This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

“Jogo do Bicho”

Bichos da Loteca em calendário de bolso: “Confie na sua sorte comprove apostando”...

Número do Bicho – Nome do Bicho
Números na Centena

01 – AVESTRUZ
01, 02, 03, 04
02 – ÁGUIA
05, 06, 07, 08
03 – BURRO
09, 10, 11, 12
04 – BORBOLETA
13, 14, 15, 16
05 – CACHORRO
17, 18, 19, 20
06 – CABRA
21, 22, 23, 24
07 – CARNEIRO
25, 26, 27, 28
08 – CAMELO
29, 30, 31, 32
09 – COBRA
33, 34, 35, 36
10 – COELHO
37, 38, 39, 40
11 – CAVALO
41, 42, 43, 44
12 – ELEFANTE
45, 46, 47, 48
13 – GALO
49, 50, 51, 52
14 – GATO
53, 54, 55, 56
15 – JACARÉ
57, 58, 59, 60
16 – LEÃO
61, 62, 63, 64
17 – MACACO
65, 66, 67, 68
18 – PORCO
69, 70, 71, 72
19 – PAVÃO
73, 74, 75, 76
20 – PERU
77, 78, 79, 80
21 – TOURO
81, 82, 83, 84
22 – TIGRE
85, 86, 87, 88
23 – URSO
89, 90, 91, 92
24 – VEADO
veado 93, 94, 95, 96
25 – VACA
97, 98, 99, 00
volta ao topo

Carlos Alberto Meda – 12/03/1949 (carlosmeda@ig.com.br)

Agradeço ao amigo e escritor Carlos Alberto Meda que já contribuiu muito com informações a respeito dos zoológicos brasileiros, sobretudo nas histórias “girafídeas” do Zoológico do Rio de Janeiro.

O lançamento do livro de Carlos Alberto Meda, “Crônicas de Madureira: das fazendas de café ao berço do samba”, ocorreu no espaço cultural Café & Algo Mais (www.facebook.com/CafeeAlgoMais), em 12 de abril de 2014, mediado por Monica de Castro, na Livraria Edital (www.livrariaedital.com.br), Travessa Luis José Tinoco, nº 20 – loja 5, Campo Grande – Rio de Janeiro (RJ).

“Crônicas de Madureira” vem preencher uma enorme lacuna para um subúrbio que se desenvolveu na obscuridade histórica, registrando o feito de seus ilustres representantes que sequer foram mencionados antes ou tiveram destaque na memória dos fatos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, entusiasticamente. A relação entre Madureira e Campinho estiveram estreitamente ligadas no início, já que o bairro começou seu desenvolvimento a partir de uma sesmaria doada a Dona Maria de Oliveira, que muito contribuiu para dividir o lucro dessas terras com a Coroa Portuguesa.

Sua fazenda prosperou com a cana-de-açúcar e toda essa imensidão, que passou por vários proprietários, assim permaneceu até a libertação de sua mão de obra escrava em 1889, na administração de Dona Clara Simões. A Estrada Real de Santa Cruz cortava essas terras, que assistiu a passagem de centenas de viajantes que por aqui seguiram seus destinos, em um tempo onde só haviam muares, carroças e carruagens.

Imperadores usaram a Fazenda Realenga do Campinho para descanso, prosa, pernoites e trocas de seus cavalos e mulas. Tudo isso é narrado nesse livro de forma leve e descompromissada com o esmero histórico, na intenção tão somente de inserir as terras de Madureira e seus personagens num contexto apropriado. O Forte do Campinho, o Laboratório Imperial, a Parada do Cunha, a Estação Dona Clara, tudo tem espaço nesse pequeno livro.

As terras foram desmembradas e o comércio logo chegou. A parada do Cunha se elevou a Estação de Madureira e os agricultores se aproveitaram dessa ferramenta importante para impulsionar a criação de um grande Mercado. Logo, muitos comerciantes portugueses e de outras nacionalidades se estabeleceram. Criaram Associações, Agremiações, inclusive de lazer e esportivas, Escolas de Samba, coretos de carnaval e até Cinemas e Teatro.

O livro abrange de tudo um pouco. Trata das diversas personalidades com o respeito que elas mereceram em sua luta em prol da melhoria do bairro. Diversas imagens foram incluídas na obra e até um álbum de família pessoal figuram nesse trabalho. As “Crônicas de Madureira” são a vida e a existência e pessoas, assim como seus elementos constitutivos da grandiosidade desse subúrbio, cantado em verso e prosa, também nos carnavais da cidade do Rio de Janeiro, abrilhantando com sua magia a Marquês de Sapucaí, como se gritassem: – “Estamos aqui e somos parte dessa Cidade Maravilhosa!”.

Título: “Crônicas de Madureira: das fazendas de café ao berço do samba”
Autor: Carlos Alberto Meda (www.facebook.com/carlosalberto.meda)
ISBN: 978-85-662-2816-8 | Código de Barras: 9 788566 228168
Idioma: Português | Assunto: História, Crônicas | Edição: 1ª | Ano: 2014
Editora: Livraria Edital (www.livrariaedital.com.br) | Valor estimado: R$ 40,00 reais
Blog oficial da Livraria e Editora Edital (http://livrariaedital.blogspot.com.br)
Acabamento / Encadernação: Brochura | Formato Médio: 16 × 23 | Número de páginas: 145

Sinopse: Com um estilo leve, daí o título “Crônicas de Madureira”, Meda nos leva ao passado de uma região que, como tantas outras do que seria o subúrbio carioca, viveu entre disputas de terras que muitas vezes terminaram em violência, região esta atravessada pela Estrada Real de Santa Cruz, que ia do Palácio da atual Quinta da Boa Vista até a Fazenda dos Jesuítas, em Santa Cruz, que mais tarde seria Real e Imperial.

Formato: eBook Kindle (www.amazon.com.br)
Tamanho do arquivo: 14.130 KB
Número de páginas: 158 páginas
Uso simultâneo de dispositivos: Ilimitado
Editora: Edital | Edição: 1ª (9 de fevereiro de 2014)
Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda.
ASIN: B00ICUHULC

volta ao topo

Contatos, trocas e presentes em ordem cronológica crescente:

07/08/2006: Além de querer compactuar dessa enorme novidade na minha vida, pensei ser o único doido por girafas (meu sonho era morar no interior e ter a maior coleção de girafas vivas fora da África, de pelo menos 3 subespécies: peralta, masai e reticulata), e embora seja internauta a mais de 10 anos jamais me passou pela cabeça haver algo do tipo girafamania... Tenho algum material do Zoo do Rio falando de algumas girafas que lá habitaram de 72 a 87, com o primeiro nascimento em cativeiro no Brasil... alguns fatos para acrescentar ao seu arquivo e atualizá-lo também. Não sabia existir pessoas com essa disposição e tanta identificação. Parabéns pela ideia.

28/08/2006: Soube que Michael Jackson vai ter que se desfazer das 4 girafas que possui em seu JacksonWorld particular. Acredito que o valor comercial possa ser realmente esse: R$ 30.000,00...

30/10/2006: Estive pensando nessa possibilidade de realmente movimentar algumas coisas no sentido de se ter um plantel de girafas como elementos de preservação e ao mesmo tempo observação das pessoas, isto é, pessoal que as admirasse e as quisesse conhecer melhor. perguntas:
1 – como se conseguir uma área doada pelo governo, tipo 10 alqueires, para se ter um plantel de girafas?
2 – onde seria ou deveria ser esse lugar?
3 – ele primeiro deveria ser preparado para receber mais tarde as girafas, concorda? tipo plantar primeiro as árvores de acácias, um belo lago raso e um pasto com grama grossa.
4 – que tipo de animais poderiam estar perto para que ela se sentisse mais a vontade? zebras, gnus? e aquele carrapateiro, deveria vir?
5 – quem seriam as empresas que acha que poderíamos contar?
6 – o que pediriam em troca, faz ideia?
7 – e os recintos para exames e para os doentes, como seria?
8 – como seria o local onde as pessoas trabalham? e o que precisaríamos?
9 – que espécies viriam?
10 – de onde? que tipos de doenças enfrentaríamos?
11 – e o cheiro delas, já ouviu falar?
12 – a quem teríamos que pedir permissão?
13 – a quem estaríamos subordinados?
14 – quem nos daria permissão para importar?
15 – e a quarentena?
16 – como manteríamos essa criação?
17 – como calcularíamos o limite de exemplares que poderiam circular nesse espaço?
18 – acha que os rinos seriam fáceis de manejar com elas?
19 – a manutenção das pessoas como conseguiríamos? e a transformação numa ONG, acha inviável?
20 – Será que algum zoo do Brasil disporia de alguma coisa?
21 – haveria como nos integrarmos aos organismos internacionais nesse sentido? como?

30/10/2006: Do Drumond canso de ouvir falar da história mas acho que ele se antecipou um pouco achando que havia uma fêmea lá esperando por ele. A confusão começa com Dr. Maluf, que havia se comprometido a enviar uma das fêmeas para Brasília. Em 1981, Sampa tinha 3 fêmeas adultas, prontinhas para casar. Mas junto, a pressão de que o Rio dispusesse de um dos machos do Zoo, que eram 3, Chico, Raio de Luz e Gastão, que ao final, sozinho também, recebe Talita, vinda de Sampa. Só que Raio de Luz sai do Rio e a fêmea de Sampa não. E daí, pelo mal entendido, ele acaba ficando lá, porque é um desgaste levar e trazer uma girafa, daqui pra lá e de lá pra cá, e até onde se sabe acabou sozinho mesmo. Acho que ele não sobrevive a essa Raio de Sol, que deve ter sido encomendada para ele, mas que não deve ter dado para que tivessem deixado prole. Acredito até que em algum momento devem ter ficado juntos. Se ela chegou lá em 1982 é porque conviveram mesmo, porque até onde se imagina Raio de Luz não morreu logo em seguida.

08/11/2006: Ficaram ótimos os encaixes nos tópicos dos zoos, lógico que ainda faltam coisas do tipo Inocêncio já estava no Zoo em 1951, depois veio a tal fêmea que não puseram nome. Sua solidão incomodou à população. Que movimentou bastante a opinião pública da época. Há um comentário datado de junho de 1960 da turma da Miguel Lemos (Copacabana) falando que precisavam dar um namorado para a fêmea que existia no Zoo, só que rolava exatamente o contrário. Era Inocêncio que continuava sozinho. Às vezes temos que ter cuidado com comentários de jornalistas mal informados, porque senão surgem os truncados tipo dessa jornalista que inclue uma Raio de Luz na história. Ainda estou investigando...

09/11/2006: No zoo de BH, que não conheço, acho ser um dos mais promissores desse país. Tenho uma foto de um faisão de Palawan (1972), lindo, que viveu mais dois anos, até 1974, ou seja 20 anos enjaulado. Não conseguia ter fêmeas e no zoo, só se dava bem com as garnisés. Chegou em 1954. Hoje é difícil se ter um faisão desses em Zoológicos. Ele é raro... O do Rio me escreveu, mas disse que precisará do ok do Diretor para me dar alguma notícia. O de Curitiba mandou respostas breves sem dizer nada e o de Sapucaia falou o trivial: “temos 3 girafas, 2 macacos e todos comem bananas”, nada que pudesse acrescentar, entende?

16/11/2006: O radialista, Luiz Carlos Saroldi, nasceu no Rio de Janeiro em 15/09/1931, no bairro de São Cristóvão. Ainda na infância se interessou por literatura e tornou-se entusiasmado ouvinte de rádio, numa época em que esse veículo começava a se expandir no Brasil... Nos inícios dos anos 60, Reinaldo Jardim criou na Rádio JB AM o programa “Música também é notícia”, com dez edições diárias... Naquele tempo, era produtor do Jornal do Brasil AM o Maestro Edino Krieger. Os dois (Maestro e Saroldi) combinaram de fazer juntos uma ópera infantil, que acabou se tornando o musical “Uma Girafa para Inocêncio”, encenado no Teatro de Arena da Faculdade Nacional de Arquitetura, na Praia Vermelha (atual UFRJ). Os ensaios aconteceram no auditório do Jornal do Brasil, instalado na época na avenida Rio Branco. Pouco depois, a peça foi encenada por um grupo pernambucano, que chegou a ser premiado e foi convidado pelo jornal Folha de São Paulo a montar a peça na capital paulista. A Rádio Jornal do Brasil era, então, a quarta rádio mais ouvida no Rio de Janeiro... Portanto, Inocêncio foi cantado, em verso e prosa... e foi a grande estrela do Zoo do Distrito Federal. A revista “O Cruzeiro”, do final dos anos 50 ou começo dos anos 60, deve ter material a respeito...

Selo emitido em 1975 sobre o Centenário do Jornal O Estado de São Paulo...

21/11/2006: Vc se lembra de um brinquedo da década de 60, que era um caminhão transporte, que levava duas girafas? ele era todo colorido e as girafas uma era maior que a outra? lembro desse brinquedo na Rua da Carioca nº 15, uma loja chamada Bazar Francês e que tinha brinquedos do mundo inteiro. Haviam uns brinquedos de lata também e havia um com uma linda girafa, que acho mexia as patas.

Te falei sobre a popularidade do Paulinho, nascido em Sorocaba, o chimpanzé, com 20 anos e Tanguinha, a orango mais famosa do zoo do Rio, e sua filha adulta, que não têm macho da espécie. O de Sapucaia foi lacônico e parou de responder. Não me disseram nada sobre o Tancredo e para onde ele foi. O de Curitiba não sabe quem é Beija Céu e muito menos qual o nome da girafa que foi para Uberaba. O do Rio não sabe nada sobre Tom, Gastão, Beija Céu, etc.

Estou lisonjeado por incluir meu nome no teu site e o que desejo é colaborar contigo nisso. A reclamação é por achar que não me respondeu alguma coisa, ou por uma ansiedade em receber respostas tuas. Não briga comigo não. Sou teu amigo mesmo! Em agosto de 1964, já vivia as agonias dessa vida com 15 anos, principalmente no meu bairro, de ver as estações de trens toda cercada por arame farpado e termos de esbarrar os dias inteiros com canhões, militares circulando pelas ruas, toque de recolher, e fome. Tinhamos de ir buscar feijão, arroz, açúcar, etc longe, porque faltava tudo por aqui nessa época, passávamos madrugadas nas filas para conseguir comida. Não sei as outras regiões do Brasil porque não tinha ainda essa noção de globalidade que hoje tenho. Mas, mesmo assim, uma época gostosa, de rock, de Beatles, dos bailinhos, da calça Lee e camisa xadrês e da ingenuidade no coração...

24/05/2008: Ainda tô te devendo a reportagem das girafas que chegaram juntas para o Gastão... “A vida é bela e a girafa amarela”, Carlos-peralta, Carlos Alberto Rotschildi ou Carlos Peralta Rotschildi Meda! Abraços e inté, “Reticulado” porque é o mais alto, o mais vermelho e gosto mais...

Tinha separado duas historinhas do meu tempo de garoto (10 anos) com girafas, uma sobre “Porque o pescoço da girafa é grande” e o outro sobre a girafinha Gigi, uma girafinha boazinha que salva a vida de um elefante. Gibizinho de mais de 50 anos. Enfim, estaremos juntos então no 19 e poderemos ver a girafona de Itatiba.

14/09/2009: Obrigado pelas fotos mesmo. Não esperava ver tantas fotos daquele dia. Ficaram muito boas e não sabia que havaim tantas fotos onde eu aparecesse. Fiquei contente de vocês estarem nas fotos e curti muito as imagens das girafas. Lindas, sairam mais bonitas e dá para perceber melhor o desenho das suas manchas. Ficou faltando o material do zoo do Rio que vc disse que faria xerox. Foi um dia corrido aquele mas muito bom e deixou saudade... Fiquei chateado de não ter bancado o chato e pedido uma pena de gavião ao dono do Zoo como souvenir...

05/02/2010: uma pequena bomba pra vc. finalmente podemos chegar a conclusão que: quando o novo zoo abriu em 45 também não chegaram girafas, isso porque depois de muito garimpar, descobri uma notícia que confirma nossa expectativa, ou seja, “O Jornal”, ano XXIX, numero 8191, de 11/01/1947 fala assim: “O zoólogo do Jardim Zoológico, José Candido de Carvalho anuncia a chegada em breve de girafas, zebras e outros animais da África.” Não é fantástico? querido amigo, elas chegaram em 47 mesmo, resta agora garimpar os jornais desse ano para descobrir a data exata. Estou contente com isso. Nossa história remendada está ficando completa finalmente...

O entomólogo (zoologista especializado em entomologia) José Cândido de Mello Carvalho (MG, 11/06/1914-22/10/1994) foi um grande especialista em hemípteros (insetos com asas ou barbatanas) e mirídeos (hemípteros sugadores de seiva, como percevejos e pragas do cacau e do café)... Descreveu 267 gêneros e 1.319 espécies de insetos. Seu Catálogo de Mirídeos do Mundo descreve 90% das espécies americanas e 10% das espécies mundiais. Carvalho renovou o Museu Paraense Emílio Goeldi (1955) e o Museu Nacional, no Rio (1958)... Em 1946 ingressara no Museu Nacional, indo preencher as grandes lacunas ali existentes em face da obrigatoriedade da desacumulação... Renovou e reabriu ao público o Museu Paraense Emílio Goeldi (1954/53) e o Museu Nacional (de 1955 até 1961)... His abilities both in science and in the field of politics helped Brazil to develop and maintain a high level of systematic biology. Carvalho published more than 500 papers on the taxonomy of the Miridae, as well as studies of other insect groups. Between 1957 and 1960 his catalog of the Miridae of the world was published by the National Museum, totaling more than 1,100 pages. In addition, he published on the knowledge of animals by Indians of the Xingu River basin, and on the explorations of early naturalists in the Amazon. He was a member of the Vatican Academy of Sciences, and Vice-President of the Brazilian National Research Council. He participated in the 1936 Olympics in Berlin, at which time he became friends with future Brazilian president Castelo Branco.

José Cândido de Carvalho (Campos dos Goytacazes, Niterói, 05/08/1914-01/08/1989) foi um escritor brasileiro, mais conhecido como o autor da obra O coronel e o lobisomem. Foi bacharel em direito, mas abandonou a profissão no primeiro caso. Trabalhou em diversos jornais cariocas e colaborou com a revista O Cruzeiro. Sua estreia na literatura foi com Olha para o céu, Frederico! (romance, 1939). 25 anos depois, em 1964, publicou seu maior sucesso, O coronel e o lobisomem, uma das obras-primas da ficção brasileira, que foi traduzido para o inglês (The Colonel and the Werewolf), espanhol, francês e alemão. Também escreveu obras infantojuvenis, a mais famosa Gil no Cosmos. Deixou inconcluso o seu terceiro romance, O Rei Baltazar. Outras obras publicadas são: Porque Lulu Bergantim não atravessou o Rubicon (1971), Um ninho de mafagafos cheio de mafagafinhos (1972), Ninguém mata o arco-íris (crônicas, 1972), Manequinho e o anjo de procissão (contos, 1974), Se eu morrer, telefone para o céu (1979) e Os Mágicos Municipais (1984). Em 1974 entrou para a Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira 31. Continuou colaborando em diversos jornais até poucos dias antes de sua morte, quatro dias antes de completar 75 anos. (Fonte: www.releituras.com/jccarvalho_menu.asp)

09/02/2010: Por fim, você é inventor de livros históricos! Carlos, q tal a gente publicar um livro juntos? Você entra com os jornais originais e eu com as peças que tenho da coleção: cartões-postais, cartões telefônicos, carimbos e selos postais... O que achas? Se a gente organizar tais itens cronologicamente, penso que eles por si narram sua história... Quanto as girafas, em nosso livro ela é mais um animal; podemos até fazer um capítulo especial... Poderíamos falar até mesmo sobre o rinoceronte Cacareco que saiu dai emprestado para a inauguração do Zoo de Sampa, e que depois voltou para o Rio às pressas por causa de forças políticas na época da votação... O primeiro passo eu acho que seria fazer um levantamento de tudo o que temos a respeito...

Zoológico de Vila Isabel em 1888
Barão de Drummond
ajuda de custo do Imperador D Pedro II
o jogo do bicho para salvar o zoo
fechamento em 1940
novo zoo no Parque da Quinta da Boa Vista em 1945
portão doado pelo Duque de Northumberland
Presidente Getúlio na inauguração do Zoológico do Rio de Janeiro
sua mudança para Fundação RIOZOO em 1985

02/03/2010: Resumo de todo o material que aborde o Zoo do Rio. Devem ter umas 40 reportagens sobre animais do Zoo, de 1974 a 2005, 6, 7, 8, 9... Como te falei o material é escasso, porque eram materiais que apareciam no joprnal que eu comprava. Por certo, não sei se existiriam outros, com certeza sim. De qq maneira podemos montar algumas coisas legais baseados nessas reportagens diferentes, e declaradoras do efetivo exercicio dessa instituição. O procedimento é o mesmo para tudo... Forte abraço ocapideo.

17/06/2010: Vi no filme Trair e coçar é só começar que na sala dos protagonistas existem duas girafas de metal prateado servindo de apoio de livros, assim como no escritório de Beth Gouveia tem duas girafas coloridas, também servindo de apoio aos livros...

01/03/2012: A novidade foi esse video de 2010. Tem 58 minutos e fala das ultimas girafas vivas no mundo. Parece interessante e foi produzido por Lauren St. John (www.laurenstjohn.com). Quem sabe não é um trabalho diferente para a tua coleção?

“The White Giraffe” is a children’s novel by Lauren St. John first published in 2006. It is the first in the African Adventures series. This book was voted the winner of the 2008 East Sussex Children’s Book Award. Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/The_White_Giraffe

12/03/2012: Parabéns por seus 63 anos de vida! Nesta saudação quase sublime (rs) desejo a você muita Saúde, Sorte e Sucesso! Nós te desejamos tudo de bom! E muitas, muitas Felicidades! | Sérgio e Marcos, muito agradecido pelos votos. Confesso ficar sempre contente com o seu contato. Fora isso, estou te mandando uma foto do Zagallo num take tomado depois do desaparecimento da Beija. O Zoo de Brasília está em acordos com o Riozoo. Será que vão carregar ele pra lá? Segue foto... Carlos fã de girafas.

[sic] Rio, Julho 16, 2012. Querido Sérgio, tudo bem? Segue esse material do Riozoo para você, para seus arquivos. Não temos falado a bom tempo, também, parece que serão poucas as oportunidades, que teremos, com assuntos de girafas no Brasil, daqui para frente. Embora o Zoo de Sampa tenha recebido da Alemanha, recentemente, 2 femeas lindas de zebra de grèvy, que foram para o interior cruzar com os 2 machos que já existiam “solitários” no referido zoo. Forte abraço, enjoy it. Carlos Meda.

12/03/2013: Parabéns senhor Carlos Alberto Meda! Desejo tudo de bom: muita paz, saúde, amor e dinheiro! Que neste ano astrológico que se inicia você alcance muito sucesso! Que além de conquistar tudo o que quer em 2013, você venha até Sampa nos visitar... (rs) Beijos e inté.

26/08/2014: Oi, Sérgio, tudo bem? Há quanto tempo não nos falamos hein.... por aqui tudo na mesma, posso te contar que Zagallo continua vivo e estou com saudades de voces. Envio esse ingresso para saber se já o teria. É do antigo Zoo de Vila Isabel, datado de 1895, fac-símile, lógico. Espero que possa aproveitar. Forte abraço do amigo girafamaníaco. | 27/08: Olá Carlos! Puts! Quanto tempo mesmo... nem me lembro quando nos falamos pela última vez... Também estou com saudades... Está tudo bem conosco sim, obrigado. O começo deste ano que foi tumultuado porque os pais do Marcos faleceram... um na sequência do outro... Mas agora tudo voltou ao normal... Aliás, voltamos há duas semanas dos EUA: escolhi passar meu cinquentenário no Grand Canyon... foi muito legal! Agradeço a imagem do fac-símile, mas já tenho a mesma imagem (repare o número) publicada em Girafamania... rs Obrigado por ter escrito. Beijos e inté.

02/09/2014: Sérgio, obrigado pelo telefonema e pelas informações. Acho que na notícia do paquete da chegada... vi a publicação falando do navio que fazia esse transporte na época. Apenas o chamavam de vapor Porto Alegre. Outra coisa que penso é que esse 'vapor' não era alemão, mas costumava ir até Hamburgo nas suas viagens. Mas que ele existia, com certeza. Verifica que você irá constatar pelo google. Quanto as outras notícias te mando com calma. Paciência que está tudo muito mais claro. Se quiser também me fala qual a notícia que pretende ter da Biblioteca que pego para você e te mando. Abraços.

09/09/2014: Muito legal isso, acho até que dá para ir mais rápido em casa do que lá naquela chatice de lugar que você perde tanto tempo pra chegar e ter que ficar pouco tempo, porque senão acaba chegando de madrugada em casa, tal o congestionamento e confusão de transito. Foi ótimo e já estou usando até esse meio da Internet. Quanto a imagem que mandou foi muito legal. Ainda não sei como copiar as fotos para ter em arquivo, mas te peço uma coisa; se conseguir uma foto da primeira girafa, promete que manda uma cópia, porque essa imagem da chegada dela eu não consegui encontrar ainda. Mais outra coisa - e se descobrir a data do falecimento do Inocêncio me fala porque ainda não achei também. Então não preciso mais enviar informações, você descobriu tudo primeiro que eu... Bem legal. Fotos do lançamento do livro “Crônicas de Madureira”, escritas pelo seu amigo. Se puder divulgar, sou eu mesmo que despacho e custa R$ 40,00 o livro. Obrigado. Precisava de divulgação mesmo. Forte abraço do seu amigo girafento.

15/09/2014: É tão bom você, carinhosamente, me embutir nas páginas do Girafamania, porque, acima de tudo, sabe que sou apaixonado por girafas em toda a sua esplendorosa figura. Curti muito o resumo de nossas correspondências, ficando até um pouco constrangido, quanto ao fato de ser em conversas particulares nossas e geralmente são minhas respostas que foram incluídas na sua folha. Quanto ao livro, não está disponível ainda nas livrarias, por conta do acordo da Editora e só pode ser obtido das minhas mãos ou pedido na Editora Edital. Não tem havido muita divulgação porque demanda um financeiro meio que impossível no momento. Mas é legal que pretenda mostra-lo e divulgar. Obrigado.

Entrada principal !
Última atualização: 16/09/2014.
volta ao topo

ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO ZOOLÓGICOS DO BRASIL
ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO