This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte

PUBLICAÇÕES (mapa guia, livro, informativos, cartões telefônicos, selos e carimbos postais)

O Jardim Zoológico de Belo Horizonte foi fundado em 25/01/1959, durante o governo municipal de Celso Mello Azevedo e, a partir de 1991, passou a fazer parte da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte.

Antes de ser construído onde se localiza atualmente – no complexo arquitetônico da Lagoa da Pampulha (projeto de Oscar Niemeyer) –, o Jardim Zoológico de Belo Horizonte estava previsto para ser no local onde funciona, atualmente, o Minas Tênis Clube I. Esse projeto não foi aprovado na época e, como a área da Pampulha estava sendo utilizada como um clube ou campo de golfe, o Zoológico foi sediado no Parque Municipal que, durante algum tempo, funcionou como um pequeno zoo, com exposição de algumas aves...

Mais tarde, a área da Pampulha, segunda maior área verde pública de “BH”, com quase 1,5 milhão de metros quadrados, foi destinada à construção do zoológico. Mesmo depois de inaugurado, as construções e reformas do zoológico eram realizadas com poucos recursos e o plantel de animais era mantido através de doações...

Nas décadas de 70 e 80 foi possível realizar algumas melhorias, como a construção da Portaria da Pampulha e o início da recuperação das áreas verdes. Foram construídos recintos mais apropriados, assim como realizadas várias permutas com zoológicos estrangeiros e brasileiros a fim de aumentar e melhorar a coleção de animais.

Em 05/06/1991, juntamente com o Jardim Botânico de Belo Horizonte, foi criada a Fundação Zoo-Botânica que herdou uma história de mais de 30 anos, uma vez que passou a administrar o Jardim Zoológico, existente desde 1959.

Hoje, a Fundação é a entidade responsável e que administra o Jardim Zoológico, o Jardim Botânico e o Parque Ecológico Francisco Lins do Rego, da capital mineira. O Zoológico é um dos Departamentos da Fundação – a qual integra a administração indireta da Prefeitura de Belo Horizonte.

Além de algumas interessantes seções como a de Aves e Mamíferos, o Zoológico possui uma estrutura que conta com Hospital Veterinário, Fazenda Educativa e seções de Nutrição, Enriquecimento Ambiental e Condicionamento Animal. Com espaços para desenvolver atividades educativas e de entretenimento, como a Casa de Educação Ambiental, Casa de Répteis e o Borboletário (o qual tenho um fôlder, contribuição de Valéria). Nota: O Zoo também possui um jardim japonês, inaugurado em 16/06 para comemorar o centenário da imigração japonesa no Brasil, celebrado em 2008.

O Zoológico possui um plantel de 250 espécies e 1.200 indivíduos, aproximadamente, divididos entre as classes de mamíferos, aves e répteis, além do borboletário onde são criadas mais de 40 espécies. A Fundação Zoo-Botânica possui 55 recintos com mamíferos na área de exposição e 24 no setor extra para abrigar um plantel de 173 animais de 47 espécies. Deste total, 119 indivíduos são de 31 espécies da fauna brasileira e 54 indivíduos de 16 espécies da fauna exótica (dados referentes ao mês de junho de 2005).

Alguns mamíferos africanos em exposição no zoológico:

Chimpanzé: “Serafim” é o chefe da família e está sempre em alerta, tomando conta de todos. “Agdá” é a mãe carinhosa de “Doroteia” e “Lunga”. “Doroteia”, mais conhecida como “Doro”, é a irmã mais velha, sempre atenta e gulosa. E “Lunga”, o caçulinha, é um moleque!

Cobo-de-meia-lua: A Zoo-Botânica possui uma grande família de cobos-de-meia-lua. Ao todo, são cinco machos e quatro fêmeas. Os machos jovens já foram separados do grupo para evitar confronto com o adulto na época de acasalamento. Aqui, esta espécie se reproduz com sucesso anualmente.

Crocodilo-do-nilo: É o único zoo brasileiro que possui um exemplar...

Elande: O Elande é um bovídeo africano que mede até 3,50 metros de comprimento e 1,80 de altura. Possui uma coloração castanho-amarelada com faixas verticais brancas no dorso. Seus cornos são grandes, espirais e estão presentes em ambos os sexos. A Zoo-Botânica possui um casal e um filhote. A alimentação na FZB-BH consiste de verduras, capim moido, ração e alfafa.

Elefante-africano: “Beré, Axé, Dandara e Jamba” são os quatro elefantes-africanos da Zoo-Botânica. “Dandara” e “Jamba” (o único macho do grupo), juntaram-se à “Beré” e “Axé” em 1998, após terem chegado da Namíbia. “Axé”, filha de “Beré”, é a primeira elefantinha nascida com sucesso em um zoológico da América Latina. Aliás, é o zoo que tem o maior grupo de elefantes-africanos na América: 3 sendo 1 macho e 2 fêmeas (2010).

Gorila: “Idi Amin” (1973-2011), um gorila macho, da subespécie gorila-das-planícies-do-oeste (Gorilla gorilla gorilla), chegou ao Zoológico em janeiro de 1975, acompanhado da fêmea “Dada”. Os dois vieram de um zoológico francês com aproximadamente dois anos de vida (data de nascimento estimada: 1973). Dada morreu em 1978 por complicações de uma infecção no ouvido (otite). Em 1984 chegou uma fêmea chamada Cleópatra, procedente do Zoológico de São Paulo. Doente, apresentando um quadro clínico de desidratação e diarreia, Cléo veio óbito 14 dias mais tarde. Desde 2005 Idi passou a ser o único exemplar da espécie em cativeiro na América do Sul. Em agosto de 2011, a FZB-BH recebeu duas fêmeas de gorila da Fundação Aspinall, do Reino Unido, a qual gerencia 2 zoológicos em seu país e o maior grupo de gorilas em cativeiro do mundo. As gorilas Imbi e Kifta são nascidas em cativeiro, têm 11 anos de idade e já atingiram a maturidade sexual. Em setembro de 2011 foram transferidas para o recinto da área de exposição e se juntaram ao gorila Idi. O gorila morreu em 07/03/2012 e, segundo a fundação, ele teve uma parada cardiorrespiratória irreversível. O gorila Idi será empalhado e deve ficar exposto no Museu de História Natural da PUC Minas. Segundo o curador da reserva técnica do museu, Bruno Garzon, será usado o processo de taxidermia, que preserva a pele do animal. O esqueleto do gorila também será aproveitado.

Hipopótamo: “Toquinho” e “Popota” são o casal mais esbelto da Zoo-Botânica! Juntos com a charmosa “Geriza”, formam o trio da pesada de hipopótamos. Pesam de 3 a 4,5 toneladas e são bem redondinhos. De coloração rosada, estes simpáticos animais adoram ficar dentro da água mergulhando.

Leão-africano: “Simba” é o rei da Zoo-Botânica e tem duas esposas, “Priscila” e “Léa”. Aqui se alimentam de carne bovina, frango e coração.

Mandril: Os mandrils são bonitos macacos que ficaram famosos com o filme “O Rei Leão”! Têm o rosto bem colorido e o bumbum de coloração lilás. A fêmea é bem menor do que o macho e possui pelagem de coloração menos intensa. Gostam muito de andar e se alimentam de frutas, legumes, verduras e ração. Na natureza, também caçam pequenos animais. Aqui, ficam em um fosso como os chimpanzés e felinos. São bem agressivos e os tratadores têm que tomar cuidado ao alimentá-los.

Rinoceronte-branco: “Luna” e “Doran”, como são chamados o casal de rinocerontes-brancos da Zoo-Botânica. Chegam a medir mais de quatro metros e pesam mais de três toneladas.

Notas: Página “Ensaio na Igreja São Francisco de Assis”, na Pampulha, Belo Horizonte – Minas Gerais.
XXIV Congresso da Sociedade de Zoológicos do Brasil e V Encontro Internacional de Zoológicos, de 08 a 12/05/2000

— FUNDAÇÃO ZOO-BOTÂNICA DE BELO HORIZONTE
Endereço: Parque Ecológico da Pampulha, Avenida Otacílio Negrão de Lima, 8000
Pampulha, CEP: 31365-450, Belo Horizonte – Minas Gerais (MG)
Telefone: (31) 3277-7259 / Informações: 3277 7100 e 3277 8489 – Fax: (31) 3277-7258
fzbzoo@pbh.gov.br – www.pbh.gov.br (Prefeitura) ou http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ (menu: Zoo-Botânica)
http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?app=fundacaobotanica (página direta)

Ângela Faggioli – bióloga e chefe da Seção de Aves (ararajuba)
Carlyle Mendes Coelho – diretor do Jardim Zoológico
Evandro Xavier – presidente da Fundação Zoo-Botânica
Maximirian de Fátima Santos – tratadora da Seção de Mamíferos há oito meses (publicado em 04/03/2009)
Paulo Emídio de Carvalho – tratador da Seção de Répteis e Anfíbios

— Devolveu os envelopes circulados dentro de um envelope timbrado da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Havia enviado um para a diretoria (A/C: Diretoria / Administração) e outro para a bióloga Valéria do Socorro Pereira (vpereira@pbh.gov.br), a quem agradeço as informações sobre a família dos girafídeos.

ECOLOJINHA – Avenida Otacílio Negrão de Lima, 8.000 – Loja A – Pampulha, Belo Horizonte – Minas Gerais (MG) – CEP: 31365-450 – Telefone: (31) 3277-7201 (adquiri uma camiseta e um pin em 27/12/2003).

“A educação ambiental é imprescindível para garantir um futuro saudável, em harmonia com o meio natural. Dentro dessa perspectiva foi criada a Ecolojinha, através de uma parceria entre a Fundação Zoo-Botânica e Fundação Biodiversitas. A Ecolojinha tem o objetivo de colaborar com projetos para sensibilização ambiental e está sempre pronta a disponibilizar produtos criativos e de grande interesse aos amigos da natureza.” – Texto da embalagem de alguns produtos da Ecolojinha (cujo logotipo é uma pegada de bicho).

Em 02/08/2008 adquiri no centro da cidade 1 cartão-postal com 4 fotos de Sérgio Ricardo, impresso por Postais de Minas, que mostra: leões, elefantes-africanos, cobo e a casa do gorila... Também 3 cartões-postais na Ecolojinha da série de 4? com fotos de Cyro Jose Soares: Tracajás (yellow spotted amazon river turtle), Lobo-guará (maned-wolf) e 4 em 1 que mostra Harpia, Jiboia, Orquídea e Tamanduá-mirim (harpy eagle, boa, orchid, lesser anteater)... Na coleção já tinha do gorila... Nota: Falar com Breno (31) 3277-7191...

Postais de Minas Comércio Ltda. – www.postaisdeminas.com.br
Rua Monte Simplon, 792 – Nova Suissa, CEP 30480-530, Belo Horizonte – MG
Telefone: (31) 3375-3457 – Cel.: (31) 9161-9102, postaisdeminas@uaivip.com.br
Todo o trabalho de fotografia e edição é feito pelo seu proprietário, Sérgio Ricardo de Freitas, que tem como formação acadêmica o curso de História e pós-graduação em História do Brasil. 26/05/2008: Gostaria de saber se há algum cartão-postal sobre a Fundação... Além desse, procuro cartões-postais sobre Girafas e também sobre o Museu de Ciências Naturais de BH. Aguardo resposta, obrigado. 26/05/2008: Formulário de Contato do Site. Infelizmente não tenho estes postais. Sérgio.

Yaza
volta ao topo

Girafas da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, fotos de 27/12/2003.

A Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte faz intercâmbio internacional com: Natal Parks Board, localizado próximo a cidade de Natal, na África do Sul (não é parque nacional, mas um parque local daquela região). A dieta da girafas no zoo é composta por ração, alfafa, cenoura, banana, maçã, verduras, rama de batata e galhos de leguminosas.

O Jardim Zoológico trabalha com Studbooks, o livro de registro genealógico das espécies. Uma genealogia (pedigree) é um registro de todos os animais, vivos e mortos, descendentes de um grupo de ancestrais nascidos na natureza (isto é, os fundadores). Os studbooks constituem valiosas informações básicas que permitem ao biólogo de um zoológico tomar decisões racionais para o manejo de populações em cativeiro. A Seção de Mamíferos da FZB-BH participa de vários studbooks, entre eles North American Regional Giraffe Studbook com girafa...

08/03/2003 (por Valéria do Socorro Pereira): A Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte adquiriu um casal de Giraffa camelopardalis giraffa (também chamada de girafa-do-cabo), proveniente da África do Sul. A data de chegada em BH foi 30/01/1999, com aproximadamente 2 anos de idade. Foi feito um concurso para escolha dos nomes (nomes tirados de dialetos africanos) e os escolhidos foram: Zola (significa amor) para a fêmea e Rafiqui (significa amigo) para o macho.

22/10/2003 (por Valéria do Socorro Pereira): Em 16/07/2003 (quarta-feira), às 21h20, nasceu uma girafa fêmea em Belo Horizonte. O filhote pesava cerca de 80 quilos, com 1,80 metro no momento de seu nascimento – é a primeira girafa nascida em um zoológico público do Estado de Minas Gerais. Houve uma eleição para escolha do nome e o escolhido foi: “Yaza” – que significa “Sorte” em um dialeto africano...

Na foto abaixo eu registrei “Yaza” sentada, quando ela tinha 5 meses de idade (27/12/2003). No dia 24/08/2004, “Yaza” foi trocada com Ana Raio do Zoo de Brasília.

07/11/2006: Nasceu na terça-feira, dia 7 de novembro, uma girafa fêmea, terceiro filhote do casal de girafas africanas Zola e Rafiqui. A gestação durou 15 meses e o parto 4 horas. A girafinha está bem, ainda não tem nome e pesou ao nascer 90 quilos e media 1,80 metro de altura... (informação de Carlos, em 14/11/06)

“Ayana” (“iluminada de sol”) já está correndo pelo viveiro... Ela está no terreno de 2,5 mil metros quadrados, que tem área cercada por toras de eucalipto e piso de grama. A dieta desses animais, na Zoo-Botânica, é composta de ração, alfafa, cenoura, banana, maçã, verduras, rama de batata e galhos de leguminosas...

Em passeio ao zoológico, nas férias de janeiro, três girafas (duas juntas e outra com a zebra) foram flagradas por Sueli, seu sobrinho e sua filha Thais Bebiana A. Lima (thaisbebiana @ hotmail.com), quem tirou as duas fotos abaixo em 13/01/2009. Do lado esquerdo da tela, foto número 100_3407. Do lado direito, foto número 100_3417.

volta ao topo

Registros:

  1. Cupim (macho) – chegou em 09/1976 (com 3 anos). Adquirido da empresa holandesa. Viveu 24 anos. Morreu em 13/02/1997. Nota: vídeo de 1987 que Ricardo fez, uma vez que a girafa parece que mastigava uma garrafa de plástico; ele achou estranho e resolveu filmar...
  2. nome? (fêmea) – chegou em 09/1976 (com 3 anos). Adquirido da empresa holandesa. Viveu 5 anos. Morreu em 26/11/1978.
  3. Rafiqui (Rafique) ou “Amigo” (macho – 5,00 m – não tem o tufo de pelos no rabo) – nasceu em 1997. Veio da África do Sul em 30/01/1999. Subespécie girafa-austral.
  4. Zóla ou Amor (fêmea – 4,50m) – nasceu em 1997. Veio da África do Sul em 30/01/1999. Subespécie girafa-austral. Viveu 17 anos. Pariu 3 filhotes: Yaza, Jahari e Ayana. Morreu em 18/05/2014, enforcada. A morte foi provocada acidentalmente com a corda usada para prender seu alimento. A causa do óbito foi divulgada em 20/06/2014. Segundo a assessoria de imprensa do Zoo, a necropsia, que foi realizada logo após a girafa ser encontrada sem vida, revelou que a causa da morte foi um edema pulmonar agudo...
  5. Yaza ou Sorte (fêmea) – nasceu em 16/07/2003, por volta das 21h. Primeira girafa nascida no estado de Minas Gerais. Primeiro filhote de Zola e Rafiqui, portanto da subespécie girafa-austral. Foi para o Zoo de Brasília, em 24/08/2004, trocada com a girafa Ana Raio.
  6. Ana Raio (fêmea – 4,50m) – nasceu no Zoo de Brasília em 16/11/2002. Segundo filhote de Bia e Léo. Veio para BH em 24/08/2004...
  7. Jahari (macho) – em 22/11/2004, por volta das 11h. Segundo filhote de Zola e Rafiqui. Foi para o Zoo Beto Carrero em maio de 2006. O zoo de Santa Catarina enviou, em contrapartida, o macho de zebra Zuck e a fêmea de camelo Sarah.
  8. Ayana ou “Iluminada de Sol” (fêmea) – nasceu em 07/11/2006. Terceiro filhote de Zola e Rafiqui. Foi para o Zooparque Itatiba em 06/2008.

Visitei em 27/12/2003 e 02/08/2008. Última informação, setembro de 2014, 2 girafas: Rafiqui, Ana Raio...

volta ao topo

CEBUS – Centro de Biodiversidade da Usipa
Zoológico da Usipa

A Associação Esportiva e Recreativa – USIPA, um dos maiores centros de formação desportiva do Brasil, está localizada no município de Ipatinga, no Vale do Aço, no Estado de Minas Gerais.

Evidentemente, em função do aço, é que se deu sua fundação em 23/02/1959, para atender às necessidades de lazer de milhares de pioneiros que trabalharam na construção da Usiminas – a maior siderúrgica da América Latina.

Em 26/10/1962 foi emitido o selo Primeira “Corrida-do-Ferro” da Usiminas, com valor facial de $ 8,00 cruzeiros... Yvert: 720. Scott: 945. Michel: 1023. RHM: C-478. Valor facial: Em 26/10/1969 outro selo foi emitido: “Início da Expansão da Produção do Aço na Usiminas”, com valor facial de $ 0,20 centavos. Yvert: 908. RHM: C-652.

O elo das palavras Usiminas e Ipatinga deu origem ao nome escolhido – Usipa. O Centro de Biodiversidade da Usipa – CEBUS é muito mais que um local onde se exibem animais vivos, conhecido como zoológico...

“Cebus” é o nome científico (gênero) do macaco-prego. Uma homenagem ao primeiro animal habitante do Zoológico da Usipa que hoje abriga animais entre mamíferos, aves e répteis.

O trabalho do CEBUS tem o reconhecimento do Ibama e Universidades brasileiras que desenvolveram em 1997 um projeto de pesquisa envolvendo os felinos da instituição.

Com isto, o CEBUS integra atualmente o seleto grupo de instituições brasileiras consideradas como zoológicos fundadores de colônias de felinos em cativeiro, fazendo parte de uma rede de bancos de dados genéticos em nível mundial.

O trabalho científico do CEBUS propicia a reprodução de vários animais em cativeiro, o que dificilmente acontece. Entre estes animais estão os gaviões-caracará, os jacarés-de-papo-amarelo, as emas e as cobras jiboias.

Historicamente o antigo Zoológico da Usipa já existia desde a criação do Clube e a legislação que transformou todos os zoológicos brasileiros juridicamente legais pode ser considerada recente, tendo sido instituída no final da década de oitenta.

Desde 1993, o CEBUS já havia protocolado seu pedido junto ao IBAMA e o registro definitivo aconteceu em 2002, em função do término das novas instalações.

O Projeto Xerimbabo é um Programa de Educação Ambiental conhecido nacionalmente como “ação que permeia todas as outras”. Realizado pelo Centro de Biodiversidade da Associação Esportiva e Recreativa Usipa, foi criado por este órgão federal em 15/10/1984, desenvolvendo periodicamente diversas atividades na área de meio ambiente, desde cursos de Educação Ambiental para crianças e adultos, até exposições, palestras e seminários, sempre acreditando numa reorientação positiva das relações entre o homem e a natureza.

A área destinada ao evento tem mais de 200 mil metros quadrados e está localizada no Centro de Biodiversidade da Usipa composta por um Zoológico e um Parque Zoobotânico, área de preservação das Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais – Usiminas, patrocinadora oficial do Projeto.

A palavra Xerimbabo, segundo Luiz Caldas Tibiriçá, em seu Dicionário Tupi – Português, quer dizer animal de estimação do indígena. O nome foi escolhido para denominar o projeto baseado na relação de interdependência que o silvícola brasileiro demonstra em seu cotidiano com a natureza. Índios, animais e plantas em harmonia. Por quê não imitá-los?

— CEBUS – Centro de Biodiversidade da Usipa ou Zoológico da Usipa
Avenida João Cláudio Teixeira Sales, 801 – Horto – Ipatinga (MG) – CEP: 35160-307
Telefone: (31) 3824-7414 – Home Page: www.usipa.com.br

— Devolveu o envelope circulado dentro de um envelope timbrado da USIPA em 20/12/2007, também recebi um cartão de natal personalizado da Usipa. Havia enviado para o diretor do Zoológico da Usipa, José Angelo Paganini.

Entrada principal !
Última atualização: 02/08/2014.
volta ao topo

ZOOLÓGICO DE BRASÍLIA ZOOLÓGICOS DO BRASIL
ZOOLÓGICO DO RIO GRANDE DO SUL