This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

TEIÚ ou TEJU

Nome em inglês: Common tegu
Nome científico: Tupinambis teguixin
Há também o teiú-do-cerrado (Tupinambis merianae)

Outros nomes populares de etimologia tupi-guarani: tuu, teiú, teijú, tiú, tejú-guasú, tejú-tará, tejú-guasú-tará (camaleão), teiú-oby (verde ou azulado), tejú-tinga (branco) tejú-pytá ou piranga (vermelho), tejú-kuatiá (pintado), tejú-pará...

Ordem: Squamata
Família: Teiidae
Distribuição geográfica: Do sul do Amazonas ao norte da Argentina. Em quase toda a América do Sul, exceto a oeste dos Andes.
Habitat: Florestas, Cerrados e Caatingas
Hábitos alimentares: Onívoro. Ele come frutas, ovos e insetos.
Reprodução: Desova entre 30 e 36 ovos por postura, que eclodem após 60 a 90 dias de incubação. Outro dado: 4 a 8 ovos, postos num cupinzeiro.
Período de vida: Aproximadamente 16 anos.

O teiú é o maior lagarto da América do Sul e bastante comum, mesmo em áreas já exploradas pelo homem, vivem em buraco e preferem morar em sítios e chácaras, perto das casas, para se aproveitar dos restos de comida, dos quais se alimenta. Acusado de invadir galinheiros para roubar ovos, é largamente caçado no interior e sua carne tem fama de ser boa, muito parecido com a carne de galinha.

Mede quase 2 metros comprimento, da ponta do focinho até a cauda. A cauda do teiú é maior que seu corpo, e é usada como arma funcionando como um chicote que dá dolorosas lambadas nos seus inimigos, embora uma mordida desse lagarto também possa machucar. Como a maioria dos animais silvestres, porém, o teiú não enfrenta o homem, mas foge quando se sente ameaçado.

Bom nadador e capaz de subir em árvores, o teiú não hesita em trepar num arbusto para capturar grilos, borboletas, ou mesmo pequenos vertebrados. Para desovar, entretanto, prefere o solo e geralmente a fêmea abre um buraco num cupinzeiro para pôr os ovos. Essa estratégia garante uma proteção extra, porque rapidamente os cupins fecham o buraco aberto em sua moradia, e assim os ovos incubam protegidos de qualquer predador.

volta ao topo

IGUANA

Família: Iguanidae. Nome comum: Iguana ou “Sinimbu”... Nome científico: Iguana iguana

Espécie bastante comum nas florestas da América do Sul, Central e em algumas ilhas do Pacífico... Recentemente se tornou muito comum como bicho de estimação... Pertence ao grupo vulgarmente chamado de lagartos. Podem ultrapassar os 2 metros de comprimento, sendo dois terços correspondentes à cauda.

O corpo é robusto pouco comprimido nas laterais; membros fortes, curtos e bem desenvolvidos; dedos finos e compridos. Possuem crista longa no dorso e outra curta na papada na região da garganta. As escamas são altamente variáveis, sendo as da cabeça em geral pequenas e irregulares, as dorsais também são pequenas e as ventrais são maiores e raramente dispostas em fileiras regulares.

Os jovens possuem coloração verde intenso e vai apresentando manchas escuras pelo corpo e cauda na medida em que o animal vai se desenvolvendo. Apresentam enorme escama arredondada embaixo do tímpano, característica determinante na identificação da espécie.

É arborícola e vive na copas das árvores próximas aos cursos d’água. Quando adultas são vegetarianas e quando jovens alimentam-se principalmente de insetos. Colocam ovos em número de 30 a 60 e os filhotes nascem com 20 centímetros. Ocorre em todo território nacional, exceto regiões Sudeste e Sul.

Nota: Há a “Fijian Crested Iguana” em uma série da Austrália... Uma das várias espécies de iguanas vive nas Ilhas Galápagos, por exemplo.

volta ao topo

CÁGADO, JABUTI e TARTARUGAS (quelônios aquáticos e terrestres)

Tartaruga-do-amazonas Tartaruga-tigre-d'água

Curiosidade: Na simbologia a tartaruga é símbolo da longevidade e da proteção... Sua carapaça era usada na alquimia chinesa, na preparação de um elixir para a longevidade... Em função de seus inúmeros filhotes, também simbolizava a fecundidade...

TARTARUGAS-MARINHAS
Fonte: Projeto Tamar (www.projetotamar.org.br)
TAXONOMIA (www.projetotamar.org.br/taxo.asp)

Em 1980, o IBAMA criou o Projeto Tartaruga Marinha – TAMAR, que foi implantado com o patrocínio da Petrobras. Seu objetivo era o de identificar as espécies que frequentam a costa brasileira e sua áreas de ocorrência, bem como proteger esses animais. O trabalho de proteção começou em três locais considerados cruciais para o ciclo reprodutivo das tartarugas marinhas: a Praia do Forte, no Estado da Bahia; Comboios, no Estado do Espírito Santo e Pirambú, no Estado de Sergipe. Em 1996, o Projeto TAMAR chegou ao marco histórico da liberação do filhote 2.000.000. Um resultado decisivo para a recuperação das populações de tartarugas marinhas no Brasil e que revela os dezoitos anos contínuos de um trabalho paciente e perseverante realizado por aqueles que lutam pela preservação da natureza.

O Tamar atua em: Fernando de Noronha (PE), Trindade (ES) e Atol das Rocas (RN)...

ORDEM: Testudines (Testudinidae)
Nesta Ordem estão incluídas todas as tartarugas (marinhas, terrestres e de água doce), sendo dividida em três subordens:
1. Pleurodira (tartarugas com retração lateral do pescoço para dentro do casco)
2. Cryptodira (tartarugas com retração do pescoço para dentro do casco de maneira que assume a forma de um “S”, em seu interior)
3. Amphichelydia (todas as espécies extintas)

SUBORDEM: Cryptodira. Nesta estão inclusos jabutis, tartarugas-de-água-doce e tartarugas-marinhas.

FAMÍLIA: As tartarugas-marinhas podem pertencer a duas famílias: Cheloniidae e Dermochelyidae.
A família Cheloniidae inclui 6 espécies de tartarugas-marinhas, com carapaça coberta por placas.
A família Dermochelyidae inclui somente a tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea) que, em vez de uma carapaça coberta por placas, possui pele semelhante a couro.

Na costa brasileira são encontradas 5 espécies de tartaruga marinhas: tartaruga-cabeçuda, tartaruga-de-pente, tartaruga-verde, tartaruga-oliva e tartaruga-de-couro. Todas se encontram nas listas de animais ameaçados de extinção do IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e da IUCN – União Internaiconal para a Conservação da Natureza. Aliás, todas as espécies de tartarugas marinhas são protegidas por lei, no Brasil e no mundo...

Talvez a tartatuga-cabeçuda seja a mais conhecida entre as outras tartarugas-marinhas... Possui grande carapaça achatada e alongada com a parte posterior serrilhada. Possui cinco escudos centrais com discreta crista, cinco escudos costais, onze ou doze marginais. Carapaça de cor marrom-avermelhado e pastrão amarelado. Patas dianteiras, carnudas, em forma de nadadeiras com duas garras. Essencialmente aquática; somente as fêmeas vão às praias para a desova. Nota: Compreende a fauna de animais protegidos de Moçambique, por exemplo.

Tartaruga-cabeçuda / Loggerhead Turtle (espécie ameaçada)
Nome científico: Caretta caretta (Linnaeus, 1758)
Comprimento total: 1,05 m. Peso máximo: 250 kg.
Características: Sua carapaça é óssea e possui 5 placas laterais, tem cabeça maior que outras espécies.
Estimativa mundial da população: 60.000 fêmeas em idade reprodutiva.
Alimentação: marisco típico do fundo do aceano...
Tartaruga-de-pente / Hawksbill Turtle (espécie criticamente ameaçada)
Nome científico: Eretmochelys imbricata (Linnaeus, 1766)
Comprimento total: 90 cm. Peso máximo: 150 kg. Símbolo de Antígua e Barbuda!
Características: Sua carapaça possui 4 placas laterais e a manbíbula assemelha-se ao bico de um falcão.
Estimativa mundial da população: 8.000 fêmeas em idade reprodutiva.
Alimentação: esponjas, anêmonas, lulas e camarões.
Tartaruga-verde ou Aruanã / Green Turtle (espécie ameaçada)
Nome científico: Chelonia mydas (Linnaeus, 1758)
Comprimento total: 1,20 m. Peso máximo: 300 kg.
Características: Sua carapaça possui 4 placas laterais e coloração esverdeada.
Estimativa mundial da poplação: 203.000 fêmeas em idade reprodutiva. Abertura de ninhos (de março a maio) em Noronha.
Alimentação: exclusivamente de algas quando adultas.
Tartaruga-oliva ou Tartaruga-olivácea / Olive Ridley Turtle (espécie vulnerável)
Nome científico: Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829)
Comprimento total: 70 cm. Peso máximo: 50 kg.
Características: De cabeça pequena, sua carapaça possui seis ou mais placas laterais.
Estimativa mundial da população: 800.000 fêmeas em idade reprodutiva.
Alimentação: peixes, caranguejos, moluscos, mexilhões, lulas e camarões.
Tartaruga-lora ou Tartaruga-de-kemp (Kemps Ridley)
Nome científico: Lepidochelys kempii
Tartaruga-flatback
Nome científico: Natator depressus
Tartaruga-de-couro ou Tartaruga-gigante / Leatherback Turtle (espécie criticamente ameaçada)
Nome científico: Dermochelys coriacea (Linnaeus, 1766)
Comprimento total: 2,00 m. Peso máximo: 700 kg.
Características: Sua carapaça é grande, alongada e flexível, com 7 quilhas distintas de cor cinzenta escura ou preta com pontos brancos.
Estimativa mundial da população: 34.000 fêmeas em idade reprodutiva.
Alimentação: águas-vivas, salpas, medusas e outros organismos.
volta ao topo

O Brasil apresenta grande diversidade de quelônios aquáticos, principalmente na Amazônia. Esses animais frequentemente fazem parte dos plantéis de zoológicos, e são comumente mantidos como animais de estimação...

TARTARUGAS-TERRESTRES
ORDEM: Testudines (Testudinidae)

FAMÍLIA: As tartarugas-terrestres podem pertencer às Famílias: Chelidae: Cágado, Jabuti (de o que come pouco, o cágado), Gericuas ou Tartarugas.

Outras Famílias: Emydidae, Kinosternidae, Pelomedusidae e Trionychidae (quelônios aquáticos e semi-aquáticos de água doce)

Algumas das tantas espécies de tartarugas:
Tartaruga-mordedora (Chelydra serpentina)...
Tartaruga-do-mississipi (Graptemys pseudogeographica)...
Tartaruga-de-casco-mole (Trionyx spiniferus)...
Jabuti-gigante (Dipsochelys dussumieri)

Cágado, cágado-de-hoge
Nome científico: Phrynops hogei (Mertens, 1967)
Categoria de ameaça: Em perigo. UF: ES, MG, RJ.
Cágado-cabeçudo (Bufocephala vanderhaegei)
Cágado-de-barbicha (Phrynops geoffroanus)
Cácago-do-nordeste (Phrynops tuberculatus)

Tartaruga-do-amazonas ou Tartaruga-da-amazônia (Podocnemis expansa)
Mais conhecida como tartaruga-verdadeira este tipo de tartaruga é bastante comum no Rio Amazonas.

Tartaruga-tigre-d’água
Nome científico: Trachemis dorbignyi
Repare: “Tigre D’Agua” não é um tigre, nem água, tampouco um tigre que vive na água. A espécie tigre-d’água (com hífen) ou ainda melhor tartaruga-tigre-d’água (Trachemys dorbignyi) é um réptil da família Emydidae.

Espécie encontrada no sul do Brasil, Argentina e Paraguai. Filhotes: 10-14 ovos, incubam por 10 semanas. Sua carapaça funciona como impressão digital, o desenho é sempre em verde e amarelo, mas jamais se repete...

Nota: O site Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/) informa o seguinte: A comercialização clandestina da espécie tigre-de-água-americano (Trachemys scripta elegans), oriunda dos Estados Unidos, como animal de estimação no Brasil, trouxe uma série de problemas para as espécies nacionais, principalmente para o tigre-de-água-brasileiro, por serem muito parecidas entre si. Além disso, o tigre-de-água-americano pode competir com as espécies nativas e invadir os seus ambientes naturais, provocando desequilíbrios ecológicos, como a hibridização de espécies do mesmo gênero e até impacto sobre populações de anfíbios (os girinos são um de seus alimentos). Perdido o interesse pelos animais, os proprietários muitas vezes os libertam em lagos, rios, represas ou parques, o que vem a provocar desequilíbrio ecológico... Nota: A espécie tigre-de-água-americano é também chamada de tartaruga-de-ouvido-vermelho ou tartaruga-de-orelhas-vermelhas.

Jabuti ou Jabuti-piranga
Nome científico: Geochelone carbonaria
Outras espécies:
Jabuti-tinga ou Tartaruga-de-pata-amarela (Geochelone denticulata)
Jabuti-gigante-de-aldabra (Geochelone gigantea)
Jabuti-de-madagascar (Geochelone radiata)

São animais corpulentos, com carapaça alongada com colorido destacado; anéis de crescimento muito distintos; machos com profunda concavidade no plastrão. Normalmente são marrons ou acinzentados com mancha amarela em cada escudo. Escamas das patas e cabeça vermelhas. As patas são curtas, grossas, sem dedos e com unhas grossas e fortes, especialmente desenvolvidas para caminhar em locais secos e escavar. Alimentam-se de folhas e frutas. Escavam tocas rasas junto a troncos e pedras onde se escondem.

Ocorre em todo território nacional, com exceção do extremo oeste da Amazônia, Rio de Janeiro, litoral de São Paulo, do Paraná e estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Também encontrada em matas do Brasil, Colômbia, Venezuela, Peru e Bolívia.

O macho apresenta o plastrão (placa de baixo de sua armadura) abaulado, enquanto o plastrão da fêmea é plano. Basta deixar macho e fêmea juntos que eles cruzam e ainda anunciam que estão acasalando, porque é o único momento em que o macho emite som. Para botar os ovos, a fêmea lança um líquido na terra para que fique mole, cava um buraco e põe de quatro a oito ovos redondos, que cobre em seguida. Número de filhotes: de 4 a 8 ovos, que chocam ao sol de 6 a 9 meses...

Abaixo (lado esquerdo da tela), uma cédula emitida pela Casa da Moeda do Brasil, com valor facial de 2 reais, que mostra a tartaruga-marinha. Visite a Pagína Numismática Brasileira!

Do lado direito, selo postal emitido em uma série de 1935, pela República do Equador, que mostra uma tartaruga-gigante, cujo nome científico é Geochelone elephantopus abingdoni, nas Ilhas Galápagos.

Série de dois valores, emitida em 05/06/1987, “Preservação da Fauna Brasileira”, cujos selos com valor facial de Cz$ 2,00 cada, mostram: Tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata) e Baleia-franca (Eubalaena australis). Yvert: 1835/1836. Scott: 2102/2103. Michel: 2214/2215. RHM: C-1549/C-1550.

Selo emitido em 16/05/2000, com valor facial de R$ 0,40 centavos de real, sobre o “Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro – GERCO”. Artista: Roberto Carlos O. Araújo. RHM: C-2276. O selo mostra uma tartaruga-marinha no mapa do Brasil, compondo a costa atlântica brasileira, fazendo uma referência aos 8.698 quilômetros de Zona Costeira. Também mostra caranguejo, estrela-do-mar, rabo de baleia, coqueiros e a arara-vermelha (Ara macau).

Nota: Outros selos postais na temática tartarugas na página Pescador...

Entrada principal !
Última atualização: 18/11/2013.
volta ao topo

FAUNA BRASILEIRA MAPA GIRAFAMANIA
FAUNA BRASILEIRA