This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

ARTE RUPESTRE

Desenhos e pinturas feitas nas cavernas pelos homens pré-históricos são uma arte que representam o surgimento de uma nova forma de expressão para toda a raça humana...

Tanto a Arqueologia, como a Antropologia e a Paleontologia estão representadas em museus das mais variadas formas...

– Arqueologia é a Ciência que estuda a vida e a cultura de povos antigos por meio de escavações ou através de documentos, monumentos etc., por eles deixado. Arqueólogo é o especialista em Arqueologia; cujo adjetivo é Arqueológico.

– Antropologia é o estudo ou a reflexão acerca do ser humano e do que lhe é característico. Designação comum a diferentes ciências ou disciplinas, cujas finalidades são descrever o ser humano e analisá-lo com base nas características biológicas e socioculturais dos diversos grupos (povos, etnias etc), dando ênfase às diferenças e variações entre eles. Antropólogo é o especialista em Antropologia; cujo adjetivo é Antropológico.

Paleontologia é a Ciência que estuda animais e vegetais fósseis. O Paleontólogo é o especialista em Paleontologia; cujo adjetivo é Paleólogo.

Um dos períodos mais fascinantes da história humana é a Pré-história. Esse período não foi registrado por nenhum documento escrito, pois é exatamente a época anterior à escrita. Tudo o que sabemos dos homens que viveram nesse tempo é o resultado da pesquisa de antropólogos, historiadores e dos estudos da moderna ciência arqueológica, que reconstituíram a cultura do homem dessa época.

Em rochas e cavernas, os homens pré-históricos fizeram entalhes e gravuras, também traçaram desenhos e pinturas que chamamos de arte rupestre.

Na arqueologia petróglifo é o mesmo que gravura rupreste, geralmente esculpida toscamente em uma pedra; trata-se de gravação de imagens, representações ou grafismos que se encontram nas partes interiores ou exteriores de cavernas, da autoria de homens dos períodos Neolítico e Calcolítico.

Assim como os fósseis, incrustados nas rochas, revelam as idades dos seres vivos antes do aparecimento do homem sobre a Terra, os desenhos de vários animais feitos pelos representantes da raça de Cro-Magnon nas paredes de suas cavernas, testemunham o contato destes com a natureza: ressaltam suas proezas face animais que ameaçavam suas vidas e mostram suas atividades normais para a obtenção de alimentos, bem como de cobertura para os seus corpos.

Inegavelmente, o homem primitivo, a exemplo do que ocorre com as tribos selvagens da atualidade, teve um conhecimento bastante aprofundado dos animais que o rodeavam, seguramente, impregnado de superstições originadas do temor e do assombro que certas espécies deviam causar-lhes...

Na África, encontramos girafas neste tipo de arte em vários países. Estão divididas em Arte Saariana e Arte Austral – norte e sul do continente africano, respectivamente.

Pinturas ou gravuras feitas nas cavernas pré-históricas conferem surpreendentes testemunhos da arte de nossos antepassados. Seja no calcário mole, em baixo-relevo, silhuetas de animais que habitavam a terra em épocas remotas, ou seja na rocha, figuras imprimidas de bisões, girafas, mamutes etc.

A pintura dessa época, executada primeiramente com os dedos e depois com pincéis rudimentares de penas ou de madeira, apresenta uma variedade de cores limitada que compreendem: negro, branco, vermelho, amarelo e castanho, as quais eram obtidas com pó de carbono, carbonato de cal e cores de diversas tonalidades diluídas em substâncias gordurosas ou seivas vegetais.

O selo cubano abaixo, compreende uma série 7 valores emitida em 1967 e mostra o homem pré-histórico de cro-magnon realizando arte rupestre...

Foi aproximadamente uns 30.000 anos antes de Cristo que apareceram as primeiras manifestaçãoes desta arte, caracterizadas por gravuras muito toscas, decalques de mãos ou as mesmas cercadas de cores aplicadas nas paredes das cavernas, representações lineares feitas com os dedos sujos de argila.

Sucederam a estas, figuras de animais ou símbolos sexuais gravados profundamente. Depois desenhos e por último as figuras policromas.

É preciso não omitir os signos tectiformes e outros: figuras geométricas, linhas, pontos etc. Além das gravuras e pinturas parietais, à arte pré-histórica também se juntam gravuras em objetos de madeira, estatuetas de osso ou marfim e, ainda, figurinhas como a Vênus de Brassempouy.

As antigas girafas habitaram não apenas a África mas também a Europa e a Ásia, onde foram dizimadas pela caça do homem pré-histórico... Abaixo, veja uma tabela que narra as pinturas rupestres das cavernas da Europa, no principal período do surgimento da família dos girafídeos:

VEJA A TABELA CRONOLÓGICA!

(42k)

As investigações levadas a cabo durante as últimas décadas permitiram localizar a iconografia de maneira cronológica do princípio do Magdaleniense – 17.000 anos antes do presente período. Não obstante, certos indícios tanto temáticos como gráficos dão a pensar que algumas figuras poderiam datar de uma época mais recente. Esta hipótese foi confirmada por datação com Carbono 14 (por volta de 15.500 anos).

Notas (datas de referência aproximadas):
Paleolítico: Pedra Lascada até 12.000 a.C. (predomina na arte rupestre a imagem isolada; grupos são raros; naturalismo simbólico)
Mesolítico: 12.000 a 6.000 a.C. (as imagens são agrupadas e se caracterizam pelos movimentos: os braços do arqueiro, as pernas de corredores)
Neolítico: 6.000 até 2.000 a.C. (o homem poli a pedra, dedica-se a agricultura, domestica os animais e constroi cidades)
Idade dos Metais: da Idade da Pedra aos Metais (nos desenhos rupestres o animal não é mais representado como selvagem, mas já domesticado)

volta ao topo

ONDE ESTÃO AS GIRAFAS EM ARTE RUPESTRE?

Girafas na Arte Saariana e Girafas na Arte Austral

Girafas são encontradas na Arte Rupestre Saariana, pois em diversos sítios arqueológicos no Deserto do Saara elas foram entalhadas, desenhadas e pintadas nas pedras de várias Nações... Girafas também são encontradas na Arte Rupestre Austral, cujos sítios arqueológicos elas foram pintadas nas cavernas de vários países... Está representada por vários conjuntos, geralmente situados nos maciços montanhosos de zonas desérticas. As pinturas são ordinariamente agrupadas em regiões diferentes daquelas que se encontram as gravuras. Provavelmente, as primeiras obras datam de 6.000 mil anos e encontram-se em todos os maciços do Saara.

O Deserto do Saara, formado há vários milhões de anos como a parte norte do continente Africano, em torno do Trópico de Câncer, é um gigante depósito de arte pré-histórica em pedra. Isto ocorre em vários lugares importantes... Embora não se saiba quem esculpiu as girafas, elas também são encontradas em diversas outras partes do continente africano, o que sugere, talvez, que esse animal tenha sido importante em antigas culturas... Uma das representações mais importantes e comuns são os Bubalus Antiqus (ancestral do moderno gado domesticado), juntamente com outros grandes animais africanos como elefante, girafa, rinoceronte etc.

Girafas rupestres: Argélia, Botsuana, Chade, Egito, Líbia, Mali, Mauritânia, Namíbia, Níger, Quênia, Somália, Sudão e Tunísia.

► Também existem girafas rupestres em Koobi Fora (Quênia) e na Gruta de Gwangwadza ou Gruta da Rodésia (com mais de 40.000 anos), Zimbábue.

► Na Tanzânia, além da Gruta de Kondoa (conjunto de cavernas), também no sítio arqueológico Olduvai Gorge...

Platô de Ajjer ou Tassili N’Ajjer – Argélia
Montanha Acacus ou Tadrart Acacus – Líbia
► Stone Circles of Senegambia – Gâmbia/Senegal (círculos de pedra megalíticos)
Dabous/DjadoNíger
EnnediChade
► Tiya – Etiópia (região de Soddo, a sul de Adis Abeba)
Cavernas de Kondoa ou Kondoa Rock-Art Sites – Tanzânia
► Chongoni Rock-Art Area – Malauí (área montanhosa central)
► Montanhas Tsodilo ou Tsodilo HillsBotsuana
TwyfelfonteinNamíbia
► Montes Drakensberg ou Drakensberg/uKhahlambaÁfrica do Sul/Lesoto

volta ao topo

Emissões Filatélicas alusivas a Arte Rupestre Franco-cantábricas

Espalhados em regiões montanhosas, na França e na Espanha, há um conjunto aproximado de 70 abrigos que retratam obras primas da idade Paleolítica. As representações humanas ou de animais estão, geralmente, agrupadas em cenas de vida coletiva.

Série de 10 valores emitida em 27/03/1967 pelo Reino da Espanha (España), alusiva a arte rupestre em cavernas da Espanha, com desenhos datados do Paleolítico e Mesolítico – Arte rupestre da bacia mediterrânica da península Ibérica – tombada pela Unesco em 1998. Os selos mostram: arqueiros na Cueva de Morella – Castellón (40cts), caçadores na Cueva de Remigia – Castellón (50cts), pintura na Cueva de La Silla – Badajoz (1pta), touro na Cueva de Altamira – Santander (1,20ptas), mãos na Cueva El Castillo – Santander (1,50ptas), arqueiro na Cueva de Saltadora – Castellón (2ptas), antílopes na Cueva de Covalanas – Santander (2,50ptas), dançadores na Cueva de Cingle – Castellón (3,50ptas), caçadores e antílope na Cueva de Remigia – Castellón (4ptas) e vários caçadores em uma manada na Cueva de Los Caballos – Castellón (6ptas). Scott: 1449/1458. Yvert: 1432/1441. Nota: Veja um FDC.


(29k)

CAVERNA DE ALTAMIRA – Santander, Espanha. Célebres cavernas localizadas na região de Santander, litoral norte da Espanha, onde podem ser encontradas quase uma centena de desenhos e pinturas representando animais pré-históricos como bisontes e mamutes, além de cenas de caça. Essas pinturas foram feitas nas paredes de pedra das cavernas pelos primitivos habitantes da região, e datam do final do período Paleolítico, cerca de 12 mil anos ou 14.000 antes de Cristo. Foram os primeiros desenhos descobertos, em 1868. Sua autenticidade, porém, só foi reconhecida em 1902.

Do lado esquerdo da tela, série de 4 valores emitida em 1989 pelo Reino da Espanha (España), que mostra sítios tombados pela Unesco, um dos selos é alusivo às “Cuevas de Altamira – Patrimonio Cultural de la Humanidad”, Cavernas de Altamira – Patrimônio Cultural da Humanidade. Scott: 2613/2616. Do lado direito, selo emitido em 2001 pelo Reino da Espanha (España), que mostra “Arte rupestre del Arco Mediterráneo – Patrimonio Mundial de la Humanidad – Barranc de la Valltorta (Castellón)”, Arte Rupestre da Bacia do Mediterrâneo – Patrimônio Mundial da Humanidade – Barranco da Valltorta (Castellón). Nota: Há outra série de 2 valores emitida em 28/04/1975, cujos selos mostram: Cueva de La Araña (3 pta) e Cueva de Tito Bustillo (12 pta).

CAVERNA DE CHAUVET – França. Há ursos, panteras, cavalos, mamutes, hienas, dezenas de rinocerontes peludos e animais diversos, descoberta em 1994.

CAVERNA DE LASCAUX – Abaixo, selo emitido pela República Francesa (France), com valor facial de 1 franco, que compreende uma série de 4 valores emitida em 13/04/1968 (Scott: 1204/1207), cuja imagem mostra pinturas rupestres da Gruta Pré-Histórica de Lascaux (Grotte Prehistorique de Lascaux). O carimbo de primeiro dia é da cidade de Montignac – comuna francesa situada no rio Vézère, departamento de Dordonha (Dordogne), na região administrativa de Aquitânia (Aquitaine). Nota: FDC com cachê As cavernas de Lascaux (Les Grotttes de Lascaux – Dordogne); contribuição de Seme em 29/03/05.

As grutas ou cavernas de Lascaux, localizadas no sudoeste da França, são consideradas as mais belas cavernas com pinturas pré-históricas do mundo. As cavernas contêm mais de 1.500 pinturas representando animais: bovinos (bovidés), cavalos (chevaux), bisontes, mamutes e até rinocerontes, e algumas dessas pinturas chegam a ter cerca de 30 mil anos, segundo as datações mais recentes. Suas pinturas foram descobertas em 1942, têm 17.000 anos. A cor preta, por exemplo, contém carvão moído e dióxido de manganês. Nota: Selo de Mali.

CAVERNA DE NIAUX – Abaixo (do lado esquerdo da tela), selo emitido em 1979 pela República Francesa (France), com valor facial de 1,50 francos, “Ariège – Grotte de Niaux”, cuja imagem mostra pinturas rupestres da Gruta de Niaux. Scott: 1638/1643. Nota: Há também uma emissão rara em P&B.

CAVERNA DE ROUFFIGNAC – Do lado direito da tela, selo emitido em 27/09/2006 pela República Francesa (France), com valor facial de 0,55€, “Grotte de Rouffignac”, em comemoração aos 50 Anos da Descoberta da Gruta de Rouffignac 1956-2006. São cerca de 250 desenhos declarados pela Unesco, desde 1979, como patrimônio mundial. A Caverna de Rouffignac, com pinturas rupestres pré-históricas, tem 8 quilômetros de galerias dentro do Vale do Vézère e foi renomeada “Gruta dos 100 Mamutes” (Grotte des Cent Mammouths)... Os carimbos de primeiro dia deste selo forom realizados em Rouffignac e Rouffignac-Saint-Sernin-de-Reilhac, no departamento de Dordonha (Dordogne).

Do lado esquerdo da tela, selo emitido em 08/02/2002 pelo Principado de Mônaco, impresso em folhas de 10 selos, com valor facial de 0,64€ centavos de euros cada, “1902 – Musée d’Anthropologie Prehistorique”, que comemora o Aniversário de 100 Anos do Museu de Antropologia Pré-histórica, cuja imagem mostra também a efígie do Príncipe Albert I... No centro da tela, selo aéreo emitido em 1970, com valor facial de 3 francos, alusivo a arte rupestre da Caverna de Lascaux (Scott: AP36). À direita, selo emitido em 1949, com valor facial de 18 francos, “Institut d’Anthropologie – Institut de Paléontologie”, alusivo aos Institutos de Antropologia e Paleontologia.

volta ao topo

Prehistoric Giraffe Skeleton
41 SIVATHERIUM (from Sitlialik Hills in India and Greek ‘beast’)

Esse ungulado (hoofed mammal) viveu na Índia e na África durante o Pleistoceno, within the last ~ million years or so. Sivatheres were a side-branch of the giraffe family, without the long neck or long legs typical of modern giraffes but with a large and massive body some 8 feet long.

The male had two pairs of bony outgrowths on the skull, probably covered with horn during life and not shed annually; the front pair, small and conical, were above the eyes, while the back pair, huge and flaring, were on top of the head. A bronze figure from ancient Sumeria is just like this; was Sivatherium still living a mere few thousand years ago...

Greece may once have been tropical refuge for African animals
Associated Press, July 20, 2000

Geology teams conducting excavations in northern Greece have uncovered 5 to 7 million year-old rhinoceros and giraffe fossils, indicating the region was once a tropical refuge to animals found in present-day Africa, geologists said Thursday.

“A paleontological treasure was found” in the excavations near the northern towns of Grevena and Serres, about 415 kilometers (260 miles) north of Athens, said Professor Evangelia Tsoukala, who headed the geology team conducting the digs.

In Serres, “impressive remains of a fossilized rhinoceros were discovered in addition to fossils of small-sized horses, antelopes and gazelles that date back 5 to 7 million years”, Tsoukala said.

The dig in Grevena uncovered a large fossil of the ancestor of the present-day elephant. The 3 million-year-old fossil was found to be that of a male which stood 4.5 meters (15 feet) tall and weighed more than 12 tons.

“They have discovered the biggest skeleton of a Mammut Borsoni that has ever been found in Greece, and the best completed jaw ever found in Europe”, Tsoukala explained.

The Serres excavations began last year when a railway employee discovered fossilized skeleton parts of a giraffe, and the findings indicate that Greece once had a tropical climate and terrain. Extraído de: (www.zetatalk.com/info/tinfo26x.htm).

volta ao topo

Este assunto nos leva a pensar por que os artistas fizeram essas grandes imagens...

Parece que as girafas foram bastante importantes em várias culturas diferentes na África.

Elas foram pintadas e entalhadas de forma mais artística e com muito mais cuidado. Há hipóteses de que várias culturas podem ter considerado esses animais, como “animais da chuva”, tendo poderes sobre a chuva...

Não importa o que a girafa representou para os antigos homens, com isso e de qualquer forma se deduz que as girafas foram importantes criaturas naquele período...

GIRAFAS EM ARTE RUPESTRE

O HOMEM PRÉ-HISTÓRICO

TÁBUA CRONOLÓGICA DA HISTÓRIA
(6 páginas)


Lista (incompleta) de selos postais alusivos a Arte Rupestre (Edithe):

Antilhas Neerlandesas 1977 – Série de 3 valores (25c, 35c e 40c), “Rock Paintings”...
Cuba 1967 – Selo com valor facial de 3, “Expo 67”, cuja imagem estampa a frase: “O homem como criador / El Hombre como Creador”.
Cuba 1970 – Série de 7 valores, “30 Aniv. Soc. Espeleológica de Cuba”, Cueva de Ambrosio – Varadero – Matanzas ($1 e $4), Cueva nº 1 – Punta del Este – Isla de Pinos ($2, $5 e $30), Cueva Pichardo – Sierra de Cubitas – Camagüey ($3), Cueva Garcia Robiou – Habana ($13).
Cuba 1989 – Série de 2 valores, “America – Upaep” (Pueblos Precolombinos), cujos selos mostram: “Piedra tallada – C. Taina” (5$) e “Petroglifos – C. Taina” (20$).
Cuba 1990 – Selo com valor facial de 30, “50 Aniversario de la Sociedad Espeleologica de Cuba”, cuja imagem retrata vários homens no interior da caverna, um deles pintando.
Guiana 1975 – Selo com valor facial de 35c, “Ancient Order of Foresters 1875-1975”.
México 1956 – Série de 6 valores, “Centenário do selo postal mexicano / Centenario de la estampilla 1856-1956”, cujos selos mostram: Olin movimiento (5c), Tohtli pajaro (10c), Xochitl flor (30c), Centli maiz (50c), Mazatl venado ($1) e Tecutli hombre ($5).
São Cristóvão e Névis 1973 – Selo com valor facial de 2$50 que comemora “70th Anniversary of the First St. Kitts Nevis Stamps”.
São Vicente e Granadinas 1976 – Série de 3 valores, “Artefatos Caribenhos / Carib Artifacts”, cujos selos mostram “Barrancoid Pot – Stand c. 450 AD” (5c), “Carib Stone Sculpture – Negro c. 1510” (70c) e “Ciboney Petroglyph c. 4000 BC” (1$), com logotipo “Saint Vincent National Trust”.

República Francesa 1993 – Série aérea de 2 valores “Unesco”.
Reino da Noruega (Norge) 1963 – Série regular de 4 valores (25, 40, 90 e 125), “Rock Paintings”...

Austrália 29/09/1971 – Série de 4 valores (20c, 25c, 30c e 35c) “Arte Aborígene – Pintura Rupestre” (Aboriginal Art – Cave Painting), sendo que 2 selos mostram arte rupestre... + FDC.
Austrália 17/11/1982 – Série de 4 valores (27c, 40c, 65c e 75c), “Cultura Aborígene: Música e Dança” (Aboriginal Culture: Music and Dance).
Austrália 07/11/1984 – Série de 7 valores “Os Primeiros Australianos: Pinturas Rupestres” (The First Australians: Rock Paintings), sendo 6 selos com valor facial de 30c e 1 selo com valor facial de 85c... Mi chel: 900/907. Scott: 932/939.
Ilhas Pitcairn 1971 – Série de 4 valores, cujos selos mostram: “Gravuras rupestres polinésias / Polynesian Rock-Carvings” (5c), “Artefatos polinésios / Polynesian Artifacts” (10c), “Fashioning of a Polynesian Stone Fish-Hook” (15c) e “Divindade de pedra polinésia / Polynesian Stone Deity” (20c).
Nova Caledônia 27/01/1979 – Selo com valor facial de 10 francos, “Sítios e Arqueologia” (Sites et Archéologie), cuja imagem mostra “Petroglifos – Região da Mãe” (Petroglyphe – Région de Mère).
Polinésia Francesa 1986 – Série de 2 valores “Arte Rupestre” (Art Rupestre – L’Arquer d’après Centre Te Anavaharau), cujos selos mostram: Vallée de Punaeí – Marquises (58F) e Vallée de Hane – Marquises (59F).
Reino de Tonga 1996 – Série em formato se-tenant com 2 valores iguas de T$1, “XIII Congress International Uinon of Prehistoric and Protohistoric Scences”, cujo canto superior esquerdo do primeiro selo mostra arte rupestre do homem pré-histórico, com homens das cavernas... Scott: 929.

África do Sul (VendaVenda), Argélia, Botsuana, Centro-Africana, Chade, Djibouti, Etiópia, Lesoto, Malauí, Namíbia, Suazilândia...

Entrada principal !
Última atualização: 22/04/2014.
volta ao topo

PALEONTOLOGIA MAPA GIRAFAMANIA
RUPESTRE