This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

GIRAFAS EM MUSEUS DA INGLATERRA

Museu Britânico – “The British Museum” – www.britishmuseum.org

O Museu Britânico foi estabelecido por ato parlamentar, declarando que o museu não só era “para a investigação e entretenimento do instruído e do curioso, mas para a utilização geral e benefício do público”. A lei fundadora refletiu este pensamento enciclopédico declarando que “todas as artes e ciências estão ligadas entre si”.

O mais antigo museu do mundo foi fundado em 1753 e inaugurado em 17/01/1759, em Montagu House, Bloomsbury foi comprado especialmente com este propósito. Inicialmente, o acesso público era gratuito, embora fosse necessário solicitar um ingresso para ser admitido. O museu incluía antiguidades clássicas, espécimes de história natural, manuscritos assim como etnografia, numismática e material de arte. Mas as coleções de história natural foram transferidas para formar o Museu de História Natural, pouco mais tarde.

Hoje, o Museu Britânico possui uma das mais ricas coleções do planeta, distribuídas em 94 galerias que totalizam 4 quilômetros... Os destaques são o Antigo Egito (uma pintura da deusa Nut com os signos do zodíaco – Época baixa), a British Library e o Museu da Humanidade.

Dentre os seus objetos mais valiosos estão a Carta Magna, a “reveladora” Pedra de Rosetta, os Mármores do Paternon (Elgin Marbles), peças do Mausoléu de Halicarnasso e as primeiras páginas das peças de Shakespeare.

Além da estátua em mármore de Alexandre, o Grande, de um esqueleto completo de dodô, entre milhares de outros objetos históricos que todo grande museu possui em seu acervo. O Museu Britânico exibe 5 itens “girafídeos” (que eu saiba):

  1. “Gesso de um relevo do templo de Beit el-Wali”, antes de Cristo, Baixa Núbia
  2. “Fragmento de pintura da tumba de Sebekhotep”, Arqueologia de 1400-1390 antes de Cristo, Tebas – Egito
  3. “A girafa da Núbia”, obra de Jacques-Laurent Agasse, óleo sobre tela, pintura inglesa de 1829
  4. “A girafa em Bloomsbury”, “testemunha” fotográfica de Frederick York, datada de 1875
  5. “A Coroação de Haile Selassie”, óleo sobre tela, pintura africana de 1930 – Etiópia

Abaixo, um cartão-postal que mostra a fachada do Museu Britânico.

volta ao topo

1 – Gesso de um relevo do templo de Beit el-Wali, na Baixa Núbia – O aspecto mostra uma expedição militar de Ramsés II (à esquerda) e a apresentação ao faraó de produtos da Núbia e das terras da África tropical (à direita).

Plaster cast of a relief from the temple of Beit el-Wali, Lower Nubia – The cast depicts a military expedition by Ramesses II (left) and the presentation to the pharaoh of the produce of Nubia and the lands of tropical Africa (right).

À esquerda, Ramsés II (1279-1213 a.C.), seguido por dois de seus filhos, Amen-la-wenemef e Khaemwaset, é retratado ... de arqueiros núbios, que são mostrados com a tez negra e marrom, vestidos com pele de leopardo e brincos grandes. Um guerreiro ferido é escoltado para uma aldeia. À direita, Ramsés II, entronado sob um dossel, recebe produtos das terras do sul, apresentado pelo vice-rei Amenemope. Estes incluem sacos de ouro, anéis de ouro, incenso, presas de elefante, ébano, ovos e penas de avestruz, peles, arcos, escudos..., abanadores e cadeiras. A seleção variada de animais vivos inclui um leão, girafa, avestruz, gazelas, leopardos, macacos, antílopes e cães, bem como bois com chifres artificialmente deformados e decorados com cabeças e mãos humanas em miniatura. Homens, mulheres e crianças são apresentados como servos e escravos. – O molde foi produzido por Robert Hay por intermédio de Joseph Bonomi em 1825. As cores foram adicionadas por Bonomi e baseiam-se nos originais, como observado por Bonomi e Arundale. O aspecto foi repintado por Douglas Champion em 1952.

On the left, Ramesses II (1279-1213 BC), followed by two of his sons, Amen-her-wenemef and Khaemwaset, is depicted charging against a body of Nubian bowmen, who are shown with black and brown complexions, dressed in leopard skin kilts, and wearing large earrings. A wounded warrior is escorted to a village. On the right, Ramesses II, enthroned beneath a canopy, receives the produce of the southlands, presented by the viceroy Amenemope. These include bags of gold, gold rings, incense, elephant tusks, ebony logs, ostrich eggs and feathers, pelts, bows, hide-covered shields, fans and chairs. The varied selection of live animals includes a lion, giraffe, ostrich, gazelle, leopard, monkeys, antelopes and dogs, as well as oxen with horns artificially deformed and decorated with miniature human heads and hands. Men, women and children are presented as servants and slaves. – The cast was made for Robert Hay by Joseph Bonomi in 1825. The colours were added by Bonomi and are based on the originals as observed by Bonomi and Arundale. The cast was repainted by Douglas Champion in 1952.

Fotos by Sérgio Eduardo Sakall, em 10/08/2010.

volta ao topo

2 – Fragmento de pintura da tumba de Sebekhotep, em Tebas – Egito
XVIII Dinastia, por volta de 1400 antes de Cristo

Sebekhotep foi um oficial do tesouro no reinado de Thutmose IV (1400-1390 a.C.). Uma de suas responsabilidades foi cuidar dos presentes estrangeiros dados ao rei. Este fragmento é uma pequena parte da cena que mostra Sebekhotep recebendo a produção do leste próximo e da África, em nome de Thutmose IV.

Três homens (provavelmente núbios) carregam itens luxuosos característicos de seus países: anéis de ouro, jaspe, objeto de ébano, rabos de girafas, pele de leopardo, um babuíno vivo e um macaco. A variação de cores nas vestes dos homens podem representar diferentes tipos de peles de animais, embora isso possa ter sido feito por razões estéticas, para fazer as figuras mais proeminentes, individualmente.

Tais cenas representam a importância de Sebekhotep como um oficial e a sua relação com o rei; Sebekhotep teve privilégios em sua vida, mesmo em sua morte (por sua tumba).

Fragment of painted plaster from the tomb of Sebekhotep – From Thebes, Egypt. Altura: 71 cm. Largura: 61 cm. Gift of H. Danby Seymour – EA 922 – Sala 65, Egypt & Africa, case 1.


(72k)
volta ao topo

4 – A girafa em Bloomsbury, Fotografia de Frederick York
The British Museum, Londres, 1875

Esta fotografia de 1875, mostra uma das mais populares exibições – uma girafa preservada. A segunda girafa não é mostrada. Originalmente existiram três no espaço. Elas costumavam ficar no topo da escadaria do prédio do museu original, Montagu House. Elas olhavam sobre os visitantes que passavam para a galeria da exibição, no andar superior.

Uma das 3 girafas não resistiu a mudança para o novo prédio. As duas restantes foram colocadas no Salão Central. Não obtiveram sucesso quando as levaram para o Museu de História Natural, em South Kensington, mas os seus esqueletos foram preservados na coleção do Museu.

O Salão Central está acima da principal entrada, na asa sul do museu. Esta parte do museu foi aberta em 1847 e ampliada em 1877. Algumas das coleções de História Natural foram dispostas aqui até elas serem levadas para o Museu de História Natural, em South Kensington, em 1880.

Nota: Tirada em uma época em que a fotografia ainda era de domínio exclusivo dos profissionais...

A obra “A girafa em Bloomsbury”, de Frederick York, é uma foto interna tirada em 1875, no Salão Central da “Montagu House”, localizada em Bloomsbury; a qual guardava uma antiga Coleção de História Natural. Posteriormente, essa coleção foi transferida para o Museu de História Natural de Londres, em South Kensington... Hoje, essa fotografia está exposta no Museu Britânico.

Foto de Frederick York, The British Museum, London, England (1875)
Altura: 139 mm. Largura: 100 mm. Archives CE114/596 (York Album)


(46k)
volta ao topo

5 – A Coroação de Haile Selassie – óleo sobre tela, Etiópia, 1930
The Coronation of Haile Selassie – Oil on canvas, Ethiopia, 1930

Esta pintura celebra a coroação do Imperador Haile Selassie, em 1930. No entanto, o estilo de representações europeias da Última Ceia apresenta animais em vez de figuras bíblicas – o Imperador é o leão no centro da imagem. É um exemplo da tradição secular na pintura etíope, que começou em 1920 e surgiu de uma tradição muito antiga da pintura religiosa na Igreja Ortodoxa etíope cristã. O tema da restauração da ordem à desordem, embora aparentemente bíblica na origem, obviamente tem conotações políticas, particularmente esta imagem foi pintada de forma similar por artistas etíopes daquele tempo.

Sir Edwin Chapman Andrews KCMG OBE (1903-1980), adquiriu esta pintura no momento da coroação do Imperador em 1930, quando ele era Vice-Cônsul da embaixada em Adis Abeba. De 1935-6 serviu como Cônsul na cidade oriental de Harar e foi premiado com um OBE por seus serviços durante a invasão italiana. A partir de 1940-1, ele foi conselheiro político na expedição militar que terminou com o retorno de Haile Selassie para Addis Abeba. – Empréstimo da família de Sir Edwin Chapman-Andrews.

volta ao topo

Museu de História Natural – “Natural History Museum” – www.nhm.ac.uk

Aberto em 1881 é um dos mais famosos do mundo e promove exposições sobre a ecologia no planeta e a origem das espécies. O sítio oficial traz uma amostra do acervo do museu e o visitante pode entrar em “panoramas” de 3 salas.

A transferência da Coleção História Natural de Bloomsbury para South Kensington, aconteceu em julho de 1880. Os dirigentes de cada um dos departamentos do museu foram responsáveis pela mudança das coleções. As portas do museu foram abertas ao público em 1881 e a mudança total só foi finalizada em 1883.

Abaixo, a foto P&B que mostra um grupo de girafas na escadaria do museu é de outubro de 1903. Do lado direito da tela, um cartão cômico (propaganda) mostrando a mudança da coleção do Museu de História Natural de Londres. Nota: Na coleção há um cartão-postal assinado por Edgar. H. Fisher, Natural History Animals, Series N.82, From Jennison’s, published by A. & C. Black, Ltd., Soho Square, London (adquirido de Ricardo, em 08/08).

Espécies de girafas no Museu de História Natural – Devido ao seu tamanho, encontrar espaço de armazenamento e exposição de girafas continua a ser um desafio. Por coincidência, as girafas foram colocadas perto de uma escadaria no Museu Britânico, antes da mudança para South Kensington, e este lugar do museu é ainda conhecido pela equipe como o Nicho da Girafa.

Três fotografias do Museu de História Natural de Londres (busque por giraffe)... No centro da tela, a fotografia mostra 13 cabeças de girafas que são guardadas no museu (arquivo: 43107_big). As outras duas são fotos da Galeria dos Mamíferos (The Mammal Gallery).

Esse museu expõe vários itens girafídeos... como:

Crânio de espécie Giraffa camelopardalis (2000.338)
Líquido preservado de uma cabeça da espécime girafa / Fluid preserved specimen of a giraffe head

Na foto abaixo, by Sérgio Sakall em 08/08/2010, que retrata um expositor do Museu de História Natural de Londres, mostra oito peças da família dos girafídeos que compõem o acervo dessa vitrine.

► Aspecto do crânio da espécie Canthumeryx sirtensis, que viveu no Mioceno Médio, no norte da África
Canthumeryx sirtensis, Cast of skull, Middle Miocene, North Africa (M33337)

► Parte óssea (matatarsal) da espécie Bohlinia attica, que viveu no final do Mioceno, em Pikermi, na Grécia
Bohlinia attica, Limb bone (matatarsal), Late Miocene, Pikermi, Greece (M11403)

► Aspecto do crânio e ossíconos da espécie Samotherium boissieri, que viveu no final do Mioceno, em Samos, na Grécia
Samotherium boissieri, Casts of skull and ossicones, Late Miocene, Samos, Greece (M33338)

► Aspecto do crânio, ossíconos e osso da perna dianteira da espécie Sivatherium giganteum, que viveu no final do Plioceno, em Pijor, na Índia
Sivatherium giganteum, Casts of skull and ossicones and forelimb, Late Pliocene, Pinjor, India (M1336, 39600a)

► Parte do maxilar inferior (juvenil) e ossíconos da espécie Sivatherium maurusium, que viveu no início do Pleistoceno, em Makapansgat, na África do Sul
Sivatherium maurusium, Cast of lower jaw (juvenile), ossicone, Early Pleistocene, Makapansgat, South Africa (M19574, M14955)

► Crânio e ossíconos da espécie Giraffa jumae, que viveu no final do Pleistoceno, em Rawe, no Quênia
Giraffa jumae, Skull and ossicones, Late Pleistocene, Rawe, Kavirondo Gulf, Kenya (M14957)

Visitei em 08/08/2010 e trouxe alguns cartões-postais, entre eles o mostrado abaixo: “Female Giraffe, F. Cuvier 1842” (NHM 124), desenhado por Bob Young e bublicado por Archivist (www.archivistgallery.com).

volta ao topo

Paleontologia – Projeto Paleontológico do Museu de História Natural

Paleontologistas descobriram a primeira evidência de fósseis de mamíferos da época do Mioceno, na Arábia, em 1974. Esses fósseis – ancestrais de elefantes, rinocerontes e antigas girafas foram encontrados no leste da Arábia Saudita e são datados de, aproximadamente, 19 milhões de anos atrás.

Encontrados por Peter J. Whybrow que depois, continuou as pesquisas pela costa leste da Arábia, através do Estado de Qatar e do Emirado de Abu Dhabi, em 1979.

A fauna se alimentava das plantas que cresciam ao redor desse sistemas de rios e incluiam-se seis espécies de antílopes, girafas, 3 espécies de elefantes primitivos e carnívoros, como a hiena e o leão-dente de sabre.

Esta fauna do último Mioceno do Emirado de Abu Dhabi é única e ainda não foi encontrada em mais nenhum lugar da Arábia. A procura em Abu Dhabi tem sido e continua sendo um projeto multidiciplinar na Mudança Global e no programa da Biosfera do Museu.

O Museu de História Natural e a Universidade de Yale tem acompanhado o estudo de especialistas de paleontologia. Estes animais foram encontrados na Península Arábica porque, provavelmente, houve uma invasão dos animais da África e sudoeste da Ásia durante o Mioceno, os animais usaram o ístmo Etiópia-Iêmem.

Para maiores informações desse projeto: Peter J. Whybrow (pjw@nhm.ac.uk) – Departamento de Paleontologia, Museu de História Natural – Cromwell Road – Londres SW7 5BD UK.


“Giraffe Skeleton”, illustrated by Richard Lydekker
Description: Giraffe Skeleton | Source: Royal Natural History Volume 2 | Date: 1893-96

– Richard Lydekker (25/07/1849 – 16/04/1915) foi um naturalista inglês, geólogo e escritor de vários livros sobre história natural. Lydekker nasceu em Londres. Em 1874 ingressou no Serviço Geológico da Índia (Geological Survey of India) e estudou a Paleontologia de vertebrados do norte da Índia, especialmente da Caxemira. Ele foi responsável pela catalogação dos fósseis de mamíferos, répteis e aves do Museu de História Natural. Seus livros incluem: A Manual of Palaeontology, with Henry Alleyne Nicholson, 1889 (www.answers.com/topic/henry-alleyne-nicholson) e The Wild Animals of India, Burma, Malaya, and Tibet... Available on (www.archive.org); imagem: (317px-GiraffeSkelLyd2).

volta ao topo

Reprodução em pôster, imagem em tamanho reduzido do original. Título (Title): “Giraffes on the Staircase in the British Museum” (1845). Artista (Artist): painting by George the Elder Scharf (1788-1860). Type: Giclee Print. Tamanho (Size): 24 × 18 in...

Reprodução em pôster (Painting Reproduction), imagem em tamanho reduzido do original. Título (Title): “The Giraffes with the Arabs who brought them over to this country, Zoological Gardens, Regent’s Park” (1836). Artista (Artist): painting by George the Elder Scharf (1788-1860). Type: Giclee Print. Tamanho (Size): 24 × 18 in...

volta ao topo

Philip Lutley Sclater (1829–1913), inglês e zoólogo (zoologista), foi fundador e editor do The Ibis, o jornal da British Ornithologists’ Union, e secretário da Zoological Society of London, entre 1860 até 1903. Em 1901, ele descreveu o Ocapi para cientistas ocidentais, embora nunca tenha visto um vivo. Seu escritório, na 11 Hanover Square, tornou-se um ponto de reunião para todos os naturalistas em Londres. Sua coleção de pássaros, com nove mil peças, foi transferida para o Museu Britânico em 1886. Dentre os livros mais importantes de Sclater estão Exotic Ornithology (1866-69) e Nomenclator Avium (1873), ambos com Osbert Salvin (1888-89), o ornitologia argentino, com W.H. Hudson, e The Book of Antelopes (1894-1900) com Oldfield Thomas. Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/P.L._Sclater

Galeria Nacional de Londres

London Museum – www.museumoflondon.org.uk

As sete galerias permanentes do Museu de Londres, como a que mostra a Londres medieval e a cidade na era Tudor, expõem parte dos tesouros da coleção que abriga, com mais de um milhão de itens. É o maior museu de história urbana do mundo e concentra o maior arquivo arqueológico da Europa.

The Fitzwilliam Museum – Cambridge
Esse museu expõe obras de Ticiano e uma sobre girafa: • “Study of a giraffe”. Autor: Harvey, William (draughtsman) [ULAN info: British artist, 1796-1866]. School/Style: British. Technique Description: graphite on paper / grafite sobre papel. Material/s: graphite (medium) e paper (support). Dimensions: 200 (height) × 150 mm (width). Provenance: bequeathed Middleton-Wake, Charles H. 1915 (Filtered for: Paintings, Drawings and Prints). Museum Accession Number: 779(22) (Paintings, Drawings and Prints).

Entrada principal !
Última atualização: 20/11/2014.
volta ao topo

MUSEUS DO MUNDO MAPA GIRAFAMANIA
MUSEUS DA EUROPA