This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

Nesta página um pouco sobre a Fundação Parque Zoológico de São Paulo. Veja também a página sobre a História do antigo Zoológico de São Paulo!

www.zoologico.sp.gov.br

O Zoológico de São Paulo foi criado em 1957, à partir de uma instrução do então Governador Jânio Quadros (ex-Presidente do Brasil em 1961) ao Diretor do Departamento de Caça e Pesca da Secretaria da Agricultura, Sr. Emílio Varoli (então, presidente do zoo).

A inauguração prevista para janeiro de 1958 teve que ser adiada devido as fortes chuvas daquele ano... Apesar do clima chuvoso, muitas pessoas participaram da inauguração do Zoológico de São Paulo, ocorrida oficialmente em 16/03/1958, com a presença do Governador. Nesta data, 482 animais foram expostos ao público.

No ano de 1958, a entrada era gratuita, mas no ano seguinte, quando foi criada a Fundação Parque Zoológico de São Paulo, em 1959, os ingressos passaram a ser cobrados. A Fundação obteve personalidade jurídica e autonomia administrativa, financeira e científica.

Hoje, o Parque Zoológico de São Paulo é considerado o maior do Brasil e um dos 10 melhores do mundo, tanto pela diversidade de animais que abriga, quanto por seu trabalho na preservação de espécies em extinção. Ocupa uma área de 824.529 m², com 4 quilômetros de alamedas.

Localizado em uma área de Mata Atlântica original, o Parque aloja nascentes do histórico riacho do Ypiranga (que um dia viu D. Pedro I proclamar a Independência do Brasil), cujas águas formam um lago que acolhe exemplares de aves de várias espécies exóticas, além das aves migratórias. Assim como o lago, a mata abriga animais nativos de vida livre, formando fauna paralela.

Conta com um variado acervo, sendo considerado o maior da América Latina em diversidade de espécies. É um dos poucos do mundo a ter uma coleção completa de felinos e símios. Através da exibição de 3.200 animais, aproximadamente, representando 102 espécies de mamíferos, 216 espécies de aves, 95 espécies de répteis, 15 espécies de anfíbios e 16 espécies de invertebrados, em recintos e terrários amplos e semelhantes ao habitat natural, o zoo promove a conscientização do público sobre a variedade e diversidade das formas de vida sobre a Terra. Espécies brasileiras ameaçadas de extinção como o mico-leão-de-cara-dourada e o tamanduá-bandeira têm programas especiais de reprodução em cativeiro promovidos pela Fundação (dados referentes ao mês de outubro de 2006).

Algumas espécies da fauna africana que podem ser encontradas no Jardim Zoológico de São Paulo: chimpanzé, dromedário, elefante-africano (Terezita), girafa, grande-cudu, hipopótamo, leão-africano, rinoceronte-branco, entre outros.

EVOLUÇÃO DO LOGOTIPO DO ZOOLÓGICO

1973–1991 1992–1995 1996–2002 Desde novembro de 2002

A evolução das logomarcas representa uma mudança de visão do Zoológico de São Paulo... As duas primeiras davam destaque apenas aos animais; mas a última logomarca expressa a mudança de visão do Zoológico de São Paulo para relevância da conservação da biodiversidade, representando integração entre flora, fauna e homem...

Abaixo (do lado esquerdo da tela), carimbo comemorativo “Parque Zoológico de São Paulo – 16/03/1958 – 25 Anos, ECT de 17 a 23/06/1983” (Zioni: 3727). Nota: Na coleção há um envelope (il), cujo cachê mostra o logotipo; adquirido de Evair em 14/09/10 (R$12). Do lado direito, carimbo comemorativo “40 Anos do Zoológico de São Paulo, 24 a 30/05/1998” (Zioni: 6364). Interessante notar também a evolução dos logotipos através de carimbos comemorativos...

ANIMAIS FAMOSOS

Os primeiros animais exóticos como leões, camelos, elefantes e urso (1) foram adquiridos de um pequeno circo particular. A maioria dos animais brasileiros como onças (2 pintadas e 1 preta), cervos-do-pantanal (9), galos-da-serra, gatos-do-mato (2), jaguatiricas (3), papagaios (23) foi adquirida em Manaus. Para se juntar ao grupo foi trazido do Zoológico do Rio de Janeiro o famoso rinoceronte “Cacareco”...

– Foto primeiros animais: leoa “Helena”, data de 1958.

– Hipopótamo “Teteia” – Entre as celebridades está o animal mais velho do zoo, com 2,5 toneladas, a querida mascote “vovó” Teteia – símbolo do parque. Trata-se de um hipopótamo fêmea que foi trazida do Zoológico de Córdoba, na Argentina, em 1964. Acredito que “Teteia” tenha nascido em 1958... Durante toda a sua vida em São Paulo, ela teve 10 filhotes, inclusive um fato raro, o nascimento de gêmeos... Todos foram transferidos para outros zoológicos do país. Seu último filhote foi a fêma “Sininho”, que ela deu a luz aos 43 anos de idade; parece que foi em 2001... Seu neto, o “Pororó”, vive no Zoo Safári... que tem uma nova atração, um jovem hipopótamo de 11 meses, vindo de um parque no Ceará...

– O elefante-asiático fêmea, chamado “Mara”, é da década de 60... (parece que ela morreu na tragédia de 2004)... Também nessa época ocorreu a construção do recinto das girafas... a girafa “Clotilde” foi mãe de várias das girafas que foram para outros zoológicos...

Entre as principais realizações da administração de Mário Autuori (entre 1960 a 1982) está a importação de grandes mamíferos africanos, como elande, impala, cudu, órix, cobo-de-meia-lua e 3 girafas sul-africanas, cujas crias seguiram para outros zoos brasileiros... Em 1968 foram importadas da Polônia duas fêmeas e um macho de bisão-europeu... A elefanta Bruma e uma égua vieram do zoo de Vila Maria na década de 70. Fonte: Zoo São Paulo.

Nota: O biólogo Mário Autuori (1907-1982) estudou insetos e formigas saúvas durante 25 anos, publicando centenas de trabalhos. Em 1958, foi fundador e diretor do Zoo de São Paulo, transformando-o em Fundação em 1960. Ampliou a instituição até convertê-la em um núcleo de pesquisa.

– A construção do recinto dos chimpanzés ocorreu em 1969... o chimpanzé “Tarzan” foi o mais famoso. O recinto dos tigres (atual leões) data de 1970...

– O recinto do condor e das aves de rapina foi inaugurado em 1980... mas um condor-dos-andes chegou em 1972.

Outros famosos foram: o rinoceronte-indiano “Nabo” e o raro e querido gorila “Virgulino”, que viveu no zoo durante 33 anos. Todos estes animais marcaram grandes períodos e ainda são lembrados com muito carinho pelos funcionários e visitantes do parque.

Entre outras histórias, temos a do primeiro tamanduá-bandeira que nasceu em cativeiro no Brasil e sobreviveu: “Tatá”. Com esse macho muito se aprendeu sobre o comportamento e hábitos alimentares da espécie. Parece que ele foi parar até na Alemanha para reprodução, mas não obteve sucesso... Quando voltou, recebeu como parceira “Tieta”, uma fêmea vinda do Sertão e, com ela, teve seu primeiro filhote por volta de 1995. Hoje, já teve outros filhotes; ao todo foram quatro.

Veja o sauveiro de vidro (com a espécie saúva-limão) e conheça a vida no interior de um enorme formigueiro!

A foto do lado esquerdo da tela (Glória Jafet / Zoo SP) mostra a girafa “Clotilde”, mãe de várias girafas que foram para outros zoológicos, segundo o sítio oficial na página Bichos Famosos que fizeram a história do zoológico... Já a fotografia do lado direito, tirada em janeiro de 1987 (quando eu tinha 22 aninhos), mostra garças e marrecos na antiga Casa das Aves; hoje (2010), a mesma casa abriga uma gigante sucuri-verde.

— Fundação Parque Zoológico de São Paulo – FPZSP
Avenida Miguel Stéfano, 4241 – Água Funda – São Paulo (SP) – CEP: 04301-905
Telefone: (11) 5073-0811 – Fax: (11) 5058-0564
Maria Luiza Gonçalves (5077-2700), falei com o Lucas em 17/01/2008.
Caixa Postal: 12954 – São Paulo (SP) – CEP: 04010-970
De terça a domingo, das 09:00 às 17:00 hs. (Metrô: Estação São Judas)
administracaozoo@zoologico.sp.gov.br – www.zoologico.sp.gov.br – www.zoologico.com.br

— O Diretor Presidente da FPZSP, Doutor Paulo Magalhães Bressan, devolveu o envelope circulado em 2007 dentro de envelope timbrado com o logotipo do Zoológico de São Paulo e o logotipo do Governo do Estado de São Paulo – Secretaria do Meio Ambiente.

Abaixo, do lado esquerdo da tela, casa das girafas na fotografia tirada em abril de 2008. Do lado direito, foto de 2002... Ambas as fotos são de Glória Jafet / Zoo SP.

volta ao topo

Jardim Botânico de São Paulo (www.ibot.sp.gov.br)

Em 1969 o antigo “Parque do Estado” passou a denominar-se Parque Estadual Fontes do Ipiranga – PEFI. Zona de preservação da Mata Atlântica, o PEFI abriga, hoje, o Jardim Botânico de São Paulo, a Fundação Parque Zoológico, o Simba Safári, o Instituto Astronômico e Geofísico da USP e a Secretaria de Estado da Agricultura.

Desde 1893 o governo passou a desapropriar as propriedades na região no intuito de preservar as nascentes do Rio Ipiranga e a área da Mata Atlântica. Em 1917 a região era propriedade do Governo e passou a chamar-se “Parque do Estado”. As águas das nascentes foram utilizadas até 1928 para abastecer o bairro paulistano do Ipiranga. Em 09/11/1938, com a criação do Departamento de Botânica do Estado (atual Instituto de Botânica de São Paulo), o Jardim Botânico foi oficializado.

O Jardim Botânico de São Paulo está localizado no bairro Água Funda (distrito paulistano do Cursino), Zona Sul da cidade de São Paulo. Instituição de pesquisas científicas na área da Botânica é um órgão pertencente a SMA – Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Situado numa área de 425 mil metros quadrados, é um imenso viveiro com aproximadamente três mil plantas que somam mais de 340 espécies da flora brasileira. Possui uma estufa que abriga espécimes da Mata Atlântica e outra destinada a exposições temporárias de plantas e flores, além de um orquidário e um hidrofilotério. Abriga também o “Museu Botânico Dr. João Barbosa Rodrigues” (MBot) – idealizado por Frederico Carlos Hoehne, o museu foi inaugurado em 1942 por ocasião do centenário de nascimento de Barbosa Rodrigues.

Histórico:
1928 – Seção de Botânica do Instituto Butantã – Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo
1934 – Serviço de Botânica, Instituto Biológico da Defesa Agrícola e Animal – Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio
1938 – Departamento de Botânica do Estado – Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio (Decreto Nº 9.715, 09/11/1938)
1942 – Designado como Instituto de Botânica – Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Decreto Nº 12.499, 07/01/1942)
1987 – Instituto de Botânica transferido para a Secretaria de Estado do Meio Ambiente

Instituto de Botânica / Jardim Botânico de São Paulo
Avenida Miguel Stéfano, 3031/3687 – Água Funda, São Paulo (SP) – CEP: 04301-902
Caixa Postal: 3005 – Água Funda, São Paulo (SP) – CEP: 01061-970

Nota: Além do Viveiro de Plantas do Jardim Botânico, o Estado de São Paulo possui outros Viveiros de Plantas, por exemplo: o Viveiro Florestal da Capital, localizado no Horto Florestal, também o Viveiro de Plantas do Jardim Zoobotânico de Franca, localizado no interior do Estado.


Fazenda de Araçoiaba produz alimentos para Zoológico de São Paulo

Uma fazenda na região de Sorocaba é responsável pela produção de alimentos para o Zoológico de São Paulo, desde 1982. O local, no bairro Jundiaquara, em Araçoiaba da Serra, também é usado para a reprodução de algumas espécies de animais em cativeiro. Em uma área de 574 hectares, a fazenda da Fundação Zoológico de São Paulo produz mais de mil toneladas de alimentos por ano que alimentam 3,5 mil animais. Entre as diversas culturas, estão hortaliças, grãos, frutas e forrageiras.

A qualidade dos alimentos é garantida através de cultivo orgânico. Milho é a grande produção da fazenda do zoo e ocupa 100 hectares. O produto é a base para a fabricação de rações. Recentemente, implementou-se também o cultivo de soja. Além de produzir alimentação balanceada para o cardápio do zoo, a fazenda tem como preocupação os cuidados com o meio ambiente.

Através do Sistema de Gestão Agroambiental e controle de impactos, a proposta é chegar a um resultado que diminua a geração de resíduos e melhore a qualidade do produto. A fazenda também produz madeiras, sapés, mudas diversas de folhagens para utilização no paisagismo e ornamentação do Zoológico de São Paulo. Outra atividade da fazenda é criação de animais silvestres, principalmente para reprodução.


Girafas da Fundação Parque Zoológico de São Paulo

Parece que as primeiras girafas em São Paulo foram encomendadas em 1960, mas só chegou uma femea; depois trouxeram o macho...

“Carnet” (pequeno caderno) da Fundação Parque Zoológico de São Paulo – “Campanha de Expansão do Zoológico” – Permanente Familiar Vitalícia, do portador Banco Brasileiro de Descontos S.A. (nº 02162), hoje, Bradesco (bradesco.com.br), fundado em 1943 na cidade de Marília (SP). Junto ao carnê, recibo da doação à Fundação Parque Zoológico de São Paulo (31 de julho de 1964), Mapa Guia do Zoo e recibo da Quota integral paga (7 de dezembro de 1964), com os respectivos selos... Em bom estado de conservação, tem pequeno rasgo junto a um dos grampos, sem perda de papel, no mesmo canto superior tem pequena mancha de tinta azul... Adquirido da vendedora do ML (JLF7), Cecilia, Maria C. B. Ferreira e Candida Couto Bandeira Ferreira (sebosaojorge@yahoo.com.br), Santos (SP), em 24/01/12.

No Guia do Zoo estão descritos os seguintes animais [sic]: 1 Jegue, 2 Lhamas, 3 Asno Anão, 4 Zebra, 5 Vicunha, 6 Urso Polar, 7 Mouflon, 8 Veado, 9 Canguru, 10 Ema, 11 Urubú Rei, 12 Aves, 13 Aves, 14 Aves, 15 Aves, 16 Cutias, 17 Gavião Real, 18 Jaguatirica, 19 Mandril, 20 Leão, 21 Leão, 22 Urso, 23 Chimpanzé, 24 Tigre, 25 Sagui, 26 Cabaias e Jabotis, 27 Araras, Tatú Peba, 28 Lagartos, 29 Galo de Serra, 30 Onças, 31 Onça Preta, 32 Leão, 33 Suçuarana, 34 Leopardo, 35 Lontra, 36 Ariranha, 37 Tamanduá, 38 Visão, 39 Jacaré, 40 Veado, 41 Caititu, 42 Queixada, 43 Javali, 44 Búfalo Africano, 45 Búfalo Asiático, 46 Anta, 47 Carneiros, 48 Dromedario, 49 Elefante, 50 Beja-flôr, 51 Girafa, 52 Dromedario, 53 Camelo, 54 Gibão, 55 Gibão, 56 Macaco aranha e Barrigudo, 57 Macaco prego, 58 Pernaltas, 59 Renas, 60 Antílope, 61 Veado asiático, 62 Veado nobre, 63 Capríolo?, 64 Cobras, 65 Hipopotmos, 66 Cisne prêto, 67 Cisne branco, 68 Pelicano, 69 Patos, 70 Gansos prêto, 71 Cisne pescoço prêto...

Nota: A partir de 31/05/1966 houve um concurso para quem pagasse em dia suas quotas mensais ou a quota integral do carnê Permanente Familiar Vitalícia, na “Campanha de Expansão do Zoológico”, cuja taxa de subscrição era de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros) e 18 prestações mensais de Cr$ 1.000 (hum mil cruzeiros), que deveriam ser pagas no escritório central (Rua São Bento, 59 – 3 andar – conj 3-B), na entrada do Parque Zoológico nos finais de semana, ou ainda nas agências de cinco estabelecimentos bancários. O prêmio maior foi um Aero-Willys 2.600 (novinho em fôlha), segundo o talão completo, de número 89059, que compreende a coleção Girafamania (encontrado na feira do Masp em 13/07/08).

No dia 12/11/2010 adquiri de João, por uma quantia irrisória, um histórico livreto intitulado “Lembrança do Parque Zoológico de São Paulo”, encadernado no sistema espiral, com capa e cantracapa (não conservadas), mais 18 páginas (bem conservadas, embora levemente curvadas), as quais são fotografias em branco e preto que retratam dezoito espécies de animais (aves, mamíferos e répteis) que o zoológico abrigou à época; provavelmente nos anos 60... A peça parece com miniaturas de cartões-postais e, infelizmente, não traz sequer o ano de impressão, quanto mais sua editora...

Na sequência das páginas podemos ver: lago dos cisnes, casa do elefante-asiático que provavelmente deve ser a fêmea “Mara”, três ariranhas, tamanduá-bandeira, três jacarés, ema, dromedário ao lado da casa do emu, dois búfalos com anomalia em seus chifres enormes, duas onças-pretas, duas zebras, tigre-de-bengala atrás da grade, lobo-guará na antiga jaula, urso em pequena jaula (quando eu era pequeno o urso já estava no fosso atual), dois leões, duas lhamas (próximo ao antigo restaurante que não existe mais), a girafa (foto abaixo; repare que a grade ainda era de madeira), dois camelos e, por último, o hipopótamo que provavelmente deve ser a fêmea “Teteia”...

Abaixo, cartão-postal da década de 70, Foto Zoo (Nº 2)... penso ser a girafa “Chico”... Outros cartões-postais dessa coleção: Nº 1 (elefante-asiático), Nº 3 (camelo), Nº 9 (zebra), Nº 11 (leão), Nº 17 (vista da ilha de macacos), Nº ? (veado)...

Notícia: “Desembarca hoje no porto de Santos o rinoceronte-branco “Toc Toc”, comprado a uma firma alemã por 12 mil dólares (cerca de Cr$ 72 mil cruzeiros). Ele será transportado imediatamente para o Zoológico da Água Funda, em São Paulo, mas só dentro de uma semana, depois de submetido a processo de adaptação, será mostrado ao público. Toc Toc tem 3 anos, 1,20 m de altura e pesa 800 quilos. Antes de embarcar, ficou de quarentena em um viveiro em Nápoles, onde foi comprado. No zoo ele ocupará uma área de 120 metros quadrados...” (Jornal O Globo, 14/10/1972).

Abaixo, cartão-postal com foto colorida e a inscrição no verso “Brasilcólor 72 – São Paulo – Jardim Zoológico, Zoological Garden”. Impresso por Gráfica Graúna Ltda. Representação: Brasilcólor. Na coleção há mais dois deste, um deles datado de 05/04/1979, o outro apenas com o ano grafado à mão 1979. Ambos da Brasilcólor (com endereços diferentes). Outros cartões-postais dessa coleção: Nº 70 (rinoceronte-branco), Nº 99 (leão)... Repare que a grade já é de ferro.

Na foto P&B (abaixo), a girafa Evelina com sua cria de um dia de vida, no Zoológico de São Paulo. Do outro lado da cerca, o pai da girafinha brinca com o filhote. Foto de Cícero de Oliveira Neto – Folha Imagem (26/10/1980).

Em 1980, nasceu um macho?, filho de Rebeca e Chico. Em 1981, haviam 4 girafas no Zoo de Sampa, 3 fêmeas e 1 macho. Uma delas iria para o Zoológico de Brasília, segundo o Dr. Paulo Maluf; entretanto acabou ficando somente nas histórias de jornais... Tenho uma foto numa reportagem sobre o zoo de Sampa mostrando, em 1981, uma fêmea adulta com um filhote novo. Não reparei se é a Evelina. Acho que é Rebeca... (Informações recebidas de Carlos em 02/11/06).

Em 10/06/1982, nasce Talita, filha de Rebeca e Chico, todos da subespécie masai (matéria abaixo).

11/06/1982 – Jornal O Globo, com foto. “Às 11h50 do feriado cheio de sol, sob os olhares de crianças, adultos e funcionários, nasceu ontem, o filhote fêmea da girafa Rebeca. Logo pela manhã, os tratadores do zoo perceberam que Rebeca estava agitada, andando muito pelo viveiro, sem querer comer. Eram os sinais de que o parto não iria demorar e Rebeca foi então separada dos outros 4 companheiros – o macho Chico, um filhote e outras duas fêmeas – e transferida para um viveiro ao lado. O parto não durou mais que uma hora. Segundo o veterinário José Daniel Fedulho, durante todo o tempo Rebeca manteve-se tranquila, mesmo quando as contrações aceleraram. Como ocorre normalmente, a girafa permaneceu em pé e primeiro apareceram as patas dianteiras do filhote, em seguida a cabeça e imediatamente houve, a expulsão total quando a girafinha levou um autêntico tombo, despencando de uma altura de pelo menos um metro. Ao cair no chão, a placenta se rompeu e Rebeca passou a lamber o filhote, aguardando que ele ficasse em pé. Houve expectativa: se o recém-nascido não conseguisse se levantar, é porque havia algo de anormal. Mas a nova girafinha não causou preocupações: levantou-se minutos após o nascimento, permanecendo trêmula encostada nas pernas da mãe, que continuou a lambê-la ainda por um longo tempo. A primeira tentativa de mamar deu-se uma hora depois do nascimento. Mas o filhote não chegou a se alimentar, pois percorreu o ventre da mãe com o focinho e não encontrou as mamas. O veterinário explicou que o filhote deverá mamar até os seis sete meses de idade, e que o desmame se dará aos poucos, paralelamente, ao início da alimentação de verduras, cevada, capim, cenoura picada e ração. Durante o nascimento, o público permaneceu em silêncio, vibrando quando a girafinha tocou o solo e começou a andar. A girafinha, provavelmente será batizada pelos visitantes.” (contribuição de Carlos em 02/11/06)

Em 13/04/1988, Talita, foi enviada temporariamente, com o propósito de ficar no Zoo do Rio por 2 anos e ver se engravidava...

Abaixo (do lado esquerdo da tela), cartão-postal “São Paulo Lazer”, com foto colorida de 5 girafas. Vinicio & Associados... Produzido pela Secretaria de Esporte e Turismo do Estado de São Paulo, Coordenadora de Turismo (talvez da década de 90)... Do lado direito, cartão-postal “Zoológico de São Paulo”, com 5 fotos coloridas (camelo, girafa, hipopótamo, macaco e tigre) e a inscrição no verso “Brasil Turístico 81 – São Paulo – Aspectos do Parque Zoológico, Fotos: Sergio O. Rehder”. Produzido por Brascard Edições de Postais Ltda. Outro cartão-postal da Brascard: Nº 82 (também com 5 fotos: elefante-africano, onça-pintada, orangotango, tamanduá-bandeira e zebra).

Nota: Outros cartões-postais da coleção Girafamania: cartão-postal com zebra Jardim Zoológico – Foto Impress; cartão-postal com 4 fotos coloridas (lago principal com ilha dos macacos, chimpanzés, lhamas e girafas) – Edicard Editôra [sic] Cultural Ltda. (500-V-07), circulado para Porto Alegre em 29/10/1986.

volta ao topo

05/06/2001 – O Zoológico de São Paulo passa a administrar o Simba Safári, rebatizado de Zoo Safári...

04/09/2001 – Nasceu às 8h, com 60 quilos e 1 metro e meio de altura, cria do casal de girafas Clotilde e Geraldinho. Demorou mais de uma hora para se erguer. Logo após o nascimento, a mãe foi afastada do filhote porque poderia ter uma reação agressiva. Em seguida, o animal foi aquecido e envolto com um cobertor para ativar a sua circulação. Passado o susto, Clotilde amamentou a nova filha. Depois de 4 meses entra na dieta das espécies adultas: ração, capim, abóbora e frutas da época. Até novembro de 2002, outra girafa vai ter um filhote. E o pai também é Geraldinho...

15/10/2001 – No parque há uma tabela de locação de espaços no zoo, mas se você tem um projeto e quer uma parceria, sugiro que você faça uma solicitação oficial para o Diretor Presidente Dr. Paulo Magalhães Bressan. Fátima Valente – bióloga da Divisão de Ensino e Divulgação (ensino@zoologico.com.br).


18/09/2002 – Zoo SP monta esquema especial para transferir girafas para Americana
Milena Buosi / Lívia Marra, da Folha Online

Para tentar garantir a segurança e conforto de duas girafas, o Zoológico de São Paulo montou um esquema especial de transporte para o próximo sábado, quando mãe e filha serão levadas para o Zoológico de Americana (128 km a noroeste de SP). Elas serão transportadas em um contêiner, colocado sobre um caminhão-prancha. O contêiner é revestido com colchões e tem uma grossa camada de feno, para que as girafas não escorreguem. O local é dividido por uma grade, para que a mãe não “pise” na filha.

A operação mobilizará um biólogo, um veterinário, tratadores, marceneiros e serralheiros do zoológico, além de funcionários da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e da concessionária AutoBan, que administra a rodovia dos Bandeirantes, por onde elas passarão. Estima-se que o caminhão onde estarão os animais trafegue a 30 km/h no sábado. A previsão é de que as girafas saiam por volta das 20h de sábado do zoológico e cheguem em Americana somente na manhã de domingo.

O transporte, segundo a bióloga Kátia Cassaro, do setor de mamíferos do zoo, é especial por causa da altura dos animais. A mãe, Clotilde, tem 4,5 metros de altura, e a filha, sem nome ainda (que nasceu em 04/09/2001), tem cerca de 2 metros. “É um transporte de altíssimo risco. Não é comum o transporte de girafas adultas por causa da altura. Além disso, ela pode ficar estressada”, disse a bióloga.

Segundo Kátia, o intercâmbio de animais entre zoológicos é comum. “Precisamos trazer novos animais e, para isso, alguns precisam sair daqui”, disse. “Aqui, as seis girafas do zoológico são aparentadas. Precisamos mudar, para não dar problemas consanguíneos.”

Clotilde, 22, nasceu em São Paulo. Sua filha comemorou o 1º aniversário este mês. O tempo médio de vida de uma girafa é de 28 anos. Ela é herbívora e se alimenta, basicamente, de capim e ração. Durante a viagem, mãe e filha não serão alimentadas. O transporte foi planejado há dois meses. Desde então, elas passam parte do dia dentro do contêiner.

Segundo o Zoológico, elas estão prontas para a viagem. Passaram a se alimentar dentro do contêiner e agem como se fosse parte do recinto. “Há dois meses elas estão se habituando com o local”, disse Kátia, que acompanhou, há cerca de cinco anos, o transporte de duas girafas jovens para o Rio de Janeiro e Buenos Aires. Para o Rio, uma delas foi de caminhão. A outra foi transportada até o porto de Santos, onde partiu de navio para a Argentina.

“Espero que esse transporte seja tranquilo como os das outras duas”, disse. “Apesar de todos os cuidados, não sabemos qual será a reação delas. Isso é impossível prever.”
volta ao topo


21/09/2002 – A girafa Clotilde que deveria ter sido transferida, recusou-se a entrar no contêiner preparado para viagem e enfrentar mais de 120 quilômetros de estrada até Americana. Segundo a chefe do do Departamento de Mamíferos do Zoológico de São Paulo, a bióloga Kátia Cassaro, durante a adaptação ao contêiner, a girafa ficou apreensiva, nervosa e não quis entrar no local. “Não insistimos por acreditarmos que estaríamos prejudicando o animal”, disse Kátia. Ela explica que para não contrariar a vontade do animal, enviamos em seu lugar, um animal bem mais jovem e de comportamento menos arredio, a jovem Sapeca (4 anos), medindo 4 metros e pesando 700 quilos. Além de Sapeca, seguiu viagem a filhote de Clotilde que tem um aninho, tem mais ou menos 2 metros de altura e pesa 150 quilos, cujo nome será escolhido em concurso, no Zoo de Americana. Ainda de acordo com a chefe dos mamíferos, existe a possibilidade da viagem, marcada para hoje, às 20h, ser cancelada em decorrência das chuvas.

15/12/2003 – O programa da Luisa Mell me levou ao Zoo de Sampa... Naquela oportunidade, alimentei o macho vindo do Zoo de Brasília...

Em 24/01/2004, deu início uma tragédia no zoológico... parece-me que morreram 73 animais ao todo... as mortes ocorridas no Zoológico de São Paulo aconteceram entre 24 de janeiro a 15 de março de 2004, onde levantou-se a suspeita de intoxicação criminosa...

Nota: Entre 2001 e 2004, isto é, desde que o zoo de Sampa passou a administrar o Simba (mesma época que comecei no projeto dos selos postais sobre os zoos brasileiros) até quando aconteceu a tragédia de tantas mortes no zoo de Sampa, eu fiquei tão chateado que simplesmente abandonei tudo... Acho que foi o único ano que não visitei o zoo.. Eu que visitei sempre enquanto adolescente, sobretudo. Só voltei em abril de 2005.

No dia 19/10/2004 foi firmada a parceria entre a Fundação Parque Zoológico de São Paulo e a SPAL Indústria Brasileira de Bebidas S.A. (Coca Cola Femsa).

17/02/2005 (Folha Online) – Seis animais morrem no zoo entre dezembro de 2004 e janeiro deste ano. Entre eles estão o gorila Virgulino e a girafa Clotilde, animais representativos para o parque. O zoo afirma que as mortes tiveram causas naturais, comprovadas por exames. No ano passado, 73 animais morreram envenenados no parque. De acordo com o zoo, o gorila sofreu um ataque cardíaco e a girafa Clotilde morreu após uma queda e trauma, “não se levantando mais”. Os outros animais mortos são o urso Soraia (que apresentou quadro de torção gástrica), uma onça parda, um guepardo e uma girafa fêmea jovem. “O zoo mantém uma população de mais de 3.500 animais. Nascimentos e mortes de animais fazem parte da rotina de todos os zoológicos”, diz nota emitida pela Divisão de Ensino e Divulgação do parque. “O Zoológico de São Paulo enfatiza que desde de março de 2004 não registrou mortes por envenenamento, sendo os óbitos aqui mencionados, decorrentes de causas naturais comprovados pelos exames efetuados.”

21/04/2005 – Passeio no Zoológico de Sampa, com as amigas Maria Aparecida e Miriam...

XXXI Congresso da Sociedade de Zoológicos do Brasil, de 27/05 a 01/06/2007

07/03/2008 – CET monitora o transporte de carga superdimensionada (para levar a girafa Zagalo)

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) monitora o trânsito para o transporte de carga superdimensionada, da Avenida Miguel Estefano até a Rodovia BR 116, das 22h00 de sábado (08/03) às 6h00 de domingo (09/03). O acompanhamento é necessário, pois o veículo que transporta uma girafa têm 3,20 metros de largura, 18 metros de comprimento, 5,70 metros de altura e 14 toneladas de peso. O itinerário do trecho de acompanhamento da CET será: Avenida Miguel Stefano, rua Yoshio Takata, avenida Professor Abraão de Moraes, rua Pedroso Lousano, complexo Viário Maria Maluf, avenida Presidente Tancredo Neves, avenida Malvina Ferrara Samarone, complexo Viário Escola de Engenharia Mackenzie, rua Cipriano Siqueira, rua das Juntas Provisória, acesso ao Viaduto Grande São Paulo, avenida Luiz Inácio de Anhaia Mello, acesso para avenida Salim Farah Maluf, avenida Salim Farah Maluf, após viaduto Pires do Rio acesso à pista local da avenida Salim Farah Maluf, avenida Salim Farah Maluf, pista local, avenidas Condessa Elizabeth Rubiano, Helly Lopes Meirelles, Airton Petrini, sentido Aricanduva, Airton Petrini, sentido Marginal, e Educador Paulo Freire, acesso a Rodovia Presidente Dutra. Término do trecho: Rodovia BR 116 (Presidente Dutra). A Engenharia de Campo da CET acompanhará a travessia da carreta, monitorando o trânsito por meio da montagem de canalizações, bloqueios e desvios momentâneos, na medida em que os transformadores percorrerem os itinerários. Para mais informações sobre o trânsito, ligue 156, disponível 24 horas no município de São Paulo.

15/03/2009 – Visita agendada para o autógrafo, no dia anterior ao aniversário do zoo que, às 11 horas, teve em comemoração a apresentação de Teatro Infantil – uma graça... Como faziam anos que eu não visitava o zoo, pude notar várias mudanças: já à entrada, os camelôs que abarrotavam o lugar não existem mais; o zoo estava mais verde e limpo; todas as placas informativas foram mudadas; a loja principal do zoo foi reformada... O casal de rinos foi transferido para a antiga casa dos elefantes; a casa do chimpanzé foi totalmente modificada e ficou linda, ao lado uma nova casa apresenta o orangotango; aquela quase emblemática casa do galo-da-serra (localizada próximo ao portão de entrada) foi totalmente destruída, infelizmente, e o local estava em reforma...

24/04/2009 – O programa Globo Repórter da TV Globo foi inteiramente dedicado ao zoo! “A Cidade dos Bichos” foi apresentada por Sérgio Chapelin e teve como repórteres: Isabela Assumpção e José Raimundo que mostraram um lado do zoo desconhecido ao público... O leão “Barroso” em sua checagem anual ao veterinário. O casal de ararinha-azul que em outubro de 2000 o Ibama decretou a extinção. O gavião-de-penacho, outra espécie ameaçada, que no zoo não consegue cuidar de seus ovos, pois sempre os quebra. Animais taxidermizados que estão expostos em uma área especial, na qual apenas crianças especiais, deficientes visuais ou físicos podem visitar. A fábrica de ração, dentro do próprio zoo, que recebe material vindo da fazenda. São 6.500 animais que consomem 4 toneladas por dia de alimentos. A cozinha sob o comando de um nutricionista. O leopardo-da-neve que tem grande tendência a engordar; aliás, todos os felinos fazem dieta uma vez por semana. O mais velho chimpanzé “Chico” que se alimenta antes do que suas 7 fêmeas e de seu pequeno filhote “Pepe”. O pessoal responsável por atividades físicas dos animais; com cenas de leões saltando para apanhar objetos lúdicos. Os repórteres mostraram um pouco sobre a visitação noturna ao Zoológico. Ainda, sob a observação de biólogos, ambos realizaram uma visita-piloto ao ZooSafári, para que o projeto de passeio exclusivo, monitorado com no máximo de 20 pessoas, seja feito à pé pelos visitantes num futuro próximo...

CINQUENTENÁRIO DO ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO

Notícias (Carlos): Vi o último “Castelo Ra-Tim-Bum” da TV Brasil. Passou domingo, dia 17/01/2010. O grupo foi passear no Zoo de Sampa e lá no ambiente das girafas haviam 3 adultos e 2 filhotes já grandes. Como material filmado para vc deve ser legal e essa história deve ter rolado pelos anos 90 no máximo, seria legal conseguí-lo...

O XVII Congresso da Sociedade Paulista de Zoológicos ocorreu no zoo, de 20 a 24/08/2010. Abaixo, capa do livreto Guia do Visitante, com três páginas e informações bilíngues (inglês/português), cuja edição foi feita em setembro de 2010.

Nascimento no Zoo! Dia 07/10/2010 nasceu o primeiro filhote das girafas Cristal e Palito. Safira veio ao mundo nas primeiras horas da manhã (por volta das 6h). Muito saudável, a girafinha de 1,75 m de altura (50 kg) demonstrou ser desinibida, ficando bastante a vontade em seu recinto. Para escolher seu nome, os visitantes do Zoológico e internautas foram convidados a votar, escolhendo entre as opções: Ágata, Rubi, Tina e Safira. Fonte: Informativo da FPZSP, Ano 2 – Número 11 – Novembro-Dezembro/2010.

Nota: Matéria publicada no Eptv.globo.com, incluindo a foto do lado esquerdo da tela, em 15/10/2010. Quatro dias depois a notícia foi veiculada com a mesma foto e a legenda: “Girafinha é afagada pela mãe” (Do G1 SP, 19/10/2010). A foto do lado direito da tela foi publicada na Época São Paulo (revistaepocasp.globo.com) e no Informativo FPZSP.

Fotos Divulgação: Carlos Nader / Zoo de São Paulo.

Nova visita da cegonha – Nasce mais uma girafinha! O Zoológico de São Paulo já tem tradição na reprodução de girafas. Prova disso são os 23 animais nascidos na Fundação, o último deles na madrugada do dia 04/02/2011. Primeiro filhote do casal Palito e Mel, o jovem machinho nasceu forte, medindo mais de 2 metros de altura. O parto mobilizou a equipe técnica do Zoo, que após o expediente precisou voltar às pressas para acompanhar o nascimento, iniciado às 23 horas da noite anterior. Seus pais, assim como a fêmea Cristal que também teve seu primeiro filhote com Palito em outubro do ano passado, vieram ainda jovens da África do Sul em 2007 e atualmente convivem com Sapeca, uma das girafas nascidas na Fundação, em 1998. Fonte: Informativo da FPZSP, Ano 3 – Número 12 – Janeiro-Fevereiro/2011.

04/02/2011 – Na madrugada de 4 de fevereiro nasceu uma girafa macho, primogênito do casal Palito e Mel. A votação será encerrada em 13 de março e a revelação do nome escolhido acontecerá na data do aniversário do Zoo, 16 de março. As opções de nomes são: Rafiki (amigo), Baakir (primogênito), Chikosi (pescoço), Jamal (elegante), Zaki (virtuoso) ou Melman (nome da girafa do filme Madagascar, da Disney). Escolha sua opção votando pelo sítio do Zoológico ou concorra a um prêmio surpresa preenchendo a cédula (disponibilizada de terças a sábados no Parque) e depositando na urna em frente ao recinto das girafas. Fonte: Sítio da FPZSP.

Fotos Divulgação: Agência Estado e André Lessa / AE.

A foto abaixo foi tirada em 08/03/2011, by Sérgio Sakall, e mostra as 6 girafas do zoo: Sapeca (a girafa mais velha), Palito (único que tem algumas manchas escuras nos ombros; pai dos 2 filhotes), Mel (ao lado da casa; mãe de Jamal) e Cristal (ao fundo; mãe de Safira) que tem uma marca (de identificação) na parte inferior de sua orelha esquerda...

16/03/2011 – Foi anunciado, na tarde desta quarta-feira, o nome escolhido para o filhote de girafa. Após um mês de votação em um concurso, internautas e frequentadores do parque preferiram Jamal. Nome escolhido recebeu mais de 47 mil votos; no total foram 155 mil. Em segundo lugar ficou Melmam (com 31 mil votos); Rafiki ficou na terceira posição. O anúncio do nome vencedor foi feito antes de uma sessão especial realizada no parque em comemoração do aniversário de 53 anos do zoológico.

21/08/2013 (saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=231834) – Girafales foi o nome escolhido pela maioria dos internautas que votaram para batizar o filhote de girafa que nasceu dia 7 de julho no Zoo de São Paulo. Com 7.066 votos, Girafales teve 26% da preferência, seguido de perto por Pirulito, com 23%, e Rafik, com 10%.

05/07/2014 – Após muito tempo, visitamos o zoo para levar pela 1ª vez Enzo ver os animais ao vivo...

volta ao topo

Registros:

  1. Chico (macho)
  2. Rebeca (fêmea)
  3. ? (macho) – nasceu em 1980, filho de Rebeca e Chico.
  4. Evelina (fêmea) – nasceu em 197...?
  5. Geraldinho (macho) – nasceu em 198...? Nota: Este nome foi inspirado no personagem da Folhinha criado nas tiras do cartunista Glauco.
  6. Clotilde (fêmea de 4,3m) – nasceu no próprio zoo em 10/1980. Teve 5 filhotes. Morreu em 01/2005. (na página 56 do livro do zoo tem três fotos do arquivo da FPZSP que os visitantes puderam presenciar num fato raro: o nascimento de uma girafa)
  7. ? (macho) – nasceu em 25/10/1980. Filho de Evelina (foto P&B, acima)...
  8. Talita (fêmea) – nasceu em 10/06/1982. Filha de Rebeca e Chico. Foi para o Rio em 1988.
  9. Pacheco (macho) – animal do Zoológico de São Paulo sob número de cadastro 13.820, foi para Curitiba em 16/11/1983.
  10. Tom (macho) – nasceu em ? Foi para o Zoo Rio em 1994.
  11. ? (macho) – nasceu em? Foi para o Zoo Beto Carrero em 1999. Morreu em 2000...
  12. Gifo (macho) – nasceu em 1997 e foi para o Simba Safári em?... Morreu em 01/2010.
  13. Sapeca (fêmea) – nasceu em 26/11/1998. Foi emprestada para Americana em 09/2002 e, lá, trocou seu nome para Carícia. Ela voltou para o Zoológico de São Paulo em 17/09/2006, após sete horas de viagem sobre a carroceria de um caminhão. Sapeca foi devolvida para a capital para acasalar com o macho do zoológico, Zagalo, que estava sozinho desde o final do ano passado, com a morte das duas fêmeas...
  14. Sabrina (fêmea) – nasceu em 04/09/2001. Filha de Clotilde e Geraldinho. Foi para Americana em 09/2002.
  15. Catarina (fêmea) – nasceu em 11/2002. Filha de Evelina e Geraldinho...
  16. Giba/Zagalo (macho) – Veja sua história!
  17. Mel, Cristal e Palito (duas fêmeas e um macho que vieram da África do Sul em outubro de 2007 e tiveram seus nomes definidos em concurso). Nota: Cristal morreu em 05/07/2011. Segundo a divisão de veterinária do zoológico, o animal recebeu tratamento para uma suspeita de timpanismo (distúrbio comum em ruminantes) no final de abril e apresentava “comportamento normal”. Porém, a girafa foi encontrada caída por volta das 7h30 do dia 5 de julho, recebeu atendimento, mas morreu em seguida.
  18. Safira (fêmea; nome definido em concurso) – nasceu em 07/10/2010. Primeiro filhote de Cristal e Palito, portanto da subespécie girafa-austral.
  19. Jamal (macho; nome definido em concurso) – nasceu em 04/02/2011. Primeiro filhote de Mel e Palito, portanto da subespécie girafa-austral. Morreu antes de completar 1 ano, em 30/12/2011 de causa não divulgada...
  20. Girafales (macho; nome definido em concurso) – nasceu em 07/07/2013. Segundo filhote de Mel e Palito, portanto da subespécie girafa-austral.

Atualmente (07/2014) são 5 girafas: Sapeca (fêmea mais velha do grupo), Mel (fêmea), Palito (macho) e Safira (fêmea) e Girafales (macho).

Entrada principal !
Última atualização: 02/10/2014.
volta ao topo

ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO ZOOLÓGICOS DO BRASIL
PARQUE ZOOBOTÂNICO EMÍLIO GOELDI