This page is part of © GIRAFAMANIA website / Esta página é parte do sítio GIRAFAMANIA

ESCARAVELHO

O escaravelho, em Heliópolis, é visto como “o deus que veio sozinho à existência”, ou seja, Rá.

RÁ – AMON – AMON-RÁ – ATON – PTÁ

O deus Sol, é um deus pacífico, pai e mestre do Universo, que teria nascido segundo certos mitos, de um ovo, segundo outros, originou-se de um lótus...

Ele desperta no Oriente e é conduzido pela sua barca de ouro, de 770 côvados (o côvado egípcio tinha cerca de 52 centímetros) de comprimento, para distribuir calor e luz pelo mundo.

Durante o dia apresenta uma forma humana e durante a noite ganha uma cabeça de carneiro, com longos chifres recurvados. De seu palácio, na cidade de Heliópolis, o deus Sol, reina sobre os egípcios, protege-os e concede-lhes incontáveis benefícios, enquanto vão constituindo povos em torno da terra do Egito: ao sul, os núbios; ao norte, os asiáticos; a oeste, os líbios e a leste, os beduínos.

São seus filhos: Chu (o ar), Tefnut, Geb (a Terra) e Nut (o céu). Foi Rá quem determinou que, quando um homem ofender os deuses, seja sacrificado um animal em lugar dele, um boi, uma ave, pois Rá sente repulsa aos sacrifícios humanos.

O passar do tempo é inexorável, tudo está condenado à velhice e à decrepitude, e nem mesmo o deus Rá escapa a essa lei. Seus membros vão ficando rígidos, seus ossos se convertem em prata, seu corpo vai transformando-se em ouro, seus cabelos ficam lápis-lázuli, ele precisa apoiar-se num bastão para conseguir caminhar.

No decorrer dos séculos, os egípcios veneravam uma série de divindades, suas crenças religiosas variaram muito, e cada religião ou mesmo cada cidade, prestava um culto particular a um deus ou uma deusa que o restante do império ignorava. Todos os deuses importantes foram associados a Rá, assim:

volta ao topo

KHEPRA ou KHEPRI – ESCARAVELHO

Khepri era da classe dos deuses egípcios associados com um animal particular. O nome significa o escaravelho ou aquele que surge. Divindade solar cujo culto menciona-se nos textos das pirâmides.

O escaravelho é um tipo de besouro do esterco comum em todo Egito. O hábito do escaravelho de botar ovos em esterco animal bem como nos corpos de escaravelhos mortos foi observado pelos egípcios...

O chocar subsequente dos ovos de material aparentemente pouco prometedor conduziu os egípcios que associam o escaravelho com renovação, renascimento e ressurreição.

O hábito do escaravelho de enrolar esterco em esferas e empurrar através da terra foi também notado pelos egípcios Antigos. Khepri era frequentemente associado com o Sol e foi concebido como um escaravelho gigantesco que rola o Sol através do céu...

A renovação e renascimento associados com o escaravelho também entrou em jogo aqui. Khepri renova o Sol cada dia antes de rolar ele acima do horizonte e carrega-o com segurança através do outro mundo após o pôr do Sol para renová-lo no dia seguinte.

O sacerdócio de Heliópolis o consagrou como deus do Sol diurno e o venerou como Sol ao surgir na tripla forma de Khepri-Rá-Áton (raiar, meio-dia, poente).

Nas iconografias aparece em forma humana com o escaravelho situado em lugar de sua cabeça, ou simplesmente como um escaravelho que empurra com suas patas dianteiras o disco solar através do céu.

O símbolo do escaravelho estava sobre os amuletos e nos selos do rei. Existia um escaravelho do coração que formava parte do vestuário do defunto. (veja mais abaixo)

Aquele que em vida trouxesse consigo uma imagem do escaravelho garantia, de certa forma, a persistência no ser e aquele que levasse essa imagem para a tumba tinha certeza de renascer para a vida.

O escaravelho era, assim, o amuleto preferido de vivos e mortos. Os escaravelhos destinados aos mortos têm sua face inferior tratada com o maior realismo. Geralmente são escaravelhos-corações, amuletos de pedra dura que eram depositados no lugar do coração, no peito da múmia.

Muitas vezes, o escaravelho está incrustado numa moldura retangular, fixada sobre o peito do morto. Tais amuletos foram encontrados também no tórax de certos animais sagrados.


(50k)
volta ao topo

“True Scarab beetles, or Dung Beetles” (Scarabaeinae)

The dung beetles, or true scarab beetles, are all coprophagous as their name implies. That is, they feed, as well as their larvae, on excrement from a wide range of animals. They play a very important environmental role by burying or recycling feces. Some species, and especially the Ateuchus to whom belongs the Egypt scarabaeus, shape feces into balls. Each individual rolls its dung ball backwards and eventually buries it, either to eat it, or to lay an egg. The larva, after hatching, will feed from this reserve.

Selo de Haute Volta emitido em 1981 mostra Ateuchus (Scarabeus) sacer...

Besouro esterqueiro ou escaravelho-sagrado é um inseto coleóptero grande, 10 a 25 mm de comprimento, tem cor negra ou quase negra e o corpo é revestido por quitina espessa e coriácea. As patas anteriores possuem espinhos para poderem escavar as tocas que se situam por debaixo do esterco. Os machos distinguem-se perfeitamente das fêmeas pelas antenas.

As bolas de esterco são levadas para as tocas e, é nessas bolas, que põem os ovos e guardam as larvas até estarem aptas a sobreviver. As larvas possuem maxilas poderosas e alimentam-se do mesmo tipo de alimentos que os adultos. São comuns na região mediterrânica e encontram-se nos prados e pastagens durante todo o ano. Estes, com um ou mais besouros aparentados, foram considerados símbolos da ressurreição e da imortalidade, pelos antigos egípcios.

Página Turismo

Entrada principal !
Última atualização: 23/09/2011.
volta ao topo

MITOLOGIA PAÍSES DA ÁFRICA
MATÉRIA SOBRE O EGITO