This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

Vasco da Gama (1469-1524)

Os primeiros selos comemorativos da África Portuguesa e da Índia Portuguesa, ambos foram emitidos em 1898 e marcam os 400 anos de Vasco da Gama ou 4º Centenário do Descobrimento do Caminho Marítimo das Índias. Selos idêntidos foram emitidos em Macau e Timor...

Calecute ou Calicute (na Índia) foi o porto indiano onde o navegador Vasco da Gama chega em maio de 1498...

Na ocasião, o governo português atribuiu a uma comissão, especialmente designada, a organização dos festejos nacionais em honra dos navegantes intrepidamente chefiados por Vasco da Gama: daí os selos “vascaínos”.

Abaixo (do lado esquerdo da tela), o primeiro selo da África Portuguesa, emitido em 1898 (Scott: 1, SG: 1), com valor facial de 2½ réis, ele é também o primeiro selo comemorativo e similar ao da Índia Portuguesa. Do lado direito da tela, o primeiro selo comemorativo da Índia Portuguesa, emitido em 1898 (Scott: 189, SG: 275), com valor facial de 1½ réis.

A nau capitânea da expedição era chamada de São Gabriel (o Arcanjo Gabriel foi o patrono da nau de Vasco da Gama), enquanto outras levavam nomes entre os quais São Rafael (o Arcanjo patrono da nau do irmão de Vasco, Paulo da Gama) e Berrio...

Nota: São Gabriel é patrono das comunicações e seu dia é comemorado em 29/09... Veja mais selos com essa nau na página de Niassa!

O primeiro selo comemorativo de Angola foi emitido em 1938 (Scott: 274, SG: 383), com valor facial de 1 c (oliva), ele mostra Vasco da Gama (lado esquerdo da tela). Antes disso, em 1924 foi emitido um selo (SG: 317), remarcado em um selo da Colônia de Moçambique (lado direito).

volta ao topo

Vasco da Gama nasceu em 1469 at Sines, Portugal. Em julho de 1497, Vasco da Gama voltou à Portugal com quatro vessels, sailed around o Cabo da Boa Esperança (na África do Sul) e landed em Calicute em 1498. Ele foi forçado to leave Calicute by the Moors, mas ele retornou em 1502 e opened the east to trade com a Europa...

Acima, selos de Portugal (Scott: 1056 e 1058). Abaixo, selo da Bósnia (Scott: 275) e selo de Moçambique (Scott: 490).


CURIOSIDADE

1998 – Erro Filatélico de 100 Anos nos Caminhos Marítimos

Em 04/09/1998, Macau emitiu uma série de 3 selos e 1 bloco (Yvert Bloco: 55): “Vasco da Gama – Caminhos Marítimos”, em comemoração aos 500 anos de aniversário do retorno de Vasco da Gama à Portugal...

Nota: Folhas com 12 selos. Bloco (Souvenir Sheet) com 1 selo no valor facial de $8.00. Designer: Victor Marreiros. Medidas: 40 × 30 mm. Perfuração: 12 × 12.

Scott: 928a.

Entretanto a data do selo estava incorreta (selos acima): 1598. A série foi reemitida com a data corrigida para 1498 (selos abaixo).

Scott: 945a.

Repare nas datas dos blocos: 1598-1998 (errada) e 1498-1998 (correta).

http://sio.midco.net/danstopicalstamps/

volta ao topo

Pedro Álvares Cabral (1467-1520)

A imagem do lado esquerdo da tela mostra um selo regular que compreende a série “Alegorias da República”, utilizado em 10/11/1906-1917, com valor facial de 50 réis (verde escuro), ele mostra a efígie de Pedro Álvares Cabral. RHM: 138.

Em 22/04/1968 foi emitida a série 5º Centenário de Pedro Álvares Cabral. Valores faciais: Frota (NCr$ 0,10) e 1ª Missa (NCr$ 0,20) – selo emitido em 11/07. RHM: C-595/C-596. Variedades com impressão no verso: C-595A/C-596A, C-596B (sem picote horizontal – parte inferior da folha).

Pedro Álvares Cabral é o segundo filho dos senhores do Castelo e das terras de vila Belmonte, na Beira-Baixa. A história de sua família é semelhante à da maioria da nobreza portuguesa: cavaleiros e soldados, inclusive mercenários, que conquistam títulos e terras na luta pela reconquista do território aos muçulmanos e, num segundo momento, nas guerras contra Castela que levam a casa de Avis ao trono português. Pedro Álvares muda-se para a corte aos 11 anos. Estuda literatura, história e ciências, cosmografia, marinharia e as artes militares. Aos 16 anos é nomeado fidalgo da corte de Dom João II.

No reinado de Dom Manuel, passa a integrar o Conselho do Rei, é admitido na Ordem de Cristo – uma distinção entre os nobres – e recebe uma pensão anual. Aos 33 anos é escolhido para comandar a segunda expedição às Índias. Depois de alcançar as terras brasileiras, retoma a rota de Vasco da Gama... Aporta em vários reinos africanos (quais eu não sei?), estabelece relações com os poderosos locais e chega a Calicute, na Índia, em 13/09/1500. Ao voltar à Lisboa, dia 06/06/1501, é aclamado herói. Porém, sua glória dura pouco... Desentende-se com o Rei sobre o comando da próxima expedição às Índias, programada para 1502. Vasco da Gama é escolhido para comandar a esquadra, e Cabral desaparece do cenário político...

Esquadra de Cabral

Pedro Álvares Cabral foi um fidalgo e navegador português, comandante da segunda viagem marítima da Europa à Índia, viagem em que se descobriu o Brasil, em 22/04/1500. Foi a maior e mais bem equipada armada do século XV. Integrada por dez naus e três caravelas, transporta de 1.200 a 1.500 homens, quase 3% da população de Lisboa, na época com cerca de 50 mil habitantes.

São representantes da nobreza, comerciantes, artesãos, religiosos, alguns degredados e soldados. Participa da expedição um banqueiro florentino, Bartholomeu Marquione, elo de ligação entre a Coroa portuguesa e Lourenço de Medici, o senhor de Florença. Era integrada por navegadores experientes, como Bartolomeu Dias e Nicolau Coelho, tendo partido de Lisboa a 09/03/1500.

É essa expedição que ele “acha” o Brasil...

Após 43 dias de viagem, tendo-se afastado da costa africana, avistou o Monte Pascoal no litoral sul da Bahia. Em 22/04/1500, Pedro Álvares Cabral chega à costa do Brasil e reivindica a terra para Portugal.

Por muito tempo, o descobrimento do Brasil, ou “achamento”, como registra o escrivão Pero Vaz de Caminha, é considerado simples acaso, resultado de um desvio de rota...

A esquadra portuguesa avista sinais de terra dia 21 de abril pela manhã, segundo a carta de Pero Vaz de Caminha: “...eram muita quantidade de ervas compridas a que os mareantes chamam botelho, assim como outras a que dão o nome de rabo de asno”.

Na manhã seguinte, 22 de abril, avistam aves e “... neste dia, a horas de véspera, houvemos vista de terra! Primeiramente de um grande monte, mui alto e redondo; e doutras serras mais baixas ao sul dele, e de terra chã...”

Na manhã do dia 23, procuram uma área abrigada dos ventos para o desembarque – um porto seguro. Por muito tempo, esse local é confundido com a atual cidade de Porto Seguro, na Bahia...

A partir de 1940, vários historiadores brasileiros e portugueses reestudam a questão, concluindo que o verdadeiro local do desembarque é a Baía Cabrália, ao norte da cidade de Porto Seguro (também passam a defender a tese da intencionalidade da descoberta, hoje, amplamente aceita).

No dia 26 de abril, frei Henrique de Coimbra, capelão da esquadra, celebra a primeira missa na nova terra, no local hoje conhecido como Coroa Vermelha – na época um ilhéu, atualmente um promontório.

Cabral toma posse formal do novo território em nome da casa real portuguesa em 1º de maio. No dia seguinte, a esquadra parte rumo às Índias. Uma nau volta a Portugal com as cartas dos pilotos, inclusive a de Caminha, que relatam a descoberta ao rei. Ficam em terra dois desertores e dois marinheiros com a missão de aprender a língua dos nativos...

Considerada a princípio uma ilha, mas antes de chegar em terra firme, Cabral chamou a região de Monte Pascoal. Depois, o território se chamou Terra de Vera Cruz. No curso da exploração, muitos cabos e baías foram batizados. A Terra de Vera Cruz passou a chamar-se Santa Cruz e, finalmente, Brasil, em alusão ao pau-brasil, árvore comum na região.

Em mapas da época e relatos de viagem aparece como Terra dos Papagaios, aves que os europeus consideram exótica, e também de Terra dos Brasis, devido à abundância da árvore pau-brasil...

Em 22/04/2000 foi emitida uma série em folha com 20 valores (mais 4 vinhetas posicionadas nos 4 cantos da folha) “500 Anos do Descobrimento do Brasil”, com valor facial de R$ 0,45 centavos cada selo. RHM: C-2255/C-2274.

Redescobrimento do Brasil (Richard Devos e Estevam)
Homenagem ao Chacrinha – Abelardo Barbosa (Valéria Faria)

Brasil – A Primeira Visão (Alberto José Lôbo Ferreira)
Etnia Brasileira (André Gomes)
Senna (Luiz Gonzaga Fonseca dos Santos)
Fauna e Flora – Riqueza Nacional (Alan Magalhães)

Mapa do Brasil (Roberto Carlos Oliveira Araújo)
Pomba da Paz (Luiz Carlos de Abreu Pêgo)
Kayapó (Eduardo Carvalho dos Santos)
Naus do Descobrimento (Vera Lúcia Braun Galvão)

Arte Plumária Carajá (Adriano Dlugosz)
Meu Brasil (Nataly M.N. Moriya)
Alberto Santos Dumont (Ricardo de Cristofaro)
Rumo ao Descobrimento (Maria Maximina Tavares Rodrigues)

Conquista do Brasil nas Copas do Mundo (Rodney Miranda Magalhães)
Assim a Luz se fez necessária (Roberto Yassuo Ito e Hector Wagner Consani)
Bumba-Meu-Boi (Fábio Castejon Resende)
Ararajuba (Cândida Cruz)

Máscaras Bakairi (Marcia Matsico Tibana)
Chegada dos Portugueses a Porto Seguro (Solange H. A. Magalhães)

volta ao topo

Américo Vespúcio (1454-1512)

Itália 1954: Selos italianos alusivos a Vespúcio... Francobollo commemorativo del V centenario della nascita di Amerigo Vespucci 1454-1954... NT

Páginas de Girafamania relacionadas:
Datas Comemorativas do Brasil
Marco Polo; Fernando de Noronha (ratos), livros noronhenses; Ilhas Malvinas (1502)

10/05/2010 – Bloco com 2 valores iguais de 2,40 reais (BRL), “Presença Italiana no Rio de Janeiro – 500 Anos de Arraial do Cabo – Américo Vespúcio” (Diplomatic Relations series – Brazil-Italy – Amerigo Vespucci). Edital: nº 7. Arte: Maria Maximina. Processo de Impressão: Ofsete. Folha: Bloco com 02 selos. Papel: cuchê gomado com fosforescência. Valor facial: R$ 2,40 cada selo. Tiragem: 150.000 blocos. Dimensões do selo: 40 × 30 mm. Dimensões do bloco: 70 × 110 mm. Picotagem: 11,5 × 12. Local de lançamento: Arraial do Cabo/RJ e Curitiba/PR. Código de comercialização: 852100744.

Nesta emissão, em prosseguimento à Série Relações Diplomáticas, é homenageado o navegador florentino Américo Vespúcio, descobridor, em 1503, de Arraial do Cabo, cidade brasileira localizada no litoral do Estado do Rio de Janeiro, famosa por suas belas praias e pela suavidade do seu clima. Américo Vespúcio, filho de uma das famílias florentinas mais importantes da época, nasceu na capital cultural da Europa, Florença, Itália, em 09/03/1454, e faleceu em Sevilha, Espanha, em 22/02/1512.

Vespúcio, grande personalidade histórica mundial, foi estimulado a chegar às Índias navegando na direção oeste. Para tanto, participou da expedição de Alonso de Ojeda, entre 1499 e 1500, e aceitou contornar o litoral do continente sul-americano, por ordem do rei de Portugal, D. Manuel I. Percorreu o litoral brasileiro entre 1501 e 1502, com o objetivo de investigar as potencialidades econômicas e explorar a recém descoberta costa do Brasil. Em agosto de 1501, os tripulantes avistaram terra firme e continuaram a percorrer a costa na direção sul, até entrar, em 01/01/1502, na baía do Rio de Janeiro.

Partindo de Lisboa em 17/08/1501, na expedição de Gaspar de Lemos, constituída por três naus, Vespúcio alcançou o Cabo de São Roque e, provavelmente, desceu o litoral até a Patagônia. Como era costume, foram sendo denominados, os locais descobertos, em sua maioria, com nomes católicos: Cabo de São Roque (atual município de Maxaranguape, Rio Grande do Norte), o Cabo de Santo Agostinho, o Rio São Francisco, a Baía de Todos os Santos (em função da chegada ao local em 1º de novembro, no Dia de Todos os Santos, originando o nome do atual Estado da Bahia) e o Cabo de São Tomé no Rio de Janeiro (40 km a sudeste do município de Campos), nesse mesmo ano. Em janeiro de 1502, o Rio de Janeiro, Angra dos Reis, São Sebastião, São Vicente e, por fim, Cananeia, os três últimos locais citados, no atual Estado de São Paulo. Em seguida, prosseguiu sua viagem rumo ao Rio da Prata.

Vespúcio retornou ao Brasil entre 10/06/1503 e 18/06/1504, comandando um navio da frota de Gonçalo Coelho, chegando ao litoral nordestino (Fernando de Noronha em 10/08/1503) e, mais tarde, ao litoral do Estado do Rio de Janeiro, na região do Arraial do Cabo Frio, antiga Praia da Rama, hoje, Praia dos Anjos. Conhecida como Paraíso do Atlântico e Capital do Mergulho, Arraial do Cabo foi emancipado de Cabo Frio em 13/05/1985. Alguns historiadores afirmam que foi, de fato, a primeira feitoria no Brasil. De volta a Lisboa, afirmou haver estado em um novo mundo, ao qual chamou Novus Orbis, porque os antigos o desconheciam.

A popularidade trazida pelas narrativas de suas viagens converteu-o em um dos autores mais vendidos à época, mediante o primeiro texto impresso sobre o Brasil, Mundus Novus, publicado em torno de 1503-1504, em que o autor nos relata, maravilhado: “E se no mundo existe algum paraíso terrestre, sem dúvida não deve estar muito longe destes lugares”. Em 1505, naturalizou-se espanhol e, de 1508 até sua morte, em 1512, em Sevilha, foi o piloto-mor da Casa de Contratação das Índias.

O Projeto de Intercâmbio Arraial do Cabo – Brasil & Firenze – Itália, propiciou maior aproximação entre os Governos Italiano e Brasileiro, culminando com a realização do evento “Presença Italiana no Rio de Janeiro – 500 Anos de Arraial do Cabo – Américo Vespúcio”, em 2003, marco expressivo das homenagens à Itália, Arraial do Cabo, e a esse importante navegador, personalidade vulto da história da humanidade. Em março de 2010, a Câmara Municipal de Arraial do Cabo constituiu a “Comissão Permanente Amerigo Vespucci 500 Anni (1454/1512-2012)” para efetivar as ações comemorativas e de um “Gemellaggio” (acordo internacional de cidades coirmãs) com Firenze, cidade natal do patrono da cidade.

Leonel Ribeiro – Coordenação Progetto/Fórum Amerigo Vespucci 500 Anni

Sobre o Selo: Os elementos usados no bloco, sobre um fundo azul, remetem à vida de Américo Vespúcio. São mapas, cartas, panoramas de Florença (Itália) e Arraial do Cabo (Brasil). Abaixo, à esquerda, uma imagem da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios, de 1506, construída em pau-a-pique, primeira igreja onde foi celebrada uma missa no Brasil e o Obelisco Américo Vespúcio, na Praia dos Anjos, que marca o local onde aportou, em 1503, a primeira armada portuguesa. Abaixo, à direita, o Pórtico de Arraial do Cabo e a logomarca do Ano da Itália no Brasil, que ocorrerá em 2011. O selo superior retrata o navegador florentino Américo Vespúcio ainda na juventude e, no inferior, sua imagem na maturidade, já reconhecido como desbravador do Novo Mundo, famoso, inclusive, por suas narrativas sobre as terras descobertas. Os selos mostram, também, caravelas típicas dos séculos XV e XVI. Foram utilizadas as técnicas de desenho vetorial, fotografia e computação gráfica.

Série de 2 selos + 1 bloco de 3 valores da Romênia emitido em 2004, cujos selos comemoram, respectivamente:

1 – 450 anos que Mercator realiza o grande mapa da Europa, Europae descriptio, 1554 (450 years Mercator prints the great map of Europe, 1554) e 400 anos que Hondius publica o Atlas Hondius-Mercator, 1604 (400 years Hondius publishes the Mercator Hondius Atlas, 1604).

Esta famosa gravura datada de 1619 foi adicionada em edições posteriores do Atlas Hondius-Mercator e mostra, com toda a parafernália de sua arte, ambos os flamengos: do lado esquerdo Gerardo Mercator e do lado direito Jodocus Hondius. Um mapa de parede da Europa aparece em segundo plano, assim como os instrumentos cartográficos e científicos. A justaposição é, talvez, a intenção de refletir a posição de Jodocus Hondius como sucessor assumido de Mercator, desde que ele adquiriu as placas de cobre do Atlas de Mercator em 1604 (alguns anos após a morte de Mercator). Para capitalizar sobre a fama de Mercator, ele tinha este retrato duplo produzido para ajudar a comercializar os seus Atlas impressos, mostrando o trabalho dos dois em colaboração...

2 – Vigésimo terceiro (23º) Congresso da UPU – União Postal Universal, ocorrido em Bucareste, capital da Romênia em 2004 (The 23th congress of the Universal Postal Union, 2004 Bucharest, Romania)

3 – Aniversário de 550 anos do nascimento de Américo Vespúcio, 1454-1512 (550 years from the birth of Americo Vespucci, 1454-1512)

Mas antes de tudo isso acontecer...

Zheng He, o grande navegador da Dinastia Ming (China), compreendeu Sete Expedições Marítimas... uma proeza sem precedentes na história da navegação marítima da China e do Mundo!

Veja a matéria de quando a China regeu os mares – Do Rio de Juncos aos Navios Tesouros!

GIRAFAMANIA
Última atualização: 17/05/2014.
volta ao topo

PÁGINA DE PORTUGAL LISTA DE PERSONALIDADES
MAPA GIRAFAMANIA