This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do site GIRAFAMANIA

REPÚBLICA DA GRÃ-COLÔMBIA (1819-1930)

Vice-Reino de Nova Granada (nome dado pelos historiadores)

Colômbia, Equador, Panamá e Venezuela

América Espanhola

As invasões napoleônicas aceleram a decadência da Coroa Espanhola quando Fernando VII é substituído no trono pelo irmão de Napoleão, José Bonaparte. Embora os cabildos coloniais (governos locais) declarem-se fiéis à Coroa, os ideais revolucionários influenciam a burguesia da colônia a se libertar da Espanha.

Em resposta aos movimentos autonomistas, uma lei de 1809 torna a América espanhola parte integrante da Coroa. Mas os decretos de teor liberal que a acompanham, inspirados no Código Napoleônico, não impedem a deflagração de um processo geral de independência...

Nos locais onde a comunidade espanhola é numerosa e são fortes as tropas da metrópole, como México e o Vice-Reino de Nova Granada (Venezuela, Colômbia, Equador e Panamá), os combates são longos e sangrentos.

Em outras regiões, porém, não há luta. É o caso do Paraguai, por exemplo, com o golpe de José Gaspar Francia, que estabelece a independência em 1811.

Com exceção do Vice-Reino do Prata (Argentina, Uruguai, Paraguai e parte da Bolívia), os realistas levam vantagem até 1814, quando Fernando VII volta ao trono.

A burguesia criolla das colônias espanholas, limitada pelo monopólio comercial da metrópole e pela restrição do acesso aos postos administrativos, lança-se em movimentos de independência no Vice-Reino de Nova Granada e no Vice-Reino do Prata.

A partir de 1814, os exércitos reais tentam sufocar os movimentos, que se transformam em guerras patrióticas de libertação. Iniciada pelas tropas lideradas por Simón Bolívar, a campanha militar de libertação desenvolve-se em duas direções:

  1. A partir do norte, expulsa os espanhóis da Colômbia, Venezuela e do Equador.
  2. A partir do sul, sob o comando de San Martín, liberta a Argentina, o Chile e o Peru.

A vitória de Ayacucho, em 1824, põe fim ao domínio espanhol na América... Datas de Independência por ordem cronológica:

1811 – Paraguai
1816 – Argentina
1818 – Chile
1819 – Colômbia e Venezuela
1820 – Equador
1821 – México, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua
1822 – Brasil
1824 – Peru
1825 – Bolívia
1828 – Uruguai
1865 – República Dominicana
1902 – Cuba
1903 – Panamá

A vitoriosa campanha militar de Simón Bolívar rumo à libertação da Espanha o leva, em 1821, a ser presidente da recém-formada Grã-Colômbia que incluia grande parte das atuais nações: Colômbia, Equador, Panamá e Venezuela.

O selo (abaixo) mostra, aproximadamente, as fronteiras da República da Grã-Colômbia. Emitido pela Venezuela em 1969 (Scott: 956), comemorou os 150 anos de fundação da Grã-Colômbia.

volta ao topo

Simón Bolívar (1783-1830) é como fica conhecido José Antonio de la Santíssima Trindad Simón Bolívar y Palácios, o “Libertador” das colônias espanholas da América do Sul.

Aristocrata venezuelano de origem basca, é educado por um discípulo de Jean-Jacques Rousseau. Vive algum tempo na Espanha e na França, onde acompanha os movimentos revolucionários...

Volta à Venezuela em 1807 e inicia atividades anticoloniais clandestinas. Em 1813 entra com suas forças em Caracas, onde é recebido como libertador, mas depois enfrenta oposição que o leva a refugiar-se na Jamaica.

Aí escreve a célebre Carta da Jamaica, em que expõe as razões da emancipação americana. Retorna ao continente em 1814. À frente de seu exército, atravessa a Cordilheira do Andes, toma Bogotá e proclama a República da Colômbia (união da Venezuela e Nova Granada), da qual é eleito presidente.

É também o comandante das guerras de independência do Equador, Peru e Bolívia. Em 1826, Bolívar é o chefe supremo do Peru e acumula a presidência da Colômbia e da Bolívia. Em 1830, diante dos conflitos separatistas internos, abandona o poder e se retira para Santa Marta, na Colômbia, onde morre.

San Martín (1775-1850), militar argentino que no século XIX comanda a independência da Argentina, Chile e Peru. Filho de um coronel espanhol, é educado na Espanha e serve o Exército espanhol por mais de 22 anos. Em 1812 volta à Argentina e se envolve no movimento pela Independência. Adota a estratégia de expulsar os espanhóis de território americano, promovendo a independência dos países vizinhos. Depois da libertação da Argentina em 1816, San Martín prepara um exército e no ano seguinte atravessa os Andes para libertar o Chile e depois, por mar, chega ao Peru. Em 1822, decide se exilar na Bélgica e depois na França, onde morre.

Brasil – O absolutismo português atinge o auge com dom José I, rei de Portugal, entre 1750 e 1777, e acelera a crise do sistema colonial. No Brasil, os pesados impostos cobrados dos produtores de açúcar e dos mineradores, as restrições ao livre comércio e as proibições às atividades industriais acirram os conflitos entre as elites brasileiras e portuguesas. Em vários pontos do país eclodem rebeliões pela independência. No início do século XIX, sob a ameaça das invasões napoleônicas, a corte portuguesa transfere-se para o Brasil. O monopólio comercial é quebrado. Em 1808 a Coroa abre os portos brasileiros para o comércio com as nações amigas, as manufaturas são estimuladas, crescem os centros urbanos e há um rápido processo de diversificação da produção. Em 1821, após a revolução antiabsolutista do Porto, em Portugal, as cortes exigem a presença do rei dom João VI em Portugal e tentam bloquear o processo de desenvolvimento econômico.

Proclamação da Independência – Quando o rei volta para Portugal, seu filho dom Pedro fica como regente do Reino do Brasil. As elites rurais brasileiras já não veem vantagem em manter o Brasil como colônia e passam a apostar em dom Pedro para um processo de independência sem traumas. Temem sobretudo os conflitos armados separatistas em curso na América espanhola e a abolição da escravatura. Dom Pedro tenta várias reformas políticas, todas bloqueadas pelas cortes portuguesas. Sob pressão das elites brasileiras, proclama a Independência dia 07/09/1822 e é aclamado imperador. O Brasil é o único país da América que adota a monarquia ao se tornar independente.

América Central e México – O processo de emancipação é lento. Em 1822 a Guatemala, sob o comando de Arce, subleva-se contra sua anexação pelo México. Em 1823 forma-se a Federação das Províncias Unidas da América Central, que dará origem aos atuais El Salvador, Guatemala, Nicarágua, Honduras e Costa Rica. Em 1829 a Costa Rica abandona a Federação.

México – É onde surgem as primeiras tentativas de independência. Em 1810 movimentos populares agrários e indígenas misturam-se aos movimentos autonomistas. As reinvindicações agrárias dos padres Miguel Hidalgo y Costilla e José Maria Morellos y Pavón terminam com a prisão e fuzilamento desses dois líderes. Em 1815 a Insurreição de Querétaro é derrotada pelo Exército e pela aristocracia criolla (formada pelos descendentes dos colonos espanhóis). A Revolução Liberal de 1820 na Espanha tem como consequência a incorporação do Exército e dos criollos ao movimento de emancipação mexicana. Em 1821 é finalmente proclamada a Independência e instaura-se uma monarquia constitucional.

Crise da monarquia – A implantação da monarquia tem curta duração. Militares apoiados pelos republicanos e liderados pelo general Antônio López de Santa Anna resulta na abolição da escravatura, na separação da América Central e México e na formação do Congresso Constituinte, que proclama a República federal presidencialista em 04/10/1824. Os dez anos seguintes são marcados pela luta entre liberais e militares e conservadores, até que, em 1834, Santa Anna assume a presidência, instalando um governo conservador e abolindo as leis liberais.

Haiti – No final do século XVIII, a exploração colonial e o escravismo negro entram em choque com as ideias de liberdade propagadas pela Revolução Francesa. Várias insurreições na parte francesa da ilha de Hispaniola (também chamada Santo Domingo) libertam escravos, massacram colonos brancos e desencadeiam guerras civis. A escravidão é abolida em 1793. Divergências entre o líder negro Toussaint l'Ouverture e o mulato André Rigaud desencadeiam uma luta aberta vencida por L’Ouverture, que ocupa também a parte espanhola da ilha em 1801. No mesmo ano é promulgada a primeira Constituição.

Proclamação da Independência – No ano seguinte L’Ouverture é derrotado pelas tropas de Napoleão, preso e mandado para a França, onde morre. Negros e mulatos se unem sob a liderança do ex-escravo Jean-Jacques Dessalines e combatem as tropas francesas até a proclamação da Independência em 01/01/1804. Dois anos depois Dessalines é deposto e morto e o país tem o controle dividido entre Henri Christophe, ao norte, e Alexandre Pétion, ao sul. A unificação do país só acontece em 1820 sob o governo de Jean-Pierre Boyer.

Período nacional – As tentativas de intervenção ou reconquista da América fracassam. A revolução de Benito Juárez em 1867 derrota o império do austríaco Maximiliano colocado no trono do México em 1862 por Napoleão III. O último traço da presença espanhola na América desaparece em 1898, após sua expulsão de Cuba e Porto Rico, depois da derrota na Guerra Hispano-Americana. Amplia-se desde então a influência dos Estados Unidos no continente e, com exceção do Canadá, os vestígios coloniais europeus perdem gradualmente a importância.

Guerra Hispano-americana – Em abril de 1898 o presidente norte-americano William McKinley (1843-1901) declara guerra à Espanha sob a alegação de que os interesses dos Estados Unidos no Caribe estão ameaçados pelo domínio espanhol. O pretexto imediato é a explosão do encouraçado norte-americano Maine por forças inglesas. O Congresso dos EUA autoriza então o uso de força na região. A guerra não se restringe à área do Caribe e atinge as colônias espanholas situadas no Pacífico, nas Filipinas. O Tratado de Paris arbitra o fim do conflito, acabando com o domínio da Espanha sobre Cuba, Porto Rico e Filipinas, favorecendo os Estados Unidos. No final, a Espanha recebe US$ 20 milhões dos Estados Unidos a título de indenização.

Repúblicas latino-americanas – Os antigos vice-reinos espanhóis não resistem às lutas separatistas regionais que se mantêm ou surgem depois de proclamada a independência. O México conserva apenas por dois anos (1821-1823) a antiga Capitania Geral da Guatemala. A Grã-Colômbia idealizada por Simón Bolívar fragmenta-se em Venezuela, Colômbia, Equador e Panamá. O Peru e o Vice-Reino do Prata dão origem aos atuais Peru, Bolívia, Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile, que recusa qualquer laço federativo. O Brasil mantém a unidade territorial da colônia mas logo depois, na Guerra Cisplatina (1825-1827), perde a Banda Oriental, atual Uruguai.

Caudilhismo – Concluído o processo de emancipação política, a América espanhola mergulha no caos social e político acompanhado do desequilíbrio econômico. Nas cidades, a elite criolla ocupa o poder e governa segundo princípios liberais. Mas a herança do autoritarismo da ex-metrópole e as desigualdades sociais dificultam a instalação de um sistema democrático. A concentração de terras e renda nas mãos de uma minoria, a pobreza e a falta de instrução para a maioria da população aumentam as tensões entre as diferentes classes sociais e entre os meios urbano e rural. Como havia previsto Bolívar – “Sobre minha tumba surgirá uma multidão de tiranos” –, na maioria dos países latino-americanos o poder passa às mãos de caudilhos, ditadores apoiados em geral por grupos conservadores que serão a base das ditaduras do século XX.

Simón Bolívar, conhecido como “o Libertador” (24/07/1783 – 17/12/1830)

volta ao topo

Em 24/07/2005, foi celebrado o 222º aniversário de nascimento do libertador Simón Bolívar. Em várias cidades sul-americanas houve homenagens ao líder que lutou pela liberdade dos países de América espanhola e pela construção de uma grande nação no continente.

Na Venezuela, o presidente Hugo Chávez, celebrou a data assistindo a uma celebração no Panteón Nacional, onde estão os restos mortais do herói.

Na Bolívia, o nascimento do libertador foi recordado com uma cerimônia e oferenda floral na praça Venezuela, na cidade de La Paz.

Simón Bolívar foi o líder da revolução contra o domínio espanhol dos países latino-americanos, libertando 5 países. A revolução começou na Venezuela, em 1810. Depois, outros países, também liderados por Bolívar, conquistaram sua liberdade.

Bolívar foi presidente da Colômbia e Bolívia, ditador do Peru. Panamá e Equador também conquistaram a independência com a revolução liderada pelo herói venezuelano.

Bolívar tentou criar uma grande nação de países da América do Sul. Colômbia, Venezuela e Equador chegaram a formar um só país – a República da Grande Colômbia, mas Bolívar não conseguiu manter a confederação com a qual sonhou.

Em 1830, Venezuela e Equador já haviam abandonado a união.

Nota: em várias cidades da Colômbia, como Bogotá, Cartagena e Medelím, existem estátuas do libertador montado em seu cavalo branco chamado “Paloma”...

Entrada principal !
Última atualização: 09/01/2011.
volta ao topo

PAÍSES AMERICANOS MAPA GIRAFAMANIA
PAÍSES AMERICANOS