This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

HISTÓRIA DA RÚSSIA

Os vikings estabelecem-se na região no século IX e fundam as cidades de Kiev e Ninji Novgorod. No século XIII, os mongóis, liderados por Gengis Khan, conquistam a maior parte do território. No século XIV, Moscou torna-se o núcleo da nação russa.

Os ideais expansionistas de Ivan IV, o Terrível, surgem no século XVI, quando adota o título de czar, inspirado no césar latino. Ivan submete a classe aristocrática dos boiardos (abaixo dos príncipes reinantes na hierarquia nobiliárquica russa) à centralização do Estado e expande o domínio de Moscou.

No século XVIII, Pedro I – “o Grande” (1672-1725), promove amplo programa de modernização e funda a cidade de São Petersburgo, que passa a ser a capital do Império, em 1712. Nota: Ele é mostrado no Primeiro Selo da Rússia; também em uma folhinha de Granada...

Copied from University of Texas Portrait Gallery.

No reinado de Catarina II, “a Grande”, no final do século XVIII, a Rússia participa, com a Áustria e a Prússia, da partilha da Polônia, tornando-se a maior potência da Europa Oriental.

Os czares governam com poderes absolutos e o regime de servidão é abolido apenas em 1861. A aristocracia é riquíssima, enquanto a grande maioria da população vive na miséria. Cristãos ortodoxos, os czares russos estimulam o anti-semitismo e patrocinam “pogroms” – atos de violência coletiva contra os judeus.

Com a industrialização acentuada do país a partir de 1890, surgem os centros operários urbanos e os primeiros grupos de inspiração marxista, dos quais o mais importante é o Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR).

Em 1905, a derrota da Rússia na guerra contra o Japão pela posse da Manchúria (Mandchuria) desencadeia um movimento revolucionário que enfraquece o regime do czar Nicolau II (foto página Fabergé), obrigando-o a limitar seus poderes.

Isso, mais as pesadas perdas humanas e materiais sofridas na guerra desgastaram o czarismo e estimularam os movimentos revolucionários russos...

O Czar Nicolau Alexandovitch Romanov assumiu o trono russo em 1º de novembro de 1894, sucedendo ao pai Alexandre III. Seu reinado autocrático gerou grande descontentamento popular e ficou marcado por conflitos externos, como a Guerra Russo-japonesa (1904/5) e a Primeira Grande Guerra (1914/1918)...

Também, internamente, por sangrentas revoluções, a exemplo das ocorridas em 1905 e 1917, a última das quais o forçou a abdicar ao trono em março, levando-o a trágico fim, ao ser fuzilado pelos bolcheviques, em Escaterineburgo, no dia 17 de julho de 1917, junto com a esposa e os filhos (veja a foto).

A derrubada russa na I Guerra Mundial acaba definitivamente com o czarismo: em março de 1917 (fevereiro, segundo o calendário juliano), Nicolau II é derrubado, na chamada Revolução de 1917. Esta, é liderada pela ala moderada (menchevique) do POSDR e substitui a Monarquia por uma República parlamentar.

São formados os sovietes – assembleias de operários, camponeses e soldados fortemente influenciados pela ala radical (bolchevique), que mais tarde daria origem ao Partido Comunista. O novo governo, porém, ao insistir na participação da Rússia na guerra, perde o apoio popular, e os sovietes constituem uma alternativa ao governo provisório menchevique.

Regressando do exílio, o líder bolchevique Lênin lança a famosa palavra de ordem “Todo o poder aos sovietes”. No dia 07/11/1917 (25 de outubro pelo calendário juliano), uma insurreição liderada pelos bolcheviques leva ao poder um governo revolucionário encabeçado por Lênin. Apenas em um segundo momento os radicais (bolcheviques), que dariam origem ao Partido Comunista, subiram ao poder, na Revolução Bolchevique.

Seu líder era Vladimir Ilitch Ulianov, conhecido pelo apelido de Lênin, que se tornaria o patrono da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), formada em 1922, agrupando territórios antes pertencentes ao império russo. O selo (abaixo), emitido em 1987 (Scott: 5594), mostra Trotsky, Lênin e Dzershinski sobre um mapa de Moscou, “On the Eve of the Storm”, de V. V. Pimenov.

volta ao topo

No regime comunista, Lênin distribui terras a camponeses e transfere a representantes dos operários o controle das indústrias... O domínio total sobre o país, no entanto, só é alcançado após quatro anos de guerra civil, durante a qual o Exército Vermelho (bolchevique), criado pelo líder Leon Trótski, enfrenta várias forças de oposição – mencheviques, czaristas, Forças Armadas de potências estrangeiras e grupos nacionalistas de etnias não-russas.

Em 1922 é criada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), reunindo os territórios que antes pertenciam ao Império Russo sob o regime comunista. Lênin – um dos principais líderes da Revolução Russa, discursou para o povo na Praça Vermelha, em comemoração ao primeiro aniversário da Revolução, 01/05.

Lênin – Revolucionário e estadista russo (1870-1924). Vladimir Ilitch Ulianov nasce em Simbirsk, atual Ulianovsk. Em 1891 forma-se em direito na Universidade de Kazan. Muda-se para São Petersburgo aos 23 anos, onde se dedica à propaganda comunista nos bairros operários. É preso e deportado para a Sibéria, ficando lá até 1900. No ano seguinte parte para a Suíça e lança o jornal Iskra (A Centelha) sob o pseudônimo Lênin. Ainda no exílio ajuda a fundar o Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR) e participa da criação do jornal clandestino Pravda (A Verdade). Em 1916 escreve O Imperialismo, Etapa Superior do Capitalismo. Retorna a seu país logo após a deposição do czar Nicolau II, chefia o golpe bolchevique de outubro de 1917 e funda a URSS. Critica as deformações de comportamento na militância no livro O Esquerdismo, Doença Infantil do Comunismo (1920). Em 1923 sofre um derrame que o deixa paralítico. Morre no ano seguinte, em Gorki, atual Ninji Novgorod.


Stalinismo

Com a morte de Lênin, em janeiro de 1924 (dois anos depois), Josef Stálin afasta todos os seus rivais na luta sucessória, em particular Trótski, e assume o controle do Partido Comunista e do governo soviético. Sua política de coletivização forçada das terras, a partir de 1929, provoca a morte de pelo menos 10 milhões de camponeses por fome ou execução. Stálin combate também as tendências autonomistas dos povos não-russos.

Com os Processos de Moscou, iniciados em 1936, em que julgamentos sumários podiam resultar em penas que iam da deportação ao fuzilamento, Stálin leva à morte a grande maioria dos antigos dirigentes bolcheviques. Enfim, ele promoveu a coletivização forçada de terras, assassinatos em massa, deportações e perseguições a outros líderes bolcheviques, como Leon Trótski – o qual foi assassinado em 1940, no México.

Entretanto consolidou o regime, construíu enormes edifícios e conseguiu deter o avanço dos exércitos nazistas em 1943, fato que mudou o curso da Segunda Guerra Mundial. O selo (abaixo) emitido em 1947 (Scott: 1151), comemora o décimo aniversário do Canal Volga-Moscou. Com cerca de 80 milhas entre Volga até Moscou, o selo mostra 11 locks numerados...

Josef Stálin – Político soviético (1879-1953). Um dos principais líderes revolucionários da Rússia. Josef Vissariónovitch Diugachvíli nasce em Gori, na Geórgia. Militante do partido social-democrático, é preso várias vezes e deportado para a Sibéria. Nessa época adota o nome de Stálin – homem de aço. Em 1917 participa da revolução bolchevique na Rússia. Secretário geral do Partido Comunista (PC), sucede Lênin após sua morte, em 1924, derrotando Trótski.

Nos anos 30 assume poderes ditatoriais, iniciando o regime político conhecido como stalinismo, e elimina os opositores. Em 1939 assina com Adolf Hitler um pacto de não-agressão e de divisão da Polônia. Quando a Alemanha invade a URSS, em 1941, torna-se um dos chefes da coalizão antinazista, junto com Franklin Roosevelt e Winston Churchill.

Nota: no CDAbril há uma foto que mostra Stálin, Roosevelt e Churchill, os três grandes chefes das Forças Aliadas durante a II Guerra Mundial. O chamado encontro dos “três grandes”, em Teerã, capital do Irã, entre novembro e dezembro de 1943, é decisivo para o fim da guerra. O acordo resultando do Encontro de Teerã permite a ofensiva coordenada dos Aliados contra as tropas do Eixo: Alemanha, Itália e Japão.

Após sua morte, ocorrida em Moscou, seus crimes são denunciados oficialmente no 20º Congresso do Partido Comunista da URSS (PCUS), em 1956. Em 1997 divulga-se que, de 1906 a 1910, Stálin forneceu informações à polícia secreta do czar Nicolau II, colaborando com a repressão aos esquerdistas.

Leon Trótski tem decisiva atuação na Revolução Russa de 1917. Organiza e comanda a milícia popular revolucionária, conhecida como Exército Vermelho. Em 1924, é acusado de fomentar a oposição dentro do partido bolchevique, do qual é excluído 3 anos depois. Por ordem do líder soviético Josef Stálin, é assassinado em 1940 na cidade mexicana de Coyacán, onde vivia exilado.

Revolucionário e teórico político russo (1879-1940). Seu nome verdadeiro é Lev Davídovitch Bronstein. Nasce em Ianovka, na Ucrânia, numa família de agricultores judeus, e combate o regime czarista desde os 17 anos. Preso e deportado para a Sibéria, consegue fugir e exila-se na Áustria. Vai depois para Londres, onde conhece Lênin. Em 1905 retorna para participar da revolta contra a Monarquia. Preside o Soviete de Petrogrado até a derrota da Revolução de 1905. Novamente deportado para a Sibéria em 1907, foge e fica no exílio até março de 1917. Com a vitória bolchevique na Revolução Russa, torna-se comissário das Relações Exteriores e assina um acordo de paz com a Alemanha. Em 1918, organiza o Exército Vermelho na guerra civil com os contra-revolucionários. Com a morte de Lênin, em 1924, disputa o poder com Josef Stálin e é derrotado. Expulso do Partido Comunista em 1927, é deportado para a Turquia em 1929. Passa por vários países até chegar ao México, em 1937, onde trê anos depois é assassinado por um golpe de machado, desferido pelo agente secreto stalinista Ramón Mercader, a mando de Stálin...


Em junho de 1941, a Alemanha nazista invade a URSS. O avanço das tropas alemãs em território russo só é interrompido em 1943, na Batalha de Stalingrado, quando uma contra-ofensiva muda o curso da II Guerra Mundial. Em 1945, a URSS emerge como a segunda maior potência do mundo, submetendo a seu controle todo o Leste Europeu. A economia, no entanto, está arruinada...

Apesar de ter tido 20 milhões de soviéticos mortos, a vitoriosa Rússia emergiu do conflito como segunda potência mundial. Colocou sob seu domínio, a ferro e fogo, os países do Leste Europeu. No período conhecido como Guerra Fria, a tensão com os americanos vai se elevando. O ápice ocorre em 1962, quando a URSS e os Estados Unidos estiveram à beira de desencadear um conflito nuclear, pelo fato de Nikita Kruschev tentar instalar mísseis em Cuba. Sob a linha-dura de Leonid Brejnev, os soviéticos fizeram intervenções militares na Checoslováquia (1968) e no Afeganistão (1979).

volta ao topo

Os EUA reagem ao poder soviético, comprometendo-se a impedir a expansão comunista. O mundo é dividido em dois grandes blocos geopolíticos antagônicos, dando início a um processo que passou à história como Guerra Fria. Após a morte de Stálin, em 1953, uma junta liderada por Nikita Kruchov sobe ao poder. Três anos depois, em um “relatório secreto” ao 20º Congresso do Partido Comunista, Kruchov denuncia os crimes de Stálin.

É o começo do “degelo”, período em que, sob a liderança de Khruchov, os soviéticos desfrutam moderada abertura política... O novo clima propicia o surgimento de uma revolução anti-soviética na Hungria, entre outubro e novembro de 1956, esmagada por tropas do Pacto de Varsóvia.

No quadro da Guerra Fria, o confronto entre a URSS e os EUA coloca o mundo à beira de um conflito nuclear, em outubro de 1962, quando Kruchov tenta instalar mísseis nucleares em Cuba. A crise só é encerrada depois que a URSS aceita retirar os mísseis. Em 1964, um golpe no interior da cúpula dirigente derruba Kruchov e leva Leonid Bréjnev ao poder. Com o novo governo há endurecimento político e corrupção.

Em 1968, a URSS esmaga o processo de democratização da Tchecoslováquia, conhecido como “Primavera de Praga”, pondo em prática a Doutrina Brejnev, pela qual Moscou passa a intervir militarmente onde o modelo ou a influência soviética estiver sob ameaça. A mesma doutrina leva à intervenção militar no Afeganistão, em 1979, que se prolongaria por dez anos...

Em 1982, quando morre Bréjnev, o regime soviético mostra sinais claros de fragilidade, expressos até mesmo na condição física de seus dois efêmeros dirigentes. Iuri Andrópov, que sucede Bréjnev, morre 15 meses depois de assumir o cargo. Konstantin Tchernenko, que o substitui, sobrevive por apenas 13 meses.

O sucessor de Tchernenko, Mikhail Gorbatchov, no poder a partir de março de 1985, dá início ao processo de reformas que resultaria no fim da URSS seis anos mais tarde. São duas as palavras de ordem de Gorbatchov: “glasnost” (em russo, abertura e transparência) e “perestroika” (reestruturação).

A primeira representa notável abrandamento da censura, e a segunda introduz critérios de eficiência na gestão da economia, seriamente prejudicada por décadas de inércia burocrática e corrupção. No plano das relações internacionais, Gorbatchov prega o esforço para o desarmamento e a ampliação do diálogo com os EUA.

O programa de abertura do país foi inaugurado no fim da década de 80 pelo último líder da era soviética, o carismático Mikhail Gorbachov (1931-). Só que ao permitir a expressão dos conflitos políticos, sociais, econômicos, regionais e étnicos há muito reprimidos, desencadeia reações que fogem ao seu controle. Uma crise de proporções inéditas conduz a sua própria queda e à dissolução da União Soviética, o colapso da URSS, em 1991...

Foto: Gamma.

O estadista soviético, Mikhail Serguéevich Gorbatchov, nasce em Stavropol e estuda direito em Moscou. Faz carreira no Partido Comunista em sua região e, em 1978, é eleito para o Comitê Central do partido. Em Moscou torna-se braço direito de Iuri Andrópov.

Em 1985, é eleito secretário geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS). Renova a cúpula dirigente, fortalece seu poder e dá início ao processo de liberalização interna do regime soviético. Durante o 27º Congresso do PCUS anuncia a perestroika e a glasnost. Os dissidentes são libertados e parte do poder do PCUS é transferida para as assembleias nas repúblicas que formam a URSS.

Presidente da República eleito pelo Soviete Supremo em 1989, termina com a Guerra Fria entre a URSS e os Estados Unidos. Um dos maiores símbolos do fim da disputa é a reunificação da Alemanha. Em 08/1991 sofre uma tentativa de golpe e em dezembro, a URSS vota a sua autodissolução, e Gorbatchov renuncia à Presidência. Desde então faz conferências e escreve para vários jornais do mundo...

As exigências de aceleração das reformas, rumo à democracia plena, conquistam apoio popular e minam as expectativas de Gorbatchov de controlar um gradual processo de abertura.

Cresce o prestígio do dirigente populista Boris Iéltsin, chefe do PC de Moscou, que em março de 1990 é eleito presidente do Soviete Supremo da URSS.

Apenas três meses depois, Iéltsin consegue aprovar no Parlamento uma Declaração de Soberania que estabelece a superioridade das instituições da Rússia sobre as da URSS na política do país, o que esvazia a autoridade de Gorbatchov. Isso estimula reivindicações autonomistas, que ganham força nas demais repúblicas da URSS.
volta ao topo


Fim da URSS

No dia 19/08/1991, setores conservadores do Partido Comunista e das Forças Armadas dão um golpe de Estado, prendem Gorbatchov e tentam restaurar a linha dura no governo da URSS. A firme oposição de Iéltsin e a mobilização da população de Moscou e Leningrado frustram a tentativa de golpe. Fortalecido, Iéltsin promove a desmontagem das principais instituições da URSS. Gorbatchov renuncia em 25/12/1991 e a URSS deixa de existir. É criada a Comunidade dos Estados Independentes (CEI), um fórum de coordenação entre as várias repúblicas sem um governo central.

Em 1992, Boris Iéltsin (1931-) anuncia um programa radical de desestatização da economia. A liberdade política e econômica é acompanhada pelas consequências da transição capitalista: inflação, recessão, desemprego e crescimento do crime organizado. Em dezembro renuncia o primeiro-ministro Egor Gaidar, responsável pelo programa radical de reformas, e sobe Viktor Tchernomírdin, de linha centrista.

Foto: Shone - Avala - Sipa Press.

O político russo, Boris Nikoláevitch Iéltsin, nasce em Sverdlovsk, atual Iekaterinburgo, e forma-se pelo Instituto Politécnico dos Urais. Entra para o Partido Comunista (PC) em 1961. No início dos anos 80 conhece Mikhail Gorbatchov, que o encarrega de eliminar a corrupção no partido durante a perestroika e a glasnost.

Cresce no aparelho partidário e conquista a simpatia da opinião pública. Em 1989 é eleito presidente do Parlamento russo e no ano seguinte abandona o PC. Em 1991 vence a primeira eleição direta e democrática para a Presidência, com 90% dos votos. No final do ano, com o apoio da população, opõe-se ao golpe da linha dura comunista contra Gorbatchov.

O fracasso do golpe o torna a figura mais popular e poderosa da política do país e apressa a dissolução da URSS. Em julho de 1996 reelege-se presidente da Federação Russa. Quatro meses depois é submetido a uma cirurgia cardíaca...

Em 1997 é lançado o livro Boris Iéltsin: da Aurora ao Anoitecer, escrito por Alexander Korzhakov, ex-chefe de segurança da Presidência russa. Korzhakov afirma que o presidente russo é um alcoólatra depressivo e que já tentou o suicídio mais de uma vez....

O ano de 1993 é marcado pelo confronto aberto entre o presidente Iéltsin e o Parlamento – um resquício da era comunista –, que se opõe a seu programa de reformas. O conflito culmina com a votação parlamentar da demissão de Iéltsin, violentamente respondida pelo presidente com o bombardeio da sede do Parlamento, em que morrem mais de 300 pessoas.

Respaldado pelas Forças Armadas e pelos EUA, Iéltsin reforma a Constituição e reforça seu poder. A grave crise econômica, social e política do país leva ao fortalecimento da extrema direita nas eleições legislativas de 12/1993. Com 24% dos votos, a organização neofascista e anti-semita liderada por Vladímir Jirinovski prega o retorno às fronteiras do Império Russo.

Em dezembro de 1994, Iéltsin ordena a intervenção militar na Chechênia, pequena república do Cáucaso, que se declarara independente em 1991. Em janeiro de 1995, um avanço desastrado das forças russas para tentar tomar a capital chechena, Grozny, termina com a morte de mais de cem de seus soldados. Moscou reage com um bombardeio maciço sobre Grozny, matando milhares de civis. Aos poucos, as forças russas vencem a resistência dos chechenos e tomam Grozny. Em abril de 1996, o líder rebelde checheno Jokar Dudayev é morto durante um bombardeio russo.

Nas eleições parlamentares de dezembro de 1995, os comunistas conseguem 22,3% dos votos e, com o apoio de pequenos partidos, obtêm maioria parlamentar. Em janeiro, politicamente enfraquecido após a vitória comunista, Iéltsin substitui vários ministros impopulares de seu governo que haviam sido alvo de críticas durante a campanha eleitoral. O governo russo emite sinais de endurecimento com o Ocidente, condenando a proposta dos EUA de expandir a Otan.

Apesar do agravamento de seu estado de saúde – Iéltsin sofre dois ataques cardíacos em 1995 –, o presidente anuncia em fevereiro de 1996 sua intenção de concorrer à reeleição. No primeiro turno, em 16 de junho, obtém 35,8% dos votos contra 32,5% do comunista Gennadi Ziugánov e 14,7% do general da reserva Aleksandr Lébed. Para ampliar a base de apoio, Iéltsin nomeia Lébed para os postos de secretário do Conselho de Segurança Nacional e assessor presidencial. Apesar de ter sofrido um novo ataque cardíaco entre os dois turnos, Iéltsin é reeleito em 3 de julho com 54% dos votos.

O precário estado de saúde de Iéltsin e a ambição presidencial do carismático Lébed alimentam novas disputas no governo. Em outubro, em meio a rumores de que preparava um golpe, Lébed é demitido por Iéltsin, que também promove um novo expurgo nas Forças Armadas. Em 5 de novembro, Iéltsin submete-se, com sucesso, a uma cirurgia para a implantação de cinco pontes de safena. A recuperação é prejudicada por uma pneumonia, que o faz passar os dois primeiros meses de 1997 em repouso.

Com a saúde restaurada, em março de 1997 Iéltsin trata de reforçar sua posição com nova reforma geral no gabinete, em que ganha poder o recém-nomeado vice-primeiro-ministro para reformas econômicas, Anatoli Chubais. Nos meses seguintes, amplia a influência de outros políticos de confiança, como Boris Nemtsov, também vice-primeiro-ministro, e sua filha Tatiana Dyachenko, assessora especial para cuidar da sua imagem.

Em outubro, contrariando apelos internos e externos, o presidente assina uma lei que concede privilégios à Igreja Ortodoxa Russa e dificulta a atuação das demais religiões no país... No plano externo, em abril de 1997, Federação Russa e Belarus assinam um tratado de união e cooperação que fica aquém da anunciada unificação dos dois países.

No mesmo mês, Federação Russa e China divulgam seu primeiro documento importante desde o fim da Guerra Fria, comprometendo-se a reduzir tropas nas fronteiras e assinalando pontos comuns em política externa. Em maio, Iéltsin e o presidente checheno Aslan Maskhadov firmam no Kremlin um tratado que põe fim ao conflito entre russos e chechenos.

Em 27/05/1997, Iéltsin assina em Paris um acordo de cooperação estratégica com a Otan, aceitando, enfim, a entrada de países do antigo bloco comunista na organização. Em junho, pela primeira vez, participa em Denver, nos Estados Unidos, de uma reunião de cúpula do Grupo dos 7 (G-7), transformada em Cúpula dos 8 ou Grupo dos 8...

GIRAFAMANIA
Última atualização: 10/11/2012.
volta ao topo

RÚSSIA
PAÍSES DA EUROPA