade destes seres tão importantes.

As plantas são seres vivos e por isso sua divisão em partes só tem função de estudo. Mesmo porque qualquer divisão do corpo vegetal é arbitrária... Até a mais simples estudada nas escolas primárias (raiz, caule, folha, flor e fruto) não pode ser realizada inteiramente porque é impossível dizer onde acaba o caule e começa a raíz, por exemplo. As divisões servem para estudar as partes, mas sempre com o objetivo de compreender o todo...

Vegetal é tudo aquilo relativo ou pertencente às plantas. São eles: âmbar, látex (resina, resina de poliéster e borracha), madeira, palha, papel, sisal, ráfia etc. Ainda, carvão-vegetal, silicone...

Último “censo”: 13 peças (02/2007), sendo látex (1), cortiça ou rolha (2), folha (1), folha de bananeira (1), palha (4), sisal (1), ráfia (2), raiz (1).

Páginas relacionadas: madeira, papéis, carimbos de borracha, resina sintética...


ÂMBAR

Âmbar é a seiva fóssil petrificada de um pinheiro que existiu há milhões de anos atrás, ou seja é a resina fossilizada das coníferas, extintas a 50 milhões de anos, aproximadamente. Num geral é uma resina fóssil amarelada utilizada na fabricação de joias e outros objetos... Origem do nome: Os romanos o conheciam como sucinnum, que significa “pedra de seiva”, e também foi chamado de electrum, do qual vem “eletricidade”, pois foi utilizado nas primeiras demostrações de eletricidade estática.

Em seu interior, dentro dessa resina, normalmente, são encontrados fragmentos de pequenos insetos, flores, pétalas, sementes e outros remanescentes de origem pré-histórica, por isso é uma das preferidas dos arqueólogos. Foi a primeira substância usada pelo homem com fins decorativos e foi encontrada em sítios arqueológicos da Idade da Pedra, sob a forma de talismãs e amuletos. No Tibete, o âmbar está associado com a busca da perfeição e do equilíbrio interior.

Tem brilho graxo, transparente a translúcida, devido as bolhas de ar que contém. Cor: acaremelada à pálida. Pode ir do amarelo claro ao marrom escuro; laranja; vermelho; branco; ocasionalmente esverdeado ou azulado, devido a forte fluorescência. Traço: branco, frágil, fratura totalmente concóide, combustível, sensível ao calor, ao álcool e água quente. Encontra-se nas argilas do terciário inferior.

Nomes utilizados no mercado: âmbar bloco, âmbar báltico, âmbar claro, âmbar siciliano, âmbar birmanês, âmbar romeno, âmbar prensado (ambaróide), âmbar dominicano, rumanita, âmbar chinês, simetita, gedanita, âmbar espumoso, âmbar pastardo, âmbar azul, âmbar maciço. Existem as variedades: âmbar de mar e âmbar de mina. Localidades: Sicília (Itália), Prússia Oriental, Báltico (Lituânia), Romênia, Birmânia.

Na simbologia o âmbar é usado para proteção, sorte, beleza, amor, cura, vigor. O âmbar detém o poder de afastar doenças do corpo. É benéfico colocar a pedra numa parte do corpo com desequilíbrio ou dor, ela absorverá a energia negativa e ajudará o corpo a restabelecer-se. Também indicado para pessoas com tendências suicidas ou auto destrutivas. Estabiliza e desperta a kundaline. Magnifica a beleza natural, estimula a felicidade e amigos para os solitários. Um colar em volta do pescoço protege a saúde. Ajuda contra a perda de memória, dificuldades para tomar decisões, ansiedades e comportamento excêntrico. Analogias: Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo, éter. Chakras: esplênico e plexo solar. Tarô: A Morte. Signo: Leão.

joiabr.com.br joiabr.com.br
volta ao topo

AZEVICHE

Azeviche é uma variedade compacta de linhito, usada em joalheria. No mercado é chamado de: azeviche, carvão cannel betuminoso, âmbar-negro (errôneo), azeviche Whitby. Suas cores vão do marrom muito escuro ao preto.

Linhita é o carvão-fóssil, da era mesozóica, o qual corresponde a um estágio intermediário entre a turfa e o carvão-betuminoso, e pode conservar ainda a estrutura lenhosa e encerrar 57 a 80% de carbono.

volta ao topo

BAMBU

Planta da família da Bambusácea cujo colmo atinge muitos metros de altura. Em alguns lugares do Brasil é conhecida como taboca ou taquara.

– Cabeça de girafa feita em bambu pintada, tipo folclore carnavalesco... Adquirida em Bogotá – Colômbia (12/08).

– Girafa artesanal em madeira pintada, tipo folclórica musical “Charrascas” ou “Raspas”, instrumento indígena com bambu anexo de onde se emite som, da marca “La Aurora” (tallerlaaurora@yahoo.com – tallerlaaurora@hotmail.com), feita por Nicolás Chivara e Átala Gaitán, na cidade de Tabio – Cundinamarca. Adquirida na feira de artesanatos em Bogotá – Colômbia (12/08).

Luminária girafa de bambu-gigante

15/03/2013: Fabricio Oliani (fabricio.oliani @ hotmail.com). Parabéns pela sua coleção. Gosto muito de girafa... Faço luminárias de bambu... Acredito que vc vai gostar. Abraço. | Muito obrigado por sua solicitude Fabricio, também pelas fotos e palavras. Todo seu trabalho é lindo! Não apenas a luminária girafa que, aliás, você acertou: adorei! No entanto eu não estou adquirindo mais nada por absoluta falta de espaço... Acredite! Outra coisa: eu gostaria de poder agregar suas fotos em Girafamania para divulgar o seu trabalho; posso?

16/03/2013: Olá, me sinto emocionado pelas suas palavras, minha intenção é vender sim, mas em primeiro lugar é a reação que elas dispertam nas pessoas, como a sua. Eu ví uma reportagem ontem a noite sobre sua coleção e amor pelas girafas... Começei a fazer as luminárias a 1 ano e seis mêses e descobri minha verdadeira paixão, por isso entendo que teu trabalho é fruto de muito amor... Quanto a divulgação, fique a vontade, isso me ajuda muito e já agradeço... Abração amigo.

A luminária girafa de bambu-gigante mede 52 cm de altura × 15 cm de diâmetro e foi feita em fevereiro de 2013. As fotografias foram tiradas em uma câmera Sony, modelo DSC-S500, sem/data, por Fabricio Oliani (fabriciooliani.blogspot.com.br), telefone: (47) 9168-3063, Blumenau (SC). Os espaços vazados formam o desenho da pele da girafa, além do coqueiro. Para os cortes vazados no bambu-gigante Fabricio usa micro-retífica e serra tico-tico. O primeiro aparelho serve para furar a peça possibilitando a entrada da segunda ferramenta, com a qual se faz os cortes manualmente, controlando a direção e curvas do desenho. Fabricio diz que para realizar este trabalho, paralelamente pratica-se também a paciência, pois é difícil serrar a peça no começo, mas depois que se adquire prática, percebe-se que os bambus são diferentes...

volta ao topo

CABAÇA

– Girafa em artesanato pintada de amarelo com manchas marrom, assinada por Severino Brasil (foto abaixo), adquirida no Shopping Paço Alfândega, no Recife Antigo – Pernambuco (PE), em 05/2008. Nota: Descartada porque descobri na faxina de 30/05/2013 que estava com broca...

– Girafa pintada, artesanal, feita em cabaça, adquirida no Centro de Artesanato Mineiro (www.ceartmg.org.br), Avenida Afonso Pena, 1537 (entrada do Palácio das Artes, onde foi instalado desde a sua criação há 40 anos) – Centro, Belo Horizonte – Minas Gerais (MG), em 04/08/2008.

– Girafa pintada em cabaça, com pernas de bambu e cabeça de resina (provavelmente), adquirida na loja do Museu de Arte Moderno, Plaza San Pedro Claver, Cartagena – Colômbia (12/2008). Nota: Descartada porque descobri na faxina de 30/05/2013 que estava com broca...

CORTIÇA

Cortiça, também chamado de córtex (um produto natural renovável, reciclável e bio degradável) é feita da casca do sobreiro (Quercus suber) – árvore muito cultivada na península Ibérica. Também pode ser feita de cascas de outras árvores. As tiras são curadas e depois de secas, utilizadas.

Rolha é uma peça geralmente cilíndrica, confeccionada sobretudo de cortiça, mas também pode ser de borracha, plástico, entre outros, utilizada para tapar gargalos de garrafas e outros frascos.

– Girafa confeccionada com rolhas de cortiça, com armação de arame. Presente de Sarita (São Paulo, 2002).

Os Correios de Portugal – CTT, emitiram em 28/11/2007, o primeiro selo de cortiça do mundo. A emissão, constituída por um único selo inteiramente produzido em cortiça, é feita como evocação do setor corticeiro português, cuja importância para a economia nacional vem do fato de fazer do país o maior produtor e exportador mundial de cortiça. O selo, com valor facial de 1 euro, teve obliterações de primeiro dia em Lisboa, no Porto, no Funchal e em Ponta Delgada. Foi desenhado por João Machado e fabricado em papel de cortiça auto adesivo.

A cortiça e os sobreiros, que lhe estão na origem, são verdadeiros símbolos nacionais de Portugal, onde se situa a maior área de sobreiros do planeta, com 737 mil hectares, correspondentes a 32,5% de toda a área plantada com estas árvores no mundo. As plantações de sobreiros, que adornam sobretudo a paisagem alentejana, representam 23% de toda a floresta nacional. A Quercus suber L. no sul de Portugal, dá corpo à identidade da paisagem alentejana. O montado e a cortiça que produz é, também, capaz de fixar o dióxido de carbono, o principal responsável pelo aquecimento global do planeta.

De aspecto rude, mas muito agradável ao tacto, a cortiça possui características únicas: leve, impermeável a líquidos e a gases, compressível, elástica, um excelente isolante térmico, acústico e vibrático, e resistente ao atrito. Capaz de servir para os mais variados fins, desde a construção à industria automóvel e aeronáutica, é na rolha de cortiça que encontra o seu produto mais conhecido. Por razões históricas ligadas à proximidade da produção do vinho do Porto, a indústria fixou-se, essencialmente, no Norte, mais especificamente no Distrito de Aveiro, região que, até aos nossos dias, é o centro mundial da transformação e comércio da cortiça.

Para além dos 230 mil selos previstos pelo plano filatélico, serão adicionalmente emitidos 20 mil exemplares com uma tarja promocional Grupo Amorim, que poderão ser requisitados separadamente pelos coleccionadores até 31 de Janeiro de 2008. A emissão inclui ainda sobrescritos de primeiro dia, ao custo de 55 cêntimos, e pagelas, ao preço de 70 cêntimos.

(www2.ctt.pt/fewcm/wcmservlet/ctt/grupo_ctt/imprensa/imprensa/imprensa61.html)

O selo mostra um monte Alentejano e o Sobreiro – árvore de onde se tira a cortiça. O Sobreiro é, hoje, uma árvore com natureza protegida em Portugal. (Arlindo)

volta ao topo

FOLHA

Folha é um órgão laminar e verde que constitui a estrutura assimiladora das plantas floríferas. Abaixo, girafa confeccionada com folhas de bananeira (escultura que pode ser classificada como arte folclórica), trouxe da África do Sul em 12/1998. Nota: Descartada porque descobri na faxina de 30/05/2013 que estava com broca...

volta ao topo

LÁTEX

Látex é um suco expesso, quase sempre alvo, que dimana de muitas plantas mediante ferimento. É uma emulsão cujos componentes mais importantes são resinas e borracha.

Resina – Secreção viscosa que sai do caule de certas plantas e que contém substâncias odoríferas, anti-sépticas etc.

resina de poliéster e sintética

Borracha – Substância elástica feita do látex coagulado de várias plantas, sobretudo da seringueira – como se popularizou na rica época dos barões da borracha em Manaus. A borracha natural, ou em inglês Rubber, é o produto primário da coagulação do látex da seringueira.

Páginas relacionadas: camisa-de-vênus (Aids), Girafa Sophie...

Girafa em borracha articulada importada da China, provavelmente...

ESCULTURAS COM BALÕES

Bexigas em forma de balões que podem trazer logomarcas ou comemorativas, para festas de aniversário, por exemplo...

Fundada em 1953, a Fábrica de Artefatos de Látex São Roque S.A. (www.latexsr.com.br) está localizada no município de São Roque (SP). Inicialmente, a Látex São Roque produzia exclusivamente balões de látex (bexigas) mas, hoje, também produz luvas de látex para uso doméstico e industrial, luvas cirúrgicas e para procedimentos. Produz mensalmente, cerca de 300 toneladas de produtos de látex. Com certificado ISO 9001/2000, seus produtos são fabricados dentro das melhores práticas de qualidade. É líder de mercado no segmento de balões com a marca BALÕES SÃO ROQUE e de luvas domésticas com a marca LUVAS SANRO.

volta ao topo

MADEIRAPAPEL

MADEIRA-PETRIFICADA

Árvores caídas que endureceram durante milhes de anos, através de um processo de fossilização, com água rica em sais minerais, que dissolveu a madeira, substituindo-a por diversos minerais.

Madeira-petrificada ou madeira silicificada é uma madeira petrificada por calcedônia. Esta variedade de quartzo é na realidade madeira fossilizada. A madeira torna-se petrificada (fossilizada) quando enterrada por longo período de tempo na lama contendo cinzas vulcânicas... Pedra Nacional de Antígua e Barbuda!

É chamada de opala-xilóide ou madeira-agatizada ou ainda madeira-petrificada, sabe por quê?

Simples: a madeira, por qualquer motivo, enterrou-se e ficou lá por milhões de anos... O carbono e a celulose da madeira foram aos poucos sendo substituídos (naturalmente) por silício (o mesmo que é feito o chip de computador). Depois de completado o ciclo a sua fórmula química passou a ser SiO2 ou seja, uma forma de quartzo que também tem como fórmula química SiO2...

O bacana é que nessa “pedra” se percebe nitidamente os traços da madeira que era do REINO VEGETAL e passou para o REINO MINERAL, transformando-se assim em um “MINERAL”. Poderia ter passado para o reino mineral virando uma “ROCHA”. O mesmo poderia se dizer se tivesse virado alguma coisa líquida...

O mesmo acontece com o carvão-mineral que é considerado “ROCHA SEDIMENTAR”. Primeiramente, a mata (vegetal) foi soterrada e depois de alguns 300 milhões de anos, está lá o carvão! Quer mais? Depois de mais alguns milhõezinhos de anos, tá lá o grafite! Quer ainda mais? Depois de mais outros milhões de anos, tá lá o diamante!

Na simbologia, a madeira-petrificada atua como tonificante do sangue. Ajuda a criar um bom estado de ânimo durante as atividades do dia. Muito boa quando aplicada contra fadiga mental. Proporciona abertura à lembranças, especialmente de vidas passadas quando usada em meditação e visualização criativa. Expande a duração da vida. Aumenta a alegria e evolução da vida. Objetivo: longevidade, terapia de vidas passadas. Energia: receptiva. Elemento: éter. Chakra: cardíaco.


ESCULTURA VEGETAL – PLANTA VIVA

Paisagismo...

As esculturas vegetais são criações realizadas com materiais que respeitam a natureza, pois são biodegradáveis e recicláveis. Com estrutura de arame ou ferro, recoberta com uma espécie de massa orgânica, com o tempo, o musgo seco brota e recobre a estátua de folhas.

Um projeto foi criado pela Prefeitura de Belo Horizonte – Minas Gerais (MG), por meio da Fundação Zoo-Botânica, em parceria com a Top-Aria NF – Nascentes Fernandes (www.top-aria.com.br), em 12/2003. Várias esculturas vegetais, sobre diversas espécies de animais, formavam uma exposição logo na entrada do Zoológico...

volta ao topo

SISAL

Sisal é uma fibra têxtil extraída das folhas do agave, o qual é uma espécie de planta originária do México e, no Brasil, é cultivada como planta ornamental ou como fonte de fibras para a confecção de cordas, barbantes, tapetes etc.

– Girafa de cizal cru com pintas amarelas, com 22 centímetros de altura, adquirida no Marché aux Puces de St. Ouen. Metro Porte-de-Clignancourt – Paris, França (08/00).

– Girafa de sisal cru com pintas na cor marrom, com 56 centímetros de altura. Forum des Halles. Loja de departamento dentro do shopping Les Halles – Paris, França (08/00).

O sisal dá origem à principal fibra dura produzida no mundo, contribuindo com mais da metade da produção comercial de todas as fibras desse tipo. Sua exploração, em nosso país, concentra-se no Nordeste, geralmente, em áreas onde as condições de clima e solo são pouco favoráveis ou de escassas alternativas para a exploração de outras culturas que ofereçam resultados econômicos satisfatórios. Os Estados da Paraíba e Bahia são os maiores produtores, sendo que na Paraíba o sisal se constitui no principal produto da pauta de exportação e, na Bahia, o quinto produto de importância.

Em 1748, Linaeus empregou o nome Agave para designar um grupo de espécies vegetais pertencentes à família Amarilidaceae que, mais tarde, foi classificada por Hutchinsons como pertencente à família Agavaceae, subfamília Agavoideae Pax, que ocupam posição de importância comercial nos países tropicais.

O sisal (Agave sisalana) é uma monocotiledônea, cujo sistema radicular se caracteriza por ser fibroso, fasciculado, emergindo da base do pseudo-caule (roseta).

caule – é a principal estrutura da planta que dá origem e sustentação às folhas. Quando adulto, pode atingir uma altura de até 1,20 m e um diâmetro de 0,20 cm.

folhas – são sésseis, rígidas, de forma linear lanceolada, de cor verde escuro, de comprimento entre 120 a 160 cm e de 10 a 15 cm de largura na sua parte média. Sua superfície é côncava, desprovida de espinhos nas bordas, possuindo um único acúleo de 2cm na extremidade da folha. A inserção da folha no caule é em forma de espiral ascendente, formando rosetas. As mais jovens são verticais, mas a medida que amadurecem, amplia-se o ângulo de sua inserção no caule até as folhas inferiores, que são horizontais.

Uma planta de Agave produz entre 200 a 250 folhas durante o seu ciclo, tendo o peso médio entre 400 a 700 gramas. O sisal é uma planta monocárpica e, por isso, floresce apenas uma vez no final do ciclo vegetativo, o que se indica pela produção de folhas curtas, estreitas e pontiagudas ao redor do ponto apical, até que emerja a inflorescência, ou seja, o ápice do caule se transforma em pedúnculo floral de 6 a 8 metros de altura, que apresenta algumas escamas similares às folhas e emitem entre 20 a 40 ramos que originam grupos de flores de cor branca ou ligeiramente esverdeada.

Sisal híbrido 1148. Monteiro-PB, 1995 (Foto Odilon Reny)
Fonte: EMBRAPA (www.cnpa.embrapa.br/sisal/sisalinfo.html)
volta ao topo

RÁFIA – “RAFFIA” e PALHA

Palha é uma tira ou uma haste seca e flexível das gramíneas (especialmente cereais), ou de junco, taquara, vime, ou ainda de outra planta qualquer, com que se tecem ou armam diversos tipos de objetos.

– Palha Brasil, peça adquirida no Ceasa, em São Paulo (1987)... centímetros... wicker basket style handmade Brazil Giraffe figurine...
– Duas girafas de palha adquiridas em Embu (SP)... Nota: Comprei duas peças feitas de sisal (01/2003), uma para a minha coleção e também uma para você; ela não é tão bonita, mas é atraente porque é uma peça típica do artesanato brasileiro...

Do lado esquerdo da tela, girafa em ráfia, Made in Madagáscar; tenho duas peças em tamanhos diferentes... Lado direito da tela: girafa confeccionada em palha, com 24 centímetros de altura e com 3 cores (natural, verde e vermelha), seu corpo emite som devido a um chacoalho interno, peça adquirida na Avenida La Paz, no Bairro de Miraflores, em Lima – Peru (23/02/00).

volta ao topo

RAIZ

Raiz é a porção do eixo das plantas que cresce para baixo, em geral dentro do solo, e cuja função fundamental é fixar o organismo vegetal e retirar do substrato os nutrientes e a água necessários à vida da planta.

Feito a Facão – Arte em Madeira e Raiz

Girafa fêmea esculpida em uma espécie de raiz, com 69 centímetros de altura, seu rabo é feito com uma trança de fios pintados, Artesanato de Curitiba, Paraná. Tal peça é também classificada como arte mecânica que consiste em um trabalho manual com a utilização de ferramenta. Presente da “peregrina” Denize, adquirido no Aeroporto Internacional Afonso Pena, Curitiba.

Adquiri outra peça (girafa macho) em 13/04/2008, com 35 centímetros de altura, do mesmo artesão que também trabalha aos domingos na Feira do Largo da Ordem (onde também comprei pêssankas), no centro histórico de Curitiba.

Rancho da Lua – Arte Brasil – Telefone: (41) 3367-5828
donizzete@ranchodalua-artebrasil.com – www.ranchodalua-artebrasil.com

Artista: Donizzete Pereira do Vale / Eliane Martins. Endereço: Mal. Otávio Saldanha Mazza, 7.777/91 – Capão Raso – Curitiba (PR), CEP: 81150-060, Telefones: (41) 3367-5628 / (41) 3347-4052 / (41) 9182-6167.

Matéria prima: madeiras diversas, raízes, galhos, troncos, descartados na natureza, resultantes de agentes naturais. Eventualmente outros materiais são utilizados, tais como aço e couro, associados à madeira. O acabamento é feito com cera (especial), cor preta com polimento. As ferramentas utilizadas são: facões, facas, canivetes, grosas. Materiais auxiliares: lixas, panos, escovas de aço.

Girafas de cor preta e de cor clara
Referências/Códigos: 1702 (1705), 1706, 1707, 1708 e 1709
Peso unidade: 100 gramas. Dimensões: C 15,0 × L 8,0 × A 35,0
Peso unidade: 300 gramas. Dimensões: C 25,0 × L 17,0 × A 69,5 / C 37,0 × L 17,0 × A 89,0 e C 38,0 × L 25,0 × A 101,0

volta ao topo

Plantas e Flores Artificiais usadas em casa...

Várias latas vazias (embalagens) de frascos do perfume (que seriam simplesmente descartadas), em diferentes alturas que brincam com o olhar, foram customizadas e transformadas (adaptadas, cortadas) em vasos ou cachepôs e ganharam exemplares de cactos e suculentas (suculentas.com.br) com forração de argila expandida, como um pequeno jardim... Nota: Casa da Calha São Pedro, Rua Siqueira Bueno, 1946 (para talvez cortar as latas)...

Primeiramente eu queria que as latas com as plantas ficassem no banheiro e, por ficarem expostas à umidade do ambiente, as latas necessitariam de pintura para ganharem maior resistência antiferrugem... As latas poderiam ser agrupadas em cima de um palete (do inglês pallet) pintado, que é uma plataforma de madeira sobre a qual se põe a carga empilhada a fim de ser transportada em grandes blocos...

Já no dia 13/10/11 liguei para Flávia Acherboim (2091-1815), do Artesanato.net (artesanato.net), pedindo indicação de quem trabalha com latas. Super símpática ela me indicou a Lúcia (9217-1393), que liguei dia 17; simpática também, ficou de ver alguém que faça o que eu quero...

Reciclagem Lata (portaldeartesanato.com.br): Criação e execução Maria Del Carmen Prado Vilar (delartes@uol.com.br), 7336-0108. Falei com ela no dia 08/11/11 e ficamos de entrar em contato novamente no mês de janeiro, quando ela estará com mais tempo... sendo uma boa professora até tentou me ensinar como fazer; mas ela não me conhece... (rs) 09/01/12: Ela ficou de me ligar um pouco antes do feriado de Sampa...

Ambas artesãs eu encontrei procurando na internet; mas as duas não cumpriram com o prometido... Nesse interim eu mudei de ideia em relação ao local, isto é, não queria mais as plantas no banheiro e sim embaixo da janela da sala, assim não precisaria mais pintar as latas... Passei a pesquisar as espécies...

Os cactus são de uma família do grupo das Suculentas (Cactaceae). Todo cacto é uma suculenta, mas nem toda suculenta é um cacto. Segundo a fórmula, um ótimo substrato (mistura de terra) para os cactos e suculentas é uma parte de adubo orgânico e três partes de terra para germinadoras (é uma terra feita de produto vegetal e vermiculita). Cactos e suculentas em sua maioria precisam do mesmo tipo de substrato para se desenvolverem: poroso, rico em matéria orgânica e com boa drenagem para não enxarcar...

É muito legal saber das plantas... Lembrei-me da época em que frequentava a Feira de Flores... Li sobre ter em casa, em um lugar adequado, um vaso com a árvore-do-dinheiro, Pachira aquatica (RHM: 686), coalhada com fitas vermelhas e outros símbolos de bom augúrio pendurados... Quisera ter ainda a rústica, porém de aparência delicada avenca... Também adoro antúrios e bromélias...

Como eu não tenho varanda, infelizmente, quero aproveitar a jardineira para criar uma pequena área verde do lado de fora do apartamento... O Shopping Garden Tatuapé – Tatuapé Garden Paisagismo Ltda. (shopgarden.com.br), Avenida Salim Farah Maluf, 2211 – Água Rasa, faz projetos de paisagismo... Agendar visita com Paulo (6499-8082)...

Visitamos a Florída Decorações, Comércio de Brinquedos e Presentes Florida Ltda. (floridadecoracoes.com.br), Rua da Cantareira, 28 – Centro, em .....; também a Casa Real Flor (realflor.com.br), Rua Florêncio de Abreu, 441 (Matriz) e Rua 25 de Março, 954 (Filial) – Centro, em 16/11/12. Então, comprei várias espécies de suculentas artificiais, que são muito realísticas e não precisam de cuidados... (rs)

1 cactus 18 cm (Código: 7177. Referência: GT6180)
2 cactus 15 cm (Código: 7179. Referência: GT6182)
1 cactus 20 cm (Código: 7180. Referência: GT6179)

2 pick aloe avelud 35 cm (Código: 5428. Referência: GP4002) [parece um capim grande]
2 pick capim c/po X6 20 cm (Código: 7781. Referência: GP6823R)
1 scheffera flocad (Código: 5711. Referência: GT4585) [não parece com a cheflera, Schefflera]

Família: Crassulaceae
1 Aeonium, 30 cm altura × 11 cm diâmetro (Código: 9554. Referência: GP8211)
2 Sedum bouquet X5, 25 cm altura (Código: 5562. Referência: FBS255-GY/GR)
1 Echeveria, 30 cm altura × 11 cm diâmetro (Código: 9555. Referência: GP8212)

Nota: Crássula ou planta-fantasma (Graptopetalum paraguayense) é uma espécie de suculenta pendente que pode chegar a 50 cm [acho que é aquela que a Katia me deu].

Composição: seda, plástico e arame. Origem: China.
Produto: Buque de Rosa X3 (Referência: SY01040), um galho com 3 rosas brancas, sendo 1 botão semi-aberto e 2 flores abertas.
Produto: Buque de Rosa X4 (Referência: RH2011), um galho com 4 rosas brancas, sendo 1 botão fechado e 3 flores abertas.
Total: R$ 240,00 reais (50 na 1ª vez + 90 da 2ª vez + 100 da 3ª vez em 16/11/12)

Em 28/10/2013, comprei uma Kaizuka e também um vaso de cerâmica natural liso, modelo tipo bacia, de 15 cm de altura e 35? cm de boca (R$ 27), onde coloquei todos os cactos e suculentas para mudar um pouco a decoração (penso em colocar as latas no chão com velas coloridas para o Natal)...

Entrada principal !
Última atualização: 02/11/2013.
volta ao topo

LIGAS DE METAIS LISTA DE MATERIAIS
MADEIRAS