This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

BRASÍLIA (21/04/1960)

CAPITAL DE NOSSO PAÍS

Em uma das versões da história, há quem diga que a nossa Capital nasceu da profecia de um santo e do sonho de um visionário chamado Dom Bosco... Em 1883, este mesmo homem teria sonhado que entre os paralelos 15 e 20, no centro do país, nasceria uma nova civilização...

Mas, em outra versão conta-se que tudo começou antes de tal sonho, com uma carta enviada à Corte de Lisboa em 1821, por José Bonifácio de Andrada e Silva, na qual o autor preconiza: “Criar uma cidade central no interior do Brasil, para assento da Regência que poderá ser em 15° de latitude, em sítio sadio, ameno, fértil, e junto a algum rio navegável...”

Em 1822, os Deputados brasileiros apoiam José Bonifácio na ideia de interiorização da Capital e, um ano depois, ele teve a prioridade de sugerir o nome Brasília que pela primeira vez ocorrera no ano anterior, em escrito anônimo...

Desde esta época e mais de um século depois, muitas Constituições acolheram a ideia de transferência da Capital da República para o Planalto Central que outras tantas cartas advogavam. Porém, foi só em 1946 que a Constituição Federal consagra em definitivo a decisão – que aguardaria o seu executor...

Anos mais tarde, em uma campanha eleitoral pela Presidência da República, Juscelino Kubitschek ou “JK” mantém em cada localidade do nosso país um vivo diálogo com o povo, afim de ouvir-lhes suas aspirações e anseios...

E no dia 04/04/1955, em Jataí, uma pequena cidade de Goiás, JK foi inquirido por um popular se seria seu propósito construir a nova Capital no interior do país: “Cumprirei em toda a sua profundidade a Constituição e as leis. A Constituição consagra a transferência. É necessário que alguém ouse iniciar o empreendimento – e eu o farei”, responde o candidato.

Já presidente, em 1956, JK cria a Companhia Urbanizadora da Nova Capital – NOVACAP, “Com finalidade precípua de promover o planejamento e execução do serviço de localização, urbanização e construção da futura metrópole nacional”.

No mesmo ano, em setembro, foi declarado pelo júri e publicado em um edital o nome do vencedor do Concurso Nacional do Plano Piloto: o projeto do arquiteto Lúcio Costa, que nasceu “do gesto primário de quem assinala um lugar ou dele toma posse – dois eixos cruzando-se em ângulo reto, ou seja, o próprio sinal da cruz”.

O cartão telefônico (abaixo) mostra JK e Lúcio Costa consultando o projeto do Plano Piloto no local onde começava a nascer Brasília...

Um pouco mais tarde, exatamente em 03/05/1957, aos pés de uma cruz de madeira situada no ponto mais alto do Plano Piloto, conhecido atualmente por Cruzeiro de Brasília, foi rezada a primeira missa.

“No dia de aniversário da primeira missa nas terras de Santa Cruz, muito nos agrada que tão fausta data seja recordada com a celebração da primeira missa em Brasília. Pedindo a Deus que continue a derramar sobre a generosa nação brasileira os seus celestes favores, para que progrida e prospere à luz do Evangelho e dos ensinamentos da igreja, concedemos de coração a Vossa Excelência, às autoridades presentes, à sugestiva cerimônia e a todo querido povo brasileiro a nossa especial benção apostólica” – Papa Pio XII.

O que ouvia-se contar naqueles tempos, nos quatro cantos do nosso país, era que uma estrela nova iria acrescentar-se às outras vinte e uma da Bandeira da Pátria... foi assim que os trabalhadores, pessoas de grande fé em Deus e no Brasil, ouviram a mensagem de Brasília e alguns vieram de Minas Gerais outros dos estados limítrofes, a maioria do Nordeste, enfim, caminharam de qualquer maneira até Brasília para serem os “candangos” – a expressão da força propulsora do Brasil.

Em setembro do mesmo ano o presidente fixa o dia 21/04/1960 para a mudança da Capital... e assim, durante 3 anos, Juscelino conduziu os trabalhos com muito entusiasmo e lutou decididamente contra qualquer oposição... E como o prometido Juscelino Kubitschek diz a Nação:

“Neste dia – 21 de abril – consagrado ao alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, ao centésimo trigésimo oitavo ano da independência e septuagésimo primeiro da república, declaro, sob a proteção de Deus, inaugurada a cidade de Brasília, capital dos Estados Unidos do Brasil.”

Juscelino Kubitschek de Oliveira e sua esposa na inauguração de Brasília.

Foi assim que JK acompanhou com espírito alerta cada passo à frente dos atos de sua construção... Foi assim que ele presidiu com ânimo, audácia, energia e confiança a “Meta das Metas” – foi assim que JK cristalizou uma aspiração tão antiga do povo brasileiro...

Se Brasília surgiu mesmo do sonho de um visionário ou se surgiu da idealização de deputados não vem ao caso, pois o que mais importa neste momento é que o projeto de Lúcio Costa – o Plano Piloto, está desenhado em forma de pássaro no chão do Cerrado e as linhas arredondadas e suaves de Oscar Niemeyer sustentam vários edifícios que a cidade abriga...

O cartão telefônico mostra os primeiros traços criados por Niemeyer para compor os principais edifícios de Brasília O selo (do lado direito da tela) emitido em 27/02/2002, marca o Centenário do Nascimento de Lúcio Costa, com valor facial de R$ 0,55 mostra aspectos de Brasília e o Plano Piloto no centro superior do selo.

volta ao topo

O médico Juscelino Kubitschek de Oliveira (que foi escoteiro) nasceu na cidade de Diamantina (MG), em 12/09/1902, e faleceu em Resende (RJ), em 22/08/1976. Com eleição direta pelo PDS, JK foi empossado em 31/01/1956, em sessão solene do Congresso Nacional.

Período de Governo: 31/01/1956 a 31/01/1961 (5 anos). Afastamentos: entre 19 a 27/07/1956 (período em que visitou o Panamá) e de 05 a 11/08/1960 quando viajou com o Vice-Presidente (João Goulart) à Argentina, Uruguai e Chile, período em que assumiu o Presidente da Câmara dos Deputados.

Do lado esquerdo, selo emitido em 12/10/1956, alusivo à “Reunião de Presidentes dos Países Americanos no Panamá”, com valor facial de Cr$ 3,30 (verde), o selo mostra JK. RHM: C-384. No centro da tela: Medalha comemorativa. Lado direito, emitido em 21/08/1986, selo “Homenagem ao Presidente Juscelino Kubitschek”, com valor facial de Cr$ 0,50 centavos. RHM: C-1518.

Bloco emitido em 12/09/1960: Aniversário do Construtor de Brasília, Dr. Juscelino Kubitschek (J.K.) – Presidente do Brasil entre 31/01/1956 a 31/01/1961. RHM: B-14. Valor facial: 27,00. O centro mostra o Plano Piloto e a margem do bloco 4 aspectos da arquitetura da cidade de Brasília: Catedral, Congresso Nacional, Palácio e..., todas no Eixo Monumental – avenida larga que desemboca na Praça dos Três Poderes.

Abaixo, selo Centenário do Nascimento de Juscelino Kubitschek emitido em 21/04/2002 (RHM: C-?), com valor facial de R$ 0,55 mostra aspectos de Brasília: Catedral, Congresso Nacional etc...; os 3 máximos postais deste selo, com CBC Brasília, mostram: Rua de Diamantina, JK com sua mãe e Maquete de Brasília...

volta ao topo

Roberto Burle Marx é um dos maiores paisagistas do século XX, entre as suas principais obras está o calçadão da Avenida Atlântica, no Rio de Janeiro. Há também o Parque Burle Marx, em São Paulo. Vários jardins de Brasília foram feitos por ele como os jardins do Palácio do Itamaraty e também:

Palácio do Jaburu – É a residência oficial do Vice-presidente da República. Projeto de Niemeyer e jardins de Burle Marx. Existem emas soltas pelos jardins... Itamar Franco morou aqui.

Parque da Cidade – São 420 hectares, com urbanismo de Lúcio Costa, arquitetura de Niemeyer e paisagismo de Burle Marx. Curiosidade: Eduardo e Mônica, personagens da música do grupo Legião Urbana, andavam por aqui...

04/08/1995 – Bloco de 3 selos Preservação da Flora – Homenagem ao Paisagista Roberto Burle Marx, com valor facial de R$ 1,80 (duas vezes R$ 0,15 e um selo de R$ 1,50), cujas imagens mostram espécies de flores... Artista: Álvaro Martins. RHM: B-100. Nota: Teve seu centenário de nascimento comemorado no dia 04/08/2009...

volta ao topo

PONTOS TURÍSTICOS E DE INTERESSE

O Centro Cultural Três Poderes é uma grande galeria a céu aberto, um complexo na Praça dos Três Poderes, onde se encontra o Espaço Lúcio Costa (edificação subterrânea, com a maior maquete do Plano Piloto), o Panteão da Pátria (edificação em formato de pomba), o Museu da Cidade (com história da transferência da capital), o pombal e a gigantesca Bandeira do Brasil, flamulando no Mastro da Bandeira composto por 23? colunas que representam a união dos Estados à época de sua construção nos anos 70...

Palácio do Congresso Nacional – Localizado na Praça dos Três Poderes, e sede do Poder Legislativo Federal, o Palácio foi projetado por Oscar Niemeyer para abrigar a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. Suas duas torres, ladeadas pelas cúpulas dos plenários das Casas Legislativas (onde se realizam as sessões) e pelos espelhos d'água, surpreendem o olhar pela leveza e grandiosidade

Abaixo, bloco emitido em 05/10/1988, Promulgação da Constituição de 1988, com valor facial de 550,00 mostra o Congresso Nacional – “é a casa do povo” – composto por duas Casas: o Senado Federal (concha voltada para baixo) e a Câmara dos Deputados (concha voltada para cima). RHM: B-77.

Câmara dos Deputados (www.camara.gov.br) e Senado Federal (www.senado.gov.br). Visitação: unificada, aberta todos os dias, das 9h30 às 17h; durante a semana, nos finais de semana e feriados visitas guiadas saindo do Salão Negro, de 30 em 30 minutos. Nota: Tanto o Plenário Ulysses Guimarães que é o Plenário da Câmara como o do Senado valem a visita!

Nota: Em 13/11/2003 foi emitido o selo 180 Anos do Congresso Nacional. Valor facial: R$ 0,74. Edital: 24. Lançamento: Brasília (DF). O selo retrata três dos edifícios que o Poder Legislativo brasileiro já ocupou ao longo de sua história. No centro, a atual sede, o Palácio do Congresso Nacional, em Brasília, tendo ao lado esquerdo a logomarca comemorativa dos 180 anos da instituição. Em segundo plano, à esquerda, está o prédio do Palácio dos Arcos e, à direita, o da Cadeia Velha, ambos na cidade do Rio de Janeiro.

Fragmento do reverso de uma antiga cédula brasilera, com valor facial de 100 mil cruzeiros (P-205), que ilustra 3 pontos de interesse na cidade de Brasília: o Catetinho (lado esquerdo), o Palácio do Congresso Nacional (centro) e o Palácio do Planalto (www.presidencia.gov.br) – local onde o Presidente da República despacha e também da famosa rampa do poder (lado direito). Visitação: aberta somente aos domingos, das 9h30 às 14h30.

Palácio da Justiça (www.mj.gov.br) – Sede do Ministério da Justiça.

O cartão telefônico (abaixo, lado esquerdo da tela) mostra a escultura “A Justiça”, do mineiro Alfredo Ceschiati, em frente ao STF – Supremo Tribunal Federal (www.stf.jus.br), também chamado de STJ – Superior Tribunal de Justiça – local do Poder Judiciário. Visitação: durante a semana somente para grupos de estudantes agendados; aos sábados não há visitação; aos domingos e feriados das 10h às 17h30.

Nota: Em 01/04/1958 foi emitido o selo Sesquicentenário do Superior Tribunal Militar. Yvert: 644. RHM: C-404.

Palácio da Alvorada (www.presidencia.gov.br) – Residência oficial do Presidente da República. JK morou aqui, também José Sarney alguns meses e Fernando Henrique Cardoso. Localizado às margens do lago Paranoá, o Palácio da Alvorada, obra-prima de Niemeyer se tornou símbolo do movimento moderno da arquitetura brasileira. É uma construção revestida de mármore e fachada de vidro, sustentada de colunas brancas que se abrem em semicírculos, outro símbolo da genialidade de Niemeyer. Visitação: aberta somente às quartas-feiras, das 14h30 às 17h30; são disponibilizadas 300 senhas diariamente e distribuídas por ordem de chegada.

Palácio do Buriti – Sede do Governo do Distrito Federal, projetado por Mauro Jorge Esteves, que tem em frente um buriti ou muriti, espécie de palmeira-do-cerrado...

Torre de TV ou Torre de Televisão – Ponto de referência da cidade, tem um mirante. É o centro de retransmissão das emissoras de rádio e TV. Projeto de Lúcio Costa com 218 metros de altura.

Lago Paranoá – Possui 40 quilômetros quadrados de área e 80 quilômetros de perímetro. Foi formado pelo represamento do rio Paranoá e dos riachos Gama, Torto, Bananal, Fundo e Vicente Pires. Tem o objetivo de aumentar a umidade do ar e amenizar o clima seco da região, além de ser uma área destinada ao lazer.

Parque Nacional de Brasília (Águia Mineral) – São 30 mil hectares, contém amostras significativas da fauna e da flora do Cerrado.

Praça Duque de Caxias – Local onde se realizam os desfiles militares.


RELIGIÃO

Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida – projeto de Oscar Niemeyer. Ao lado de sua entrada há um campanário com sinos doados pelo governo espanhol. Fotos by Sérgio Sakall, em 22/02/2009.

Em seu interior existem vitrais coloridos por Mariane Perrett, painéis de Di Cavalcanti que representam a Via Sacra e 3 estátuas (anjos) de alumínio fundido que “flutuam”... A obra “O Evangelista São João” (lado direito) – uma das 4 estátuas de bronze que compõe a obra “Os Evangelistas”, junto à entrada da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida.

Abaixo, detalhes da cúpula em formato de coroa...

– Ermida de Dom Bosco – Minúscula capela, em forma de pirâmide, construída sobre o paralelo 15 (local onde D. Bosco previu que surgiria uma nova civilização). Nesta capela encontra-se uma imagem do santo padroeiro da Capital, esculpida em mármore de Carrara pelos irmãos Arreghini di Pietra Santa.

– Capela Nossa Senhora de Fátima – ou “Igrejinha” – Foi o primeiro templo construído em Brasília. Com painel de azulejos de Athos Bulcão.

– Catedral Militar Rainha da Paz

– Templo da Boa Vontade – Com forma de pirâmide, tem 7 faces e ostenta no ápice um cristal de 40 centímetros de altura, 18 de diâmetro, pesando 21 quilos. É o maior cristal puro encontrado na região.

– Vale do Amanhecer: Comunidade mística fundada pela vidente Tia Neiva. Maior exemplo de sincretismo religioso no país, lá se realizam, todos os dias, cerca de cem rituais dos mais variados cultos.

– Santuário Dom Bosco (www.santuariodombosco.com.br) – projeto de Carlos Alberto Naves. Nas portas de bronze existem quadros esculpidos sobre as visões proféticas de Dom Bosco. Jardins de Burle Marx. Os vitrais com 12 tonalidades da cor azul, mudam de nuance de acordo com a posição do sol, é do belga Humberto Vandró.

volta ao topo

Série de 4 valores, mais 1 bloco e 4 máximos postais emitidos em 22/09/1990, em comemoração a XIII Exposição Filatélica Luso-Brasileira, ocorrida em Brasília, LUBRAPEX 90 – Monumentos de Brasília. RHM: C-1698/C-1701 e bloco B-87.

Os dois selos superiores mostram obras do paulista Bruno Giorgi (1905-1993): “As Banhistas” e “Os Guerreiros” (1960), mais conhecida como “Candangos”, bronze com 800 centímetros de altura, localizada na Praça dos Três Poderes. Os dois selos inferiores mostram obras do mineiro Alfredo Ceschiatti (1918-1989): “O Evangelista São João”, uma das 4 estátuas de bronze na entrada da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, e “A Justiça” (1961), em granito, está em frente ao Supremo Tribunal Federal ou Superior Tribunal de Justiça – local do poder judiciário.

Os máximos postais abaixo mostram: “As Banhistas” (lado esquerdo, selo: C-1698) e “O Evangelista São João” (lado direito; selo: C-1700).

Os outros dois máximos postais mostram: “A Justiça” (lado esquerdo; selo: C-1701) localizada em frente ao Supremo Tribunal Federal e “Candangos” (lado direito; selo: C-1699) localizada na Praça dos Três Poderes.

volta ao topo

Curiosidade sobre Capitais Planejadas – Além de Brasília, outras cidades foram concebidas e construídas especificamente para serem capitais de seus respectivos países. Entre elas, estão Washington (Estados Unidos), Canberra (Austrália) e Islamabad (Paquistão). Ao contrário de Brasília, as três cidades foram construídas próximas a grandes cidades pré-existentes. A capital brasileira foi fundada em 1960, na Região Centro-Oeste.

OUTROS (Museus de Brasília)

Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Conjunto Cultural da República
Fazenda Velha
Memorial dos Povos Indígenas
Memorial JK (www.memorialjk.com.br)
Museu da República
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros
Ponte JK
Teatro Nacional Cláudio Santoro
Zoológico de Brasília

Mais informações turísticas: www.sc.df.gov.br

Sobrevoar a capital de ultraleve para ver o Plano Piloto desenhado no solo como um pássaro.

Restaurantes: La Vecchia Cucina, Francisco (o preferido de FHC) e o Piantella.

Pier 21 – Shopping aberto com Cinemark, restaurantes e bares (Hooters, TGI Friday, Capital)... Ao lado tem a Churrascaria Porcão. O Pier fica em frente ao Pontão, do outro lado do lago. Via L4.

Pontão do Lago Sul – Área de lazer que tem vários restaurantes, café e bares. Há o Bargaço (frutos do mar), o Mormaii (sushi e sanduíches leves) e o Bierfass (mais estilo barzinho). Fica ao lado da Ponte Costa e Silva, no sentido Plano Piloto – Lago Sul.

Entrada principal !
Última atualização: 18/09/2012.
volta ao topo

BRASIL
PAÍSES AMERICANOS