This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

CIRCO

Circo é um recinto circular, coberto, cercado de lona, todo desmontável, onde se realizam espetáculos de acrobacia, equitação, equilibrismo, palhaçadas, habilidades diversas, e cujos artistas formam um conjunto itinerante.

Antigamente, as girafas eram apresentadas em atrações circenses... Elas seguiam viagem andando até o destino ou eram transportadas dentro de carro reboque (trailer) de circo. Veja mais girafas com rodas e em veículos...

Do lado direito da tela, pôster de 1860 sobre anúncio de compra... P.T. Barnum’s Animals 1860 – Tamanho: 38 × 20 polegadas. Tipo: Fine-Art Print. O agente P.T. Barnum comprando animais selvagens na África Central para o maior show da Terra!

Do lado esquerdo, pôster de 1917, aproximadamente, sobre girafas do circo de Barnum & Bailey (Barnum & Bailey Giraffe Circus Poster)... Barnum & Bailey Greatest Show On Earth Exclusive Rare Zoological Features...

Cartão-postal de 1987: “Ringling Bros. – the towering sky reaching giraffe – World’s Greatest Shows”... The Giraffe Cage Wagon Circus World Museum Baraboo Wisconsin...

Do lado esquerdo da tela, cartão-postal americano “Hi-Ya All! See you at Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus, Winter Quarters, Sarasota, Florida”.

No centro da tela: cartão-postal com foto B/P de duas girafas (mãe e filhote) em cativeiro, “Souvenir Post Card Ringling Bros and Barnum & Bailey Circus – Edith and Baby, Tanganyika, East Africa Giraffe”. Thesse animals are found only in Africa. There are five species. Lumitone Photoprint, New York, Made in Usa (adquirido de Ricardo em 10/10; outro de Joaquim em 03/11). Valor estimado: R$30.

Do lado direito, cartão-postal “S-35 Giraffe and Clow at Ringling Bros. and Barnum & Bailey Winter Quarters, Sarasota, Fla.” (Circus Postcard Clown Giraffe at Ringling Brothers & Barnum & Bailey Winter Quarters in Sarasota Florida, FL. USA), cerca de 1985 (adquirido de Ricardo em 08/08).

volta ao topo

Brinquedos sobre Circos da Coleção Girafamania

Do lado esquerdo da tela, capa de um DVD sobre Circos e Zoos Britânicos que inclui a história do Circo Chipperfield’s nos anos 1950 e 60, “Britain’s Oldest Showpeople Chipperfield’s Circus and Menagerie”... Do lado direito, a maravilhosa caixa completa do Circo Chipperfields fabricado pela Corgi Toys... Veja página Brinquedos Colecionáveis!

Oxford Diecast Ltd. (www.oxforddiecast.co.uk) is a leading British Company that supplies Diecast Vehicles and Collectable items in the Collector and Promotional Markets. Started in 1993 Oxford has a collectors club with worldwide membership. Bedford, The Griffin Emblem and the vehicle body Bedford TK are Vauxhall Motor Company Limited Trademarks used under licence to Oxford Diecast. The Chipperfield Circus name is the trademark of LCD Enterprises Ltd. The Oxford logo and Oxford Collectables are the trademark of LCD Enterprises Ltd. Oxford Die-Cast Ltd. P.O. Box 62, Swansea, SA1 4YA – UK.

Abaixo, do lado direito da tela, caminhão com logotipo do circo (ampliado do lado esquerdo), “CH001 Generator Truck – Bedford Chipperfields Circus”, com base e tampa de acrílico. Escala 1/76. Valor estimado: R$ 100,00 reais. Acima, caminhão para transporte de girafa com logotipo do circo, “Chipperfields Circus Giraffe” (Oxford - Bedford Tk Giraffe Truck In Chipperfields Circus), Escala 1/76; cujo modelo foi “copiado” da Corgi... Valor estimado: R$ 110,00 reais. Ambos brinquedos foram adquiridos (encomendados) do vendedor Francisco Carlos da Silva Gil, Pontebill Miniaturas (pontebill.com.br), Telefone: (11) 5062-3679, em maio e junho de 2010, respectivamente.

Caminhão Singing Circus feito em lata (escala 12), com som de bichos e motor à pilha. Fabricado na década de 1960, pela fábrica japonesa “Tomy”. Foto by Brinquedos Raros. Do lado direito da tela: vagãozinho de circo “Wagon Overland Circus”, em resina...

Brinquedo brasileiro Circos Nillo (Referência: 3470), da Plásticos Nillo Indústria e Comércio Ltda., empresa localizada em Diadema (SP), cuja caixa contém um caminhão de circo, duas jaulas, quatro animais (chimpanzé, elefante, girafa e leão), tudo em polipropileno, e oito artistas em papel cartão para montar (destacar e encaixar em cruz para ficar em pé).

volta ao topo

Nos anos 70, os zoológicos do mundo todo abandonam o hábito de ensinar ou domar os animais, a fim de se distinguirem dos circos, e passam a mostrar principalmente o cotidiano dos animais: a alimentação, os cuidados, os jogos, a reprodução...

Atualmente, os circos são generalizadamente depreciados, sobretudo pelas ONGs, por causa de alguns circos que durante décadas maltrataram seus animais... Entretanto existem circos e circos...

Mas existem circos, sérios e respeitados, espalhados pelo mundo inteiro que ainda trabalham com animais... Abaixo, recorte de uma revista: Gisèle Smart e sua girafa...

No Brasil, houve a apresentação do Circo Hatary, uma empresa de Walter Bartholo (há sua mídia em cartão telefônico da Telebrás)... Talvez, o mais conhecido tenha sido o Circo Garcia... Abaixo, do lado esquerdo, leque original de papelão, década de 50, perfeito e bem conservado, com propaganda do circo: “Garcia – O Rei do Circo”! Do lado direito, série em quadra emitida em 18/05/1998 “Homenagem ao Circo Brasileiro”, cujos 4 selos com valor facial de R$ 0,31 cada, mostram palhaços e circo. RHM: C-2085/C-2088.

volta ao topo

Eu visitei um circo muito especial, em Curitiba, quando estive naquelas terras participando da BRAPEX, ocorrida na última semana do mês de novembro de 2004. Chamado “Le Cirque” (O Circo – em francês), esteve em cartaz no Marumbi Expo Center, na rua Wenceslau Brás.

Abaixo, reproduzida e adaptada para GIRAFAMANIA, parte de uma matéria do jornal Correio Metropolitano de Curitiba (24/11/2004), feita por Liane Reifur, com fotos de Elton Damasio.

Família Stevanovich

A trajetória de uma família que há gerações se dedica a trazer alegria para crianças e adultos! Robert Stevanovich cuida pessoalmente dos animais. Com ele a girafa Chico, a zebra Zafira, a pônei Pica-flor, com Sol, seu filhote de 10 dias e o camelo Mohamed.

Amália Stevanovich

“Eu morava em Santa Fé, Argentina, tinha 16 anos. O circo passou pela cidade. Fui fazer um teste, pois era patinadora, e passei. Fui embora com o circo e viajei o mundo todo. Me apaixonei pelo dono do circo, Luiz Stevanovich e acabamos nos casando.”

Poderia ser um roteiro de filme ou de novela, mas essa é a história de Amália Stevanovich. Uma mulher falante e descontraída com seus sessenta e poucos anos que é a atual proprietária do Le Cirque.

Amália é espanhola e mora no Brasil há 44 anos. Ela conta que os antepassados de seu marido, a família Stevanovich, eram do ramo circense desde o século 19 e em 1882 trouxeram o circo para a América Latina.

“Meu sogro atravessou o mundo, levou animais em navios para que crianças de todos os lugares pudessem conhecer um elefante, um leão, uma girafa”, relata a artista.

Luiz Stevanovich herdou o circo e as tradições e viveu intensamente até falecer em 1995, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Amália diz que nunca pensou em deixar a vida circense, nem de fechar o circo após ficar viúva.

“Eu não podia deixar o circo morrer. É uma tradição que só quem tem sangue de circense na veia entende. Eu entrei nessa vida e acho que nada é por acaso, por isso dei continuidade ao trabalho da família Stevanovich. Faço meu trabalho com muito amor e carinho para atender adultos e crianças”, conta.

Em 2002 o circo Norte Americano passou a se chamar Le Cirque, “a família de Luiz era de franceses e ioguslavos, daí veio a inspiração para o nome atual do circo”, explica.

Amalia Stevanovich com a elefanta Madras, uma vida inteira dedicada a fazer a alegria das pessoas.

Um circo diferente

O slogan do Le Cirque é “Um circo diferente” e a proprietária do negócio justifica, “nosso espetáculo é de primeiro mundo. Eu quis fazer uma coisa diferente. Como a locução da apresentação ficou malhada, é coisa do passado, o Le Cirque não tem apresentador.

O espetáculo envolve o público, pois conta com o elemento surpresa. Entra uma atração após a outra. E enfim, nossa estrutura comporta 2300 pessoas sentadas confortavelmente em cadeiras e em camarotes, para poderem apreciar a apresentação”.

Outro diferencial é que o público participa do espetáculo, os palhaços chamam as famílias para participarem das brincadeiras e todos podem alimentar as girafas. “Nós misturamos a arte circense com a apresentação dos animais e somos o único circo da América Latina que tem um rinoceronte”, finaliza Amália.

Robert Stevanovich e o rinoceronte Thor, amor pelos animais como se eles fossem da família.

Vida Mambembe

Os filhos de Luis Stevanovich Junior, Stefany, Emilian e Estevão, vivem de cidade em cidade, acompanhando os pais. Luis, George e Robert, três dos quatro filhos de Amália trabalham atualmente no circo da família. Augusto Stevanovich, o terceiro filho do casal é proprietário de um circo em Fortaleza.

O Le Cirque percorre todo Brasil, além de realizar turnês nos países latinos americanos. Geralmente os 26 artistas e 69 funcionários ficam de dois a três meses em cada local. Geralmente são percorridas as cidades grandes, pois muitos locais não oferecem estrutura para acomodar um circo grande.

Logo que chegam em uma cidade além de procurar a prefeitura para regularizar a estadia do circo, fazer contato com fornecedores de ração, a família Stevanovich procura escola para as crianças..

Driblando as dificuldades

A vida artista de circo é levar alegria para as pessoas, mas a realidade circense é difícil, muitos são os obstáculos que precisam ser superados para se continuar nesse ramo. “O circo sobrevive da união da família. Se não houverem laços, o circo não vai para frente”, declara Amália Stevanovich.

Uma das maiores dificuldades na manutenção do circo é conseguir driblar as despesas, e os maiores custos vêm da criação dos animais. Somente para alimentar os quatro elefantes, os dois camelos, as duas girafas, o rinoceronte, a zebra, os dois jegues e os seis pôneis são gastos muitos quilos de comida e cerragem para forrar as cocheiras.

Segundo Robert, são necessários para alimentar diariamente os animais: 120 kg de farelo de trigo, 360 kg de alfafa, 750 kg de cana-de-açúcar, 640 kg de ração e 170 kg de cenoura.

Além de aveia, e incontáveis litros de água. “O custo é muito alto, por isso nós vivemos para o circo e a família toda tem que trabalhar para ajudar”, diz Robert. A cana-de-açúcar vem de Santa Catarina e são consumidas pelos elefantes. A alfafa vem de um fornecedor fixo de Bandeirantes, norte do Paraná.
volta ao topo


O Le Cirque já passou pela Argentina e Uruguai, também em várias capitais brasileiras, Vitória (08/2001), Rio de Janeiro (2001), Recife (02/2002), Natal (05/2002), Salvador (2002), Brasília (03/2004) e Curitiba (11/2004)... Depois não soube mais...

Dividido em duas filiais, o “Le Cirque” foi criado em 1999, na França. Ligado ao Circo Divert, fixo em Paris, saiu de lá direto para Buenos Aires, e da Argentina veio ao Brasil. Já recebeu prêmios, destacando-se o Troféu Picadeiro de melhor circo de 2001 no Brasil.

Do lado esquerdo, George dono do circo “Le Cirque”. Foto de Isaumir Nascimento – Século O Diário, Vitória – Espírito Santo (08/2001). Do lado direito, foto de Iano Andrade – Tribuna do Norte, Natal – Rio Grande do Norte (10/05/2002).

O circo possui duas girafas machos (“Kim” e “Chico ou Tico”), ambas foram adquiridas no Zoológico de Los Angeles, em 1998... “As girafas, por exemplo, interagem com o público”, diz George Stevanovich, dirigente do circo.

“Tico” pegando comida do público e Jorge com a girafa “Tico”.

volta ao topo

Ah! Você sabia que a expressão brasileira “ser de circo” quer dizer que a pessoa é esperta e tem muita experiência?

– Eu ganhei um exemplar do jornal (reproduzido acima) da própria dona Amália, assim como um pacote de pipocas, algumas fotos das girafas (as duas acima) e ainda assisti ao espetáculo gratuitamente, em Curitiba (11/2004). Agradeço a dona Amália e aos seus filhos, sobretudo ao George, pela atenção e carinho... Le Cirque – Telefones: (41) 225-3937 (Cláudia) ou 9611-4219.

– Em junho de 2008 soube pela internet que no dia 06/04/2008, domingo pela manhã, ocorreu o velório de Amalia Stevanovich, no cemitério do Araça... O Brasil perdeu uma grande guerreira circense...

APREENSÃO DE ANIMAIS

Entrada principal !
Última atualização: 11/06/2013.
volta ao topo

ZOOLÓGICOS DO BRASIL MAPA GIRAFAMANIA
MAPA GIRAFAMANIA